Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Fertilidade e reprodução em sobreviventes de câncer de mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/12/2020 - Data de atualização: 18/12/2020


Um estudo recente da Suécia, publicado na JAMA Oncology, investigou os resultados de longo prazo da preservação da fertilidade entre mulheres sobreviventes de câncer de mama em idade reprodutiva, descobrindo que elas eram mais propensas a ter um filho vivo se submetessem a preservação da fertilidade e utilizassem tecnologia de reprodução assistida. Foi um estudo de coorte nacional que investigou o resultado primário de hazard ratio (HRs) para nascidos vivos e tecnologia de reprodução assistida entre 425 mulheres com câncer de mama expostas a preservação da fertilidade e 850 controles compatíveis que não foram, para uma proporção de 1:2, respectivamente. O grupo exposto foi submetido a preservação da fertilidade em 1 dos 7 hospitais universitários suecos entre 1 de janeiro de 1994 e 30 de junho de 2017.

A investigação descobriu que mais mulheres no grupo exposto tinham menor paridade em comparação com o grupo não exposto: 71,1% vs 20,1%. Essas mulheres também eram mais jovens, com uma idade média (DP) de 32,1 (4,0) vs 33,3 (3,6) anos para o grupo não exposto; teve uma taxa maior de tumores positivos para receptor de estrogênio, para 68,0% vs 60,6%; e tinham esquemas de tratamento que incluíam mais tratamentos de quimioterapia, 93,9% vs 87,7%.

Os resultados indicam que, embora a gravidez bem-sucedida após o câncer de mama seja possível tanto em mulheres com e sem preservação da fertilidade, a preservação da fertilidade está associada a taxas significativamente mais altas de nascidos vivos pós-câncer de mama e uso de tratamentos [tecnologia de reprodução assistida], sem qualquer prejuízo associação com a sobrevivência por todas as causas durante um seguimento médio de 5,2 anos, concluíram os autores. “Essas descobertas aumentam o conhecimento atual sobre os tratamentos de preservação da fertilidade em mulheres com câncer de mama”.

A criopreservação de oócitos e embriões após a estimulação ovariana controlada é a estratégia padrão para preservação da fertilidade em mulheres adultas.

A quimioterapia pode causar toxicidade ovariana e infertilidade. Pacientes com câncer geralmente ficam sobrecarregados e se concentram exclusivamente no diagnóstico de câncer e podem não prestar atenção às questões relacionadas à fertilidade. Examinamos a taxa de amenorreia e aconselhamento sobre fertilidade entre esses pacientes jovens. Mulheres na pré-menopausa com câncer de mama em estágio inicial tratadas com quimioterapia adjuvante ou neoadjuvante foram recrutadas. Amenorreia foi definida como ausência de menstruação por ≥ 12 meses após o término da quimioterapia. Um total de 94 pacientes preencheram os critérios de elegibilidade e foram incluídos nesta análise. A idade mediana no diagnóstico foi de 35,7 (variação, 22-44) anos. Setenta e nove (85,9%) entrevistados foram aconselhados sobre amenorreia e 37 (40,2%) estavam pensando em ter filhos. A adição de taxanos à quimioterapia baseada em antraciclina, aumentou o risco de amenorreia. No entanto, a duração mais curta da quimioterapia, mesmo com taxanos, pode diminuir esse risco. Nosso estudo destaca a importância do aconselhamento sobre fertilidade para melhorar as taxas de preservação da fertilidade. Dada a importância dos taxanos, regimes mais curtos estão associados a taxas de amenorreia mais baixas e devem ser preferidos aos mais longos.

Os regimes padrão de quimioterapia adjuvante para câncer de mama agora incluem antraciclinas e taxanos. Esses avanços terapêuticos melhoraram significativamente o prognóstico dessas jovens que podem mais tarde desejar ser mães e ter filhos biológicos. O impacto da quimioterapia na função reprodutiva deve ser avaliado com precisão e a reserva ovariana deve ser levada em consideração. O risco estimado de amenorreia induzida por quimio e infertilidade deve ser balanceado com os resultados esperados e riscos dos métodos de preservação da fertilidade.

O local das diferentes opções de preservação da fertilidade depende da idade da paciente, da presença ou não de companheiro e do tempo disponível antes do início do tratamento. Para essas pacientes com câncer de mama que receberão quimioterapia, novas técnicas de maturação oocitária in vitro parecem promissoras. Mesmo que algumas questões éticas e técnicas não sejam resolvidas, a preservação da fertilidade agora deve fazer parte do manejo dessas jovens pacientes que recebem quimioterapia adjuvante para câncer de mama. Essa nova abordagem deve ser multidisciplinar.

Opções de preservação da fertilidade disponíveis
Atualmente, a criopreservação de oócitos ou embriões são as principais opções. A avaliação da reserva ovariana deve orientar o médico no aconselhamento de pacientes com câncer sobre o sucesso esperado com as técnicas de preservação da fertilidade. Atualmente, a idade da mulher é o preditor mais importante para o sucesso com técnicas reprodutivas artificiais, com taxas de gravidez diminuindo com o avanço da idade. Outras formas de avaliação da reserva ovariana, como o hormônio folículo estimulante da fase folicular precoce, o hormônio antimulleriano e a contagem de folículos antrais, são preditivas do número de oócitos recuperados com estimulação ovariana e estão associadas às taxas de gravidez.

As técnicas disponíveis para preservação da fertilidade incluem supressão ovariana, criopreservação de oócitos e embriões, recuperação de oócitos imaturos, maturação in vitro e criopreservação do tecido ovariano. No momento, a principal opção para preservação da fertilidade é a criopreservação de oócitos ou embriões. Foi considerada padrão pela Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva em 2013. Como a técnica requer hiperestimulação ovariana, ela deve ser considerada no momento do diagnóstico, antes do início do tratamento sistêmico.

As diretrizes das sociedades médicas afirmam que não há evidências conclusivas de que os análogos do GnRH sejam realmente eficazes na proteção da função ovariana de agentes quimioterápicos. É importante ressaltar que o possível efeito do GnRH (hormônio liberador de gonadotrofinas) na proteção da reserva ovariana só pode ser avaliado após o término da quimioterapia.

Veja a tabela a seguir, as vantagens e desvantagens de técnicas de preservação da fertilidade:

Fonte: PebMed

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive