top
Pacientes

Colunistas


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Já passou da hora de falar de câncer sem medo e preconceito

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 06/12/2017 - Data de atualização: 06/12/2017




Que tal essa manchete???

Sim, ela é real e esteve na capa do portal UOL dia desses. Pode ser que você tenha
achado um absurdo e muita gente veio me questionar "porque você não entrou em contato com a jornalista pra mudar isso?" Simples, porque eu achei essa manchete uma triste oportunidade para que todos pudessem refletir: Porque será que é tão fácil ser cruel quando se fala de câncer?

Sejamos francos, se não tivesse a palavra "câncer" no título provavelmente não ganharia destaque, milhares e milhares de compartilhamentos e, inclusive, nem seria uma história a ser contada em um portal tão gigante como o UOL. Mas nós (eu e Renata) temos câncer metastático, somos jovens e, estranhamente (para a maioria), estamos felizes e nos divertindo mesmo diante daquilo que muitos consideram uma sentença de morte (!)... um prato cheio para qualquer jornalista e dramaturgo de plantão.

Nos filmes, quando querem matar alguém lentamente e com muito drama envolvido (tirando o Titanic) é de câncer que o personagem morre. As novelas também acham lindo uma ceninha de cabeça raspada. Os programas de TV da tarde adoram especular sobre os artistas doentes e quando descobrem que é câncer o diagnóstico vixiiiii - sempre fico na dúvida se estão torcendo pra pessoa viver ou morrer logo e ter mais assunto.

E daí vem esse triste cenário.

Hoje, as pessoas se acostumaram a pensar que só se morre de câncer quando, na
verdade, ele representa apenas 17% dos óbitos por doença, o campeão disparado são as doenças que envolvem o aparelho circulatório (31%).

Nessa manchete, a repórter falou a verdade nua e crua mas do jeitinho sensacionalista que o povo gosta, o que garantiu muitos acessos à matéria. SIM, podemos viver 5 ou 50 anos.

SIM, temos câncer. SIM, estamos curtindo o tempo que nos resta. Agora me diga você, não fosse o câncer, esse título poderia ser a chamada para a história de qualquer ser humano desse planeta que gosta de curtir a vida. NINGUÉM sabe se tem 5 minutos, 5 horas, 5 dias, 5 anos... E a partir do nosso nascimento estamos vivendo o "tempo que resta".

Porque será que as pessoas gostam tanto de ser crueis com o câncer? Porque será que ele gera medo e ao mesmo tempo curiosidade? Porque será que ele aflora solidariedade e um desejo de velar em vida quem está na luta? Porque será que ninguém pensa no quanto isso deixa nossa batalha muito mais difícil e apavorante? Porque será que é mais fácil dramatizar a doença do que tratá-la com leveza? Porque será que quem morre em decorrência do câncer "perdeu a batalha" sendo que a vencemos diariamente de cabeça erguida? Porque será que se o título fosse "Amigas planejam curtir a vida comendo e viajando" não teria tanto impacto quanto falar do nosso diagnóstico associado ao fim da nossa vida?

É esse preconceito que enfrento diariamente na minha vida de paciente oncológica.
Preconceito que infelizmente fere nossa família e nos assusta. Preconceito que não deveria existir e você não deveria fazer parte da massa que o alimenta.

Câncer é real, é uma doença aleatória que não escolhe as vítimas e pode acontecer com qualquer um a qualquer momento. Ele também não é sentença de morte. É mais fácil você ter um treco do coração do que ter um siricutido inesperado causado por um câncer que na maioria das vezes tem tratamento e cura.

Bom, apesar do título, a jornalista foi absolutamente fiel na matéria e nós adoramos ver nossa história, que de triste e dramática não tem nada, contada. Foram muitos, muitos, muitos comentários… alguns nos divertiram, outros nos emocionaram e alguns até nos assustaram. As pessoas em geral são solidárias e fizeram questão de incentivar nossa luta e vontade de curtir a vida e seria maravilhoso que essa energia positiva fosse a base ao falar de câncer. Imagina como seria diferente se tratássemos essa doença de forma mais leve? Imagina como isso evitaria medo de exames, diagnóstico e tratamento? Imagina como os pacientes teriam mais qualidade de vida, força e esperança? Pense sobre isso!

Pra finalizar, alguns comentários que resumem as mais de 42 mil interações nas mídias sociais que essa matéria recebeu:


Vida com significado não tem a ver com doença… é disso que estamos falando!
Obrigada pelo "gatas” uhuuuu (me liga)



Pois é… ninguém sabe quanto tempo resta....



Viu só... a gente precisa mudar isso!!!



Ué, acho que Jesus tá feliz em nos ver curtindo a vida que nos deu de presente...



Oooooopaaaaaaaaaaaa Hahahahaha


Sabe o que é pior nessa mensagem??? Ele tem razão!

O Banco do Brasil ligou pra Renata (a amiga que está comigo na foto) cancelando um seguro após essa matéria... Ou seja, a gente não serve mais. Provavelmente os demais clientes detém o segredo da vida eterna e estão imunes à qualquer doença....

Meu pedido hoje é:

  • Aprenda a falar com mais naturalidade sobre câncer (como acontece com as demais doenças).
  • Aprenda a ver os pacientes oncológicos com mais empatia.
  • Pare de incentivar o discurso da sentença de morte.
  • Nunca mais diga que alguém perdeu para a doença.
  • Câncer não é pra ter medo, é pra enfrentar.
  • Não é "aquela doença", nem "probleminha". É câncer...
  • Vamos aprender a falar sobre ele sem medo e preconceito???

O link da matéria completa está aqui.

E sobre "o tempo de resta"... bom, optamos por viver intensamente cada dia como se fosse o último, porque quando o último dia chegar (ele chega para todos) seremos gratas por ter vivido uma história que não foi fácil, mas com certeza foi cheia de entrega, emoção, amor e verdade!

Curta o seu HOJE!

Beijos,
AnaMi
@paliativas

As opiniões contidas nos artigos assinados pelos nossos colunistas refletem unicamente a opinião do autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive