Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Imunoterapia para tratar câncer de bexiga é aprovada no Brasil

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/01/2021 - Data de atualização: 26/01/2021


 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso do medicamento avelumabe, dos laboratórios Merck e Pfizer, para tratar o carcinoma urotelial, um tipo de câncer que afeta bexiga, ureter e pelve renal. O remédio é considerado o principal avanço contra essa doença nos últimos 30 anos.

A droga é uma imunoterapia. Ou seja, ela estimula as defesas do organismo a reconhecerem o tumor como um inimigo e partirem para o ataque. E essa não é sua primeira aprovação aqui no Brasil. Ela já está liberada contra o carcinoma de células de Merkel (um câncer de pele raro) e o de células renais avançado (tumor mais comum dos rins).

No caso do câncer de bexiga, o avelumabe passa a ser indicado para doenças localmente avançadas ou que já têm metástase (quando se espalhou pelo corpo). A nova estratégia funciona como uma espécie de manutenção do tratamento. Ou seja, o paciente recebe quimioterapia e, com a remissão ou estabilização do avanço do tumor, essa imunoterapia entra em jogo para prolongar os benefícios do tratamento.

O estudo que justificou a autorização da Anvisa foi feito com 700 pacientes. Todos passaram por sessões de químio, mas só metade recebeu avelumabe na sequência (o restante foi tratado com cuidados de suporte). Após a análise, os cientistas concluíram que a sobrevida mediana do primeiro grupo foi de 21 meses, enquanto a do outro ficou em 14. O avelumabe também reduziu o risco de morte em 31% dentro do tempo analisado.

Para ter noção da importância do resultado, estudos anteriores indicavam que a maioria dos portadores de carcinoma urotelial terão progressão da doença em até seis a oito meses após o início da químio. Além disso, não mais do que 5% dos pacientes que descobrem a enfermidade em fase metastática estarão vivos em cinco anos. Não há trabalhos de longo prazo com essa droga, mas se espera ela ajude a mudar esse cenário.

“Como a primeira imunoterapia na manutenção do tratamento de primeira linha a demonstrar uma melhora significativa na sobrevida global dos pacientes, a aprovação de avelumabe é um dos avanços mais significativos desse cenário em 30 anos”, afirmou Luiz Magno, diretor médico da Merck no Brasil, em comunicado à imprensa.

Outro benefício é a relativa baixa toxicidade, como informa o oncologista Augusto Mota, diretor da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (Sboc), que não participou da pesquisa. “Sempre comemoramos quando surge um medicamento com esse perfil. A quimioterapia pode fazer as pessoas sofrerem muito”, pontua o médico.

O ponto negativo é o custo elevadíssimo — um fator comum na imunoterapia. Mesmo com a aprovação, não há nenhuma previsão de chegada do avelumabe na rede pública. Aliás, inexistem imunoterápicos contra o câncer amplamente disponível no Sistema Único de Saúde (SUS).

Saiba mais sobre o carcinoma urotelial

Apesar de aparecer em várias partes do sistema urinário, esse tipo de câncer se desenvolve com mais frequência na bexiga — o órgão responde por 90% dos casos. Mota explica que o tal urotélio funciona como um revestimento interno das vias urinárias.

O xixi é produzido no rim, escoado por um uma espécie de canudinho chamado ureter e, aí, fica armazenado na bexiga. “O contato prolongado da urina com o urotélio da bexiga é o que faz esse órgão ser mais atingido pelo câncer”, raciocina o oncologista.

Esse é um tumor bastante agressivo por três razões. A primeira: problemas no aparelho urinário são relativamente silenciosos. As pessoas acabam procurando ajuda só quando a enfermidade está avançada.

O segundo motivo é o impacto do tabagismo. Pode parecer estranho, mas o cigarro é o principal fator de risco para o câncer de bexiga. “Ao inalar a fumaça, o corpo absorve uma quantidade extraordinária de moléculas cancerígenas. Elas circulam, são filtradas nos rins e ficam na urina, que permanece em contato com a mucosa da bexiga”, informa Mota.

Por fim, o médico lembra que o carcinoma urotelial tem uma alta carga de mutação genética, o que leva ao difícil controle das células tumorais. “Todo esse conjunto de características a tornam uma doença desafiadora e complicada de tratar”, conclui.

Fonte: Veja Saúde

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive