Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Hepatite: o número de infecções não para de crescer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 31/07/2018 - Data de atualização: 31/07/2018


O exame para detectar o vírus da hepatite deve ser feito anualmente.
(Jarun011/iStock/Getty Images)


As hepatites virais B e C – responsáveis por cerca de 60% dos casos de câncer de fígado – afetam 325 milhões de pessoas no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, dados do novo relatório do Ministério da Saúde mostram que o número no Brasil nunca foi tão alto: 587.821 casos de hepatites virais apenas em 2017. Em 2016, haviam sido 561.058, um aumento de 4,7%). Para este ano, a previsão é de 30.000 novos diagnósticos em relação 2017. 

Os números são muito preocupantes, especialmente porque a hepatite é uma doença geralmente assintomática, o que dificulta o diagnóstico precoce. Além disso, quanto mais tardiamente acontece o tratamento, maiores são os riscos de desenvolver doenças mais graves, como câncer de fígado e cirrose hepática. Segundo a OMS o número de mortes causadas pelas hepatites virais já ultrapassou as do HIV: cerca de 1.340.000 portadores de HIV morrem anualmente, contra 1.750.000 óbitos em decorrência de complicações de hepatites.

Apesar dos avanços da medicina, a hepatite ainda é uma doença de difícil erradicação, pois só existe vacina para dois tipos (A e B). Sem a manifestação dos sintomas, muitos não sabem que estão infectados e tornam-se vetores da doença, Diante deste quadro, a melhor forma de evitar a doença ainda é a prevenção.

As diferenças entre as hepatites

A hepatite A, ou hepatite infecciosa, é uma doença contagiosa, causada pelo vírus A (HAV), cuja transmissão se dá por via fecal-oral, através do contato entre indivíduos, alimentos ou água contaminada. Apesar de geralmente não apresentar sintomas, a pessoa infectada pode sentir cansaço, tontura, enjoo, vômitos, febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados (icterícia), urina escura e fezes claras. O aparecimento dos sintomas é comum entre o 15º e o 21º dia após a infecção. Na maioria dos casos, é uma doença de caráter benigno; entretanto, em 1% dos casos pode causar insuficiência hepática aguda grave, podendo levar à morte.

Já a hepatite B, ou soro-homóloga, é causada pelo vírus B (HBV). Por ser transmitida através do sangue e outros fluídos corporais de pessoas infectadas, ela é considerada uma doença sexualmente transmissível (DST). A contaminação também pode acontecer durante a gestação, parto ou amamentação caso a mãe tenha sido infectada pelo vírus. A hepatite B pode se desenvolver de duas formas: aguda (de curta duração) e crônica (mais de seis meses), que afeta principalmente as crianças: naquelas com menos de um ano, o risco é de 90%; entre um e cinco anos, varia entre 20% e 50%. Em adultos, o índice cai para 5% a 10%.

A hepatite C, chamada de "hepatite não A não B”, é causada pelo vírus C (HCV). Essa versão também pode ser transmitida pelo contato com sangue, entretanto, a contaminação pela gravidez ou por sexo são mais raras. Para homens que fazem sexo com homens que estejam infectados pelo vírus HIV, a transmissão da hepatite C por via sexual deve ser considerada um risco. Se a infecção persistir por mais de seis meses, o quadro pode evoluir para hepatite crônica – comum em 80% dos casos. A hepatite C crônica ainda pode causar cirrose hepática (20% dos infectados) e câncer de fígado (1% a 5%).

Já a hepatite D, conhecida como Delta, é causada pelo vírus D (HDV), mas ele depende da presença do vírus da hepatite B para se reproduzir e causar a doença. A forma de transmissão também é semelhante a da B. Da mesma forma que as outras hepatites, os tipos C e D podem não apresentar sintomas.

Segundo o Ministério da Saúde, nos últimos 18 anos, a região Sudeste teve mais casos de hepatite B e C, enquanto no Norte do país predominam as hepatites A e D.

Vacinação

Uma das formas de prevenir as hepatites A e B é a vacinação. A vacina contra a hepatite A é oferecida em duas doses, que devem ser tomadas com intervalo de seis meses, sendo indicada para todas as pessoas a partir de 12 meses de vida. O imunizante, composto pelo vírus A inativado (morto), está disponível nas Unidades Básicas de Saúde e na rede privada. Alguns vacinados – de 20% a 50% – podem experimentar efeitos colaterais, como dor, eritema (vermelhidão) ou edema local; febre e fadiga ocorrem em menos de 5% dos vacinados.

A vacina da hepatite B, composta da proteína de superfície do vírus B purificado, é oferecida em três doses e deve ser tomada com intervalo de um mês entre a primeira e a segunda dose e de seis meses entre a primeira e a terceira dose. Ela é recomendada para todas as faixas etárias, especialmente para gestantes não vacinadas. A imunização faz parte da rotina de vacinação das crianças e deve ser aplicada, preferencialmente, nas primeiras 12 a 24 horas após o nascimento como forma de prevenir a hepatite crônica, que atinge 90% dos bebês contaminados ao nascer.

A vacina contra a hepatite B é oferecida tanto na rede pública quanto na rede privada. Em 30% dos casos é possível ter efeitos adversos, como dor no local da aplicação, inchaço e vermelhidão, febre cansaço, tontura, dor de cabeça, irritabilidade e desconforto gastrintestinal.

Segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIM), ainda existe uma versão da vacina combinada para as hepatites A e B, composta pelo vírus A inativado (morto) e da proteína de superfície do vírus B. A vacina deve ser tomada por crianças a partir de um ano e adolescentes menores de 16 (duas doses com intervalo de seis meses);  e por indivíduos acima dos 16 anos (três doses, sendo a segunda aplicada um mês após a primeira, e a terceira, cinco meses após a segunda). 

Essa opção, que só está disponível na rede privada, também apresenta efeitos colaterais em cerca de 10% dos vacinados. Entre os sintomas estão reações no local da aplicação – como vermelhidão e inchaço por mais de 24 horas – e dor intensa, além de febre, dor de cabeça, mal-estar, cansaço, náusea e vômito. 

Todas as doses das vacinas precisam ser tomadas para que a imunização seja efetiva. Quem estiver imunizado contra a hepatite B também diminui o risco de desenvolver a D, uma vez que o vírus da hepatite D depende do vírus da hepatite B para se reproduzir e causar a doença. No entanto, ainda não existe vacina contra a hepatite C. "Os vírus da hepatite recebem este nome por afetarem o fígado, mas na verdade eles são diferentes entre si. O da hepatite C, por exemplo, é um vírus que tem muitas variantes e sofre diversas mutações, o que dificulta a produção de vacinas contra ele”, explica Hélio Torres Filho, da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica (SBPC). 

Prevenção

Além da vacina – que é a maneira mais eficaz de evitar a doença -, algumas medidas podem ser tomadas para prevenir a contaminação. A hepatite A é mais comum em área com saneamento básico precário e, portanto, a melhor prevenção é a higiene, ou seja, lavar bem as mãos antes de comer ou depois de usar o banheiro, lavar bem os alimentos consumidos crus, cozinhar bem a comida, lavar adequadamente pratos, copos, talheres e mamadeiras e não tomar banho ou brincar perto de riachos, enchentes ou perto de esgoto a céu aberto. No caso de ter um doente com hepatite A em casa, recomenda-se utilizar hipoclorito de sódio a 2,5% ou água sanitária ao lavar o banheiro.

Como as formas de transmissão das hepatites B, C e D são similares, a prevenção segue o mesmo padrão: não fazer sexo sem camisinha com uma pessoa infectada (principalmente com hepatites B e D), não compartilhar material de higiene pessoal, como lâmina de barbear, escovas de dentes, alicates de unha ou outros objetos cortantes; não compartilhar seringas, agulhas, cachimbos ou equipamentos de tatuagem e piercings. No caso das gestantes, que podem transmitir os vírus (B e D) ao bebê, durante o pré-natal deve-se fazer os exames para detectar a doença. Frente a um resultado positivo, é fundamental seguir todas as recomendações médicas, inclusive sobre o tipo de parto e amamentação. 

Diagnóstico e tratamento

O primeiro passo para o tratamento é o diagnóstico. No entanto, como a hepatite costuma ser assintomática, aconselha-se fazer o exame regularmente. "É fundamental visitar o médico pelo menos uma vez por ano”, recomenda Torres Filho.

Muitos descobrem a doença indiretamente, quando estão investigando outros problemas de saúde. Este foi o caso de Elaine Moraes dos Santos, de 39 anos e formada em relações internacionais. Ela é portadora de hepatite A. O diagnóstico ocorreu em meio a um episódio alérgico. Elaine procurou um especialista para tratar a alergia a saiu do consultório com a  solicitação de um exame de hepatite. "Quando tive os sintomas, eu pensei que era uma virose, então tratei com analgésicos. Tive febre alta, enjoo, cansaço e diarreia ao longo de quatro dias. Não precisei de tratamento porque, quando descobri, já tinha passado.” 

Fonte: Veja

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive