Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Isenção de IPTU para portadores de doenças graves ou que tenham dependentes nessa condição

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 05/09/2017 - Data de atualização: 05/09/2017


No dia 12 de abril de 2016 foi sancionada em Arcos a Lei Municipal n° 2.779, que entrou em vigor a partir de 1° de janeiro de 2017. A iniciativa foi do ex-vereador e atual vice-prefeito Halph Carvalho, que acolheu a proposta da advogada Cássia Montouto, assistente jurídico do Instituto Oncoguia, sediado em São Paulo.

A Lei concede isenção do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) sobre imóvel integrante do patrimônio de portadores de doenças consideradas graves ou que tenham dependentes nessa condição.

No contexto da referida Lei, entende-se por doenças graves: Neoplasia maligna (câncer); Espondiloartrose anquilosante; estado avançado da doença de Paget (osteíte deformante); Tuberculose ativa; Hanseníase; Alienação mental; Esclerose múltipla; Cegueira; Paralisia irreversível e incapacitante; Cardiopatia grave; Doença de Parkinson; Nefropatia grave; Síndrome da deficiência imunológica adquirida – AIDS; contaminação por radiação, com base em conclusão da medicina especializada; Hepatopatia grave; Fibrose cística (mucoviscidose). Também entram na lista as doenças crônicas relacionadas na Portaria do Ministério da Saúde n°349, de 08 de agosto de 1996, sendo estas: doença genética com manifestações clínicas graves; insuficiência cardíaca congestiva; cardiomiopatia; doença pulmonar crônica obstrutiva; hepatite crônica ativa; cirrose hepática com sintomalogia grave; artrite invalidante; lúpus; dermatomiosite; paraplegia; miastenia grave; doença desmielinizante e doença do neurônio motor.  Portanto, são mais de 20 patologias citadas na Lei Municipal.  

É importante ressaltar que "a isenção do IPTU não desobriga o contribuinte do pagamento das taxas”, conforme consta no artigo 4° da Lei. Deverão ser pagas as taxas de esgoto, lixo e iluminação pública.
 
Documentos necessários – Para solicitar a isenção, o requerente deverá apresentar cópias dos seguintes documentos: documento hábil comprobatório de que, sendo portador de doença, é o proprietário do imóvel no qual reside juntamente com sua família; quando o imóvel for alugado, contrato de locação no qual conste o requerente como principal locatário; documento de identificação do requerente [Cédula de registro de Identidade (RG) e/ou Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)] e, quando o dependente do proprietário for o portador da doença, juntar documento hábil a fim de se comprovar o vínculo de dependência (cópia da certidão de nascimento/casamento); documento de identificação do requerente; Cadastro de Pessoa Física (CPF); atestado médico fornecido pelo médico que acompanha o tratamento, contendo: Diagnóstico expressivo da doença (anatomopatológico *); Estágio Clínico Atual; Classificação Internacional da Doença (CID); Carimbo que identifique o nome e número de registro do médico no Conselho de Medicina (CRM). [(*) Consta no site www.dicionariomedico.com.br, que anatomopatológico é relativo à anatomia e à patologia; relativo ao estudo de peças do organismo alteradas por processos patológicos].
 
Onde requerer a isenção – Quem tem direito à isenção do IPTU, por se enquadrar na Lei citada, deve ir ao Departamento de Tributação da Prefeitura e apresentar todos os documentos, preferencialmente até dia 05 de setembro (terça-feira), mas o pedido de isenção poderá ser feito até o último dia deste ano, de acordo com informação da Assessoria de Comunicação da Prefeitura. O setor funciona de meio-dia às 18h.

Até a última quarta-feira, 30, apenas três pessoas haviam feito a solicitação, de acordo com informações do Departamento de Tributação da Prefeitura. 

 
Devolução de dinheiro ao contribuinte / perdão de débitos – Se o contribuinte já efetivou o pagamento do IPTU 2017 – por desconhecer o direito – ele poderá fazer o pedido de restituição do dinheiro. Deve ser protocolizado um requerimento junto ao Departamento de Tributação, provando as alegações para esclarecimento da situação.

De acordo com o Art. 6° da referida Lei (2.779), também é autorizado ao Poder Executivo conceder perdão de débitos referentes ao IPTU do Imóvel, a partir da data do diagnóstico da doença. Para isso, o contribuinte deve apresentar um requerimento ao Departamento de Tributação, com a documentação prevista em lei para isenção. A partir daí, o pedido será analisado pela Administração Municipal.

A isenção será concedida para um único imóvel do qual o portador da doença considerada grave seja proprietário/dependente ou responsável pelo recolhimento dos tributos municipais e que seja utilizado exclusivamente como sua residência e de sua família, independentemente do tamanho do referido imóvel.

Matéria publicada no Portal Correio Centro-Oeste em 02/09/2017

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive