Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Imunoterapia, a nova esperança no tratamento contra o câncer que salva vidas

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 17/10/2018 - Data de atualização: 17/10/2018


Em 2011, Georget Luc, 62 anos, foi diagnosticado com um câncer na base da língua. Ele fez quimioterapia, mas, três anos mais tarde, o tumor se espalhou. Os médicos descobriram uma metástase no pulmão e deram poucas esperanças de vida para ele. “Eu estava praticamente condenado”, diz o francês.

Em 2016, seu oncologista propôs que ele tentasse um novo tratamento: a imunoterapia. Desde então, o francês toma injeções quinzenais, que contém os chamados anticorpos monoclonais, proteínas produzidas pelo sistema imunológico, fabricadas em laboratório a partir do clone de uma célula. Elas têm a capacidade de identificar e neutralizar substâncias estrangeiras como vírus, bactérias e células cancerígenas. A proteína se fixa na molécula e possibilita sua eliminação pelo sistema imunológico.

Saiba mais sobre imunoterapia.

Foi graças a essa terapia proposta a Georget que hoje seu câncer entrou em remissão – quando os médicos consideram que o paciente esta no caminho da cura. Em dezembro ele acaba seu tratamento, que terá durado dois anos. “Quando me propuseram, pensei: é uma nova terapia, tenho que tentar. Então fizemos um protocolo juntos”, conta.

A aposta deu certo. Tão certo que o francês conta que, durante todo esse tempo, continuou trabalhando e não sentiu sintomas que o impedissem de continuar levando uma vida normal. Ele teve sorte. Como a Medicina não é uma ciência exata, a imunoterapia nem sempre funciona e depende do organismo de cada paciente.

Independentemente disso, a mensagem de Georget para outros pacientes que enfrentam a doença é de otimismo. “Há novas terapias chegando ao mercado e podemos tratar o câncer de forma cada vez mais eficaz. O importante é não perder a esperança. A doença afeta muito, principalmente em fase terminal. Tem que ir à luta, ir à luta…”, diz, com emoção na voz. “Tentei viver como uma experiência. Talvez isso tenha sido minha salvação”.

Curas inéditas

O oncologista Christophe Le Tourneau, do Instituto francês Curie, lembra que as pesquisas sobre Imunoterapia, e o papel do sistema imunológico no mecanismo do câncer, começaram há mais de um século. O que é recente, diz, e levou ao prêmio Nobel, é a identificação das proteínas capazes de frear as defesas do sistema autoimune contra a multiplicação das células malignas. Isso levou ao surgimento dos novos tratamentos que ajudam o sistema imunológico a lutar contra o câncer e trazem esperança de sobrevida e de cura aos pacientes.

“As células cancerígenas vão secretar moléculas que vão “enganar” o sistema autoimune, que vão permitir que elas se repliquem, porque ele não entende que há uma ameaça. Com a imunoterapia, vamos estimular o sistema imunológico dos pacientes, que será “reativado” e vai atacar as células tumorais. E totalmente diferente de tudo que tínhamos até agora em cancerologia”, diz o especialista francês.

O novo tratamento é mais uma arma no arsenal clássico de luta contra a doença: cirurgia, radioterapia e quimioterapia. Com a diferença que, até agora, as células cancerígenas eram diretamente atacadas. O novo método “ensina” o corpo a combater sozinho a doença. Por enquanto, explica o oncologista, ele é destinado a cânceres incuráveis. E o mais surpreendente: alguns desses tumores desapareceram depois de dois anos de imunoterapia.

“Eles interrompem o tratamento e continuam bem, em remissão. Isso é que é totalmente novo na imunoterapia. Pacientes sem tratamento continuam em remissão. Algo que não concebíamos com a Quimioterapia. Sabíamos que, se interrompêssemos o tratamento, a doença voltaria”, explica.

Por enquanto, uma minoria de pacientes responde de maneira positiva à Imunoterapia, lembra o pesquisador, dependendo do tipo de câncer. Resultados favoráveis vêm sendo constatados no câncer da garganta, estômago, pulmão e bexiga. Os cientistas agora tentam entender por que esses pacientes reagem bem e o porquê, já que, como ressaltou o méico francês, obter remissões de cânceres graves é uma vitória da Ciência.

Novas pesquisas

Outros métodos estão sendo pesquisados, explica o oncologista francês. Um deles consiste em retirar os glóbulos brancos do paciente e modifica-los geneticamente para que sejam capazes de destruir as células cancerígenas. A estratégia terapêutica, diz Le Tourneau, deu bons resultados em algumas leucemias infantis, mas não em cânceres chamados “sólidos”, como do intestino ou pulmão, por exemplo. O desenvolvimento de vacinas para atacar as células do tumor também estão em curso, mas os resultados ainda não são satisfatórios.

Fonte: G1

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive