Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Cateteres Venosos Centrais

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 11/03/2012 - Data de atualização: 13/04/2018


Os cateteres venosos centrais (CVC) também denominados dispositivos de acesso venoso central são usados para a administração de medicamentos, nutrientes ou líquidos diretamente na corrente sanguínea. Também podem ser usados para a coleta de sangue para realização de exames.

Existem diferentes tipos de CVC. Os dois tipos mais comuns são o port-a-cath e o cateter venoso central de inserção periférica (PICC).

Quando usar um Cateter Venoso Central


A maioria dos medicamentos quimioterápicos é administrada diretamente na corrente sanguínea. Entretanto, a punção repetida de agulhas nas veias dos braços ou mãos pode provocar desgaste e cicatrizes nas mesmas, além de com o tempo dificultar a obtenção do acesso intravenoso e, às vezes, sendo necessárias várias tentativas até se conseguir o acesso.

Para evitar esse desconforto, citamos algumas vantagens para o uso de um cateter:

  • Administração de vários medicamentos simultaneamente.
  • Administração de quimioterapia de infusão contínua (24 horas ou mais).
  • Administração de alimentação parenteral.
  • Administração frequentes de tratamentos.
  • Administração de tratamento em casa.
  • Administração de tratamentos de longo prazo.
  • Evita punções frequentes.
  • Conforto e mobilidade.
  • Maior eficácia do tratamento, uma vez que não ocorrem episódios frequentes de flebites, trombose venosa e necrose por extravasamento do medicamento.

Muitos pacientes discutem com seus médicos sobre as opções de inserir um cateter venoso central antes de iniciar o tratamento quimioterápico. Outros percebem durante o tratamento que precisam de um cateter porque suas veias não aguentarão todo o tratamento programado.

O tipo de cateter venoso central a ser implantado varia de paciente para paciente dependendo de alguns fatores como:

  • Tempo de duração do tratamento.
  • Tempo de infusão de cada dose de medicamento.
  • Quantos medicamentos são administrados em cada ciclo.
  • Preferências individuais do paciente.
  • Preferências do médico.
  • Cuidados necessários para manutenção do cateter.
  • Custo.
  • Outros problemas clínicos, por exemplo problemas de coagulação ou linfedema.

Cateter Venoso Central

O cateter venoso central (CVC) é um cateter maior e mais longo que é colocado em uma grande veia no tórax ou na parte superior do braço, permanecendo no local durante todo o tempo do tratamento. Alguns tipos de cateteres podem permanecer no local semanas, meses ou até anos.

Antes de decidir pela colocação de um cateter, converse com seu médico sobre o tipo que ele recomenda para o seu caso.

Alguns tipos de cateteres podem restringir determinadas atividades, e a sua segurança deve ser levada em consideração. Cada tipo de cateter tem seus cuidados específicos e possíveis problemas e complicações.

Port-a-cath

O port é um tipo de cateter venoso central totalmente implantado. Consiste de um pequeno reservatório de plástico ou metal com um cateter inserido numa grande veia, que são colocados sob a pele do tórax ou braço durante um procedimento cirúrgico (ver figura abaixo).


O port pode permanecer no local por muitos anos. Não requer nenhum cuidado especial quando não há agulha. Quando a área ao redor estiver cicatrizada, o paciente pode tomar banho normalmente e até mesmo nadar.

Quando não estiver em uso para quimioterapia, precisará ser heparinizá-lo (ou salinizá-lo) uma vez por mês.

Cateter Venoso Central de Inserção Periférica

O cateter venoso central de inserção periférica (PICC) é um cateter especial para infusão intravenosa, colocado em uma das veias perto da dobra do cotovelo ou na parte superior do braço.



O PICC pode permanecer no local por muitas semanas ou meses. Entretanto o PICC e o curativo não podem ser molhados, é preciso ser coberto ao tomar banho.

O cateter e a pele ao redor do mesmo precisarão de cuidados regulares.

Cateter de Linha Mediana


O cateter de linha mediana é muito semelhante ao cateter PICC, mas de menor comprimento, sendo  introduzido até chegar a uma veia grande na  parte superior do braço. Nenhuma cirurgia é necessária para sua colocação. Mas, é necessário heparinizá-lo (ou salinizá-lo) uma vez por mês.

Cateter Venosos Central Tunelado


É um tipo de cateter venoso central com vários tubos separados, denominados lúmens. O cateter é colocado sob a pele, mas as aberturas para os lumens saem da pele do tórax conforme imagem abaixo. Este cateter pode permanecer no local por alguns anos. O cateter externo e a pele ao redor precisarão de cuidados especiais regulares.


Problemas relacionados a inserção do Cateter

  • O paciente pode sentir dor quando o cateter é inserido ou no local onde está colocado sob a pele.
  • A agulha ou o cateter colocado no vaso sanguíneo pode causar danos no mesmo, provocando hematomas ou hemorragia no local da punção ou infecção.
  • Serão realizados exames antes da inserção do cateter para garantir ausência de coágulos sanguíneos. Mesmo quando coagula normalmente, o sangue pode extravasar e provocar hematomas, pressão sobre outros vasos sanguíneos ou órgãos. Na maioria dos casos, a hemorragia é pequena e se autolimita.
  • Às vezes, pode ocorrer um pneumotórax durante a colocação do cateter na região do tórax ou pescoço. Isso acontece quando um pulmão é perfurado e o ar é externo se aloja no tórax. Entretanto, a colocação do cateter guiada por ultrassom ou fluoroscopia diminui esse risco.
  • Os batimentos cardíacos podem sofrer alterações com a colocação do cateter. Esse efeito é apenas temporário e o ritmo normal retorna quando o cateter é reposicionado.
  • Em casos raros, o cateter atinge uma artéria em vez de uma veia. Se isso acontecer, o cateter será retirado. Se não houver outras complicações, a artéria geralmente cicatriza sozinha.
  • Se desenvolver uma área de infecção na região da pele onde foi inserida o cateter, siga todas as instruções sobre como cuidar da pele ao redor do cateter durante a cicatrização.

Conversando com seu Médico


Você receberá instruções sobre os potenciais problemas que deverá comunicar imediatamente a seu médico, como:

  • Dor, vermelhidão, vazamento, ou calor local.
  • Hemorragia.
  • Problemas respiratórios ou falta de ar.
  • Problemas cardíacos.
  • Tontura.
  • Febre.

Possíveis Riscos


  • Infecção. A infecção na pele pode começar onde o cateter ou o port entra no corpo, mas infecções importantes na corrente sanguínea também podem ocorrer. A chance de ocorrer uma infecção pode ser evitada se você ou qualquer pessoa que manuseia o cateter sempre lavar as mãos antes de manuseá-lo, seja para trocar o curativo ou verificar a pele ao redor do mesmo, além de técnicas de limpeza cuidadosa e estéril ao usar o cateter. Entre em contato com seu médico, imediatamente, se notar qualquer alteração na aparência da pele ao redor do cateter. Informe também se você tiver febre ou arrepios. Estes podem ser sinais de uma infecção no sangue.
  • O cateter pode se deslocar, mover-se ou se torcer dentro da veia. Se isso acontecer, pode ser necessário reposicioná-lo ou removê-lo.
  • Qualquer tipo de cateter pode entupir em função de sangue coagulado. Você pode minimizar esse risco lavando-o cuidadosamente. O cateter também pode ser desbloqueado pela injeção de determinados medicamentos, mas, às vezes, pode ser necessário removê-lo ou substituí-lo.
  • Alguns tipos de cateteres podem se mover ou serem puxados para fora se não estiverem bem presos na pele. Se o cateter for puxado ou estiver saindo de sua pele, entre em contato, imediatamente, com seu médico.
  • Alguns cateteres precisam ser fixados quando não estão em uso e as tampas devem ser apertadas firmemente para evitar que entre ar.
  • Às vezes, um coágulo de sangue pode se formar ao redor do cateter, provocando inchaço no braço, ombro, pescoço ou cabeça. Entre em contato, imediatamente, com seu médico se você perceber qualquer inchaço. O coágulo pode ser tratado com anticoagulantes, mas em alguns casos, o cateter deverá ser removido.

Cuidados Especiais com o Cateter

Alguns cuidados devem ser tomados para manter o cateter em segurança e higienizado:

  • Lave sempre as mãos antes de mexer em seu cateter.
  • Mantenha sempre o curativo seco para prevenir infecções. Ao tomar banho, cubra o local com material à prova d'água.
  • Mantenha o tubo coberto em seu corpo para evitar que prenda em alguma coisa. Não dobre nem prenda o cateter.
  • Saiba o que você precisa e mantenha suprimentos suficientes à mão para cuidar do seu cateter. Certifique-se sempre de ter kits de troca de curativos extras para o caso do curativo molhar ou sair do lugar.

Fonte: American Cancer Society (11/02/2016)


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive