top
Especial

Prevenção

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

HPV e Câncer de Colo do Útero?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 05/01/2013 - Data de atualização: 05/01/2013


O colo do útero é a parte mais inferior do útero e liga o corpo do útero à vagina. As alterações no colo do útero são geralmente causadas por infecção pelo HPV, e quase todos os cânceres do colo de útero (mais de 99%) estão relacionados a este vírus. Desses casos, cerca de 70% são causados pelo HPV tipos 16 ou 18.

Mudanças nas células cervicais de baixo grau são causadas por certos tipos de HPV. Na maioria das vezes, as alterações de baixo grau desaparecem sem tratamento, mas se as lesões crescem até transformar-se em verrugas, pode ser necessário removê-las. No entanto, as alterações de baixo grau também podem ser causadas por alguns tipos de HPV de alto risco.

Quase todos os cânceres de colo do útero estão associados com o HPV, embora a maioria das infecções genitais por HPV não causam câncer cervical. Em estudos clínicos, a maioria das pessoas que mostraram resultados positivos para o teste de HPV genital será negativo no futuro, muitas vezes entre 6-12 meses depois. Os cientistas ainda não têm certeza se isso significa que o sistema imunológico da pessoa eliminou o HPV ou se suprimiu a infecção a um nível extremamente baixo (muito baixo para ser detectado por exames). Inclusive se algumas células do colo do útero ainda têm HPV, é possível que o vírus se torne ativo novamente se o seu sistema imunológico está enfraquecido.

As alterações nas células do colo do útero podem ocorrer muitos anos após a exposição ao HPV. Estas mudanças podem ser de baixo ou de alto grau. Este atraso ajuda a explicar como uma mulher pode ter alterações nas células do colo do útero, após muitos anos de exames de Papanicolaou normais e sem novo parceiro sexual.

Se as células cervicais permanecem infectadas pelo HPV, o vírus pode fazer com que as células mudem e se tornem cancerosas. Às possíveis alterações celulares pré-cancerosas observadas num exame de Papanicolaou são chamadas ASC (células escamosas atípicas) e SIL (lesões intraepiteliais).

As células escamosas atípicas são divididas em:

  • ASCUS (células escamosas atípicas de significado incerto), que têm uma baixa probabilidade de ser pré-cancerosa.
  • ASCH (células escamosas atípicas, não se pode descartar uma lesão de alto grau), que são mais susceptíveis de serem pré-cancerosas.

Se um exame de Papanicolaou mostra ASCUS, o médico pode fazer um teste de HPV ou simplesmente repetir o exame de Papanicolaou em 6 meses.

Por outro lado, se o exame de Papanicolaou mostra ASCH, deve-se realizar uma colposcopia para examinar o colo do útero, e uma biópsia de quaisquer áreas anormais.

Em caso de encontrar Lesões Intraepiteliais deve ser realizada uma colposcopia para examinar o colo do útero e uma biópsia da área suspeita.

O pré-câncer diagnosticado em uma biópsia é chamado NIC (neoplasia intraepitelial cervical).

Ainda assim, poucas infecções por HPV causam câncer de colo do útero. Com exames periódicos de Papanicolaou e de HPV, podem-se detectar células pré-cancerosas antes que elas tenham chance de crescer até se transformar em um câncer.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive