Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

H. Pylori positivo é sinal de câncer?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/10/2018 - Data de atualização: 26/10/2018


A H. Pylori é uma bactéria que está presente no estômago de mais de 40% da população. Ela pode ser responsável pela dor de estômago. Em 90% dos casos, ela provoca só uma sensação de barriga estufada, como quando a comida não cai bem.

Já os outros 10%... “Essa bactéria pode causar uma gastrite, que é uma inflamação importante dentro do estômago, que vira crônica e, muitas vezes, se transforma numa úlcera. Essa bactéria é a maior causa de úlcera no ser humano” explica o gastroenterologista Flavio Antonio Quilici.

Desses casos, 1% pode evoluir para câncer de estômago. E é por isso que a bactéria deve ser combatida. Para começar, saneamento básico e higiene são as melhores armas. Se mesmo com todos os cuidados ela invadir o corpo, é preciso usar medicamentos para acabar com a H. Pylori.

O Bem Estar tirou algumas dúvidas com o cirurgião gástrico Marcos Belotto:

Tenho H. Pylori, mas não sinto nada. Devo tratar?
“Sim, você deve tratar. Não necessariamente todo mundo que tem gastrite e úlcera tem sintoma da dor. Você pode estar inflamando seu estômago dia após dia, mesmo que você não perceba. Essa inflamação crônica ao longo dos anos aumenta a probabilidade de você desenvolver câncer de estômago”.

H. Pylori positivo é sinal de câncer?
“Não. O que a gente sabe é que esses pacientes que são infectados cronicamente têm uma chance maior de desenvolver a doença”.

Já tomei dois antibióticos diferentes, mas não sarei do H. Pylori. O que faço agora?
“Você deve voltar no seu médico porque ele precisa ver os antibióticos que você tomou pra mudar a classe dos antibióticos que tem que dar”.

Existe algum tratamento natural para H. pylori? Ouvi dizer o que brócolis resolve.
“O que se sabe é alimentos verdes escuros, principalmente couve, brócolis, espinafre, ajudam a desinflamar o estômago. E com isso ajudar o organismo a combater a bactéria, mas não existe estudos comprovando que o uso desses alimentos elimine a bactéria”.

Já estou tomando o remédio para matar o H. Pylori. Tem algo que eu não possa comer?
“Durante o tratamento deve-se evitar o uso de álcool e de alimentos que ataquem diretamente o estômago, como condimentos, frituras, excesso de embutidos. Esses devem ser evitados”.

Fiz endoscopia e deu negativo para H. Pylori, mas minha queimação não passa. E agora?
“Você pode ter gastrite, úlcera, esofagite, você pode ter outras doenças. Nem todo mundo que tem a queimação tem a bactéria”.

Tenho diagnóstico de gastrite crônica e exame positivo para H. Pylori, mas estou grávida. Posso tratar?
“Você não deve tratar agora porque o uso de antibióticos durante a gestação pro tratamento dessa bactéria não é necessariamente seguro. Então, deve-se esperar o término da gestação, e daí com segurança, fazer o uso dos antibióticos. Na fase aguda você vai ter o que? Gastrite, queimação. Pra isso você pode tomar remédios na gestação que aliviam sintomas”.

Fonte: G1

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive