Tipos de Câncer

Câncer de Vagina

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Fatores de Risco para Câncer de Vagina

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/10/2015 - Data de atualização: 18/05/2018


Um fator de risco é algo que afeta sua chance de adquirir uma doença como o câncer. Diferentes tipos de câncer apresentam diferentes fatores de risco. Alguns como fumar podem ser controlados; no entanto outros não, por exemplo, idade e histórico familiar. Embora os fatores de risco possam influenciar o desenvolvimento do câncer, a maioria não causa diretamente a doença. Algumas pessoas com vários fatores de risco nunca desenvolverão um câncer, enquanto outros, sem fatores de risco conhecidos poderão fazê-lo.

Ter um fator de risco ou mesmo vários, não significa que você vai ter a doença. Muitas pessoas com a enfermidade podem não estar sujeitas a nenhum fator de risco conhecido. Se uma pessoa com câncer de vagina tem algum fator de risco, muitas vezes é muito difícil saber o quanto esse fator pode ter contribuído para o desenvolvimento da doença.

Fatores que podem aumentar o risco de uma pessoa desenvolver câncer de vagina:

  • Idade. O câncer de vagina de células escamosas ocorre principalmente em mulheres mais velhas. Ele pode ocorrer em qualquer idade, mas poucos casos são diagnosticados em mulheres com menos de 40 anos. Quase metade dos casos ocorre em mulheres com mais de 70 anos.

  • Dietilestilbestrol (DES). É um medicamento hormonal sintético que foi administrado a algumas mulheres para evitar aborto entre 1940 e 1971. Mulheres cujas mães tomaram DES desenvolvem adenocarcinomas de vagina de células claras ou de colo do útero com mais frequência do que seria normalmente esperado. Há cerca de um caso deste tipo de câncer em cada 1.000 crianças filhas de mulheres que tomaram DES durante a gravidez. Isto significa que aproximadamente 99,9% das filhas de pacientes que usaram DES não desenvolvem esse tipo de câncer.

  • Adenose Vaginal. Normalmente, a vagina é revestida por células escamosas. Em cerca de 40% das mulheres que menstruam, a vagina pode ter uma ou mais áreas com células glandulares, que se parecem com as encontradas nas glândulas do colo do útero. Estas áreas de células glandulares são denominadas adenose. A adenose aumenta o risco de desenvolvimento de carcinoma de células claras, mas este tipo ainda é muito raro.

  • Vírus do Papiloma Humano (HPV). HPV é a abreviação de papilomavírus humano. Os HPVs são um grande grupo de vírus relacionados. Cada vírus do grupo recebe um número, chamado de tipo HPV. Alguns tipos de HPV têm sido relacionados com câncer de colo do útero e vulva em mulheres, câncer do pênis em homens e câncer do ânus e da garganta (em homens e mulheres). Eles também foram relacionados a neoplasia intraepitelial vaginal e é encontrado na maioria dos casos de câncer de vagina. Esses tipos são conhecidos como tipos de HPV de alto risco e incluem HPV 16 e HPV 18. A infecção com um HPV de alto risco pode não mostrar sinais visíveis até que alterações pré-cancerosas ou o câncer se desenvolva. Vacinas foram desenvolvidas para prevenir a infecção por alguns tipos de HPV.

  • Câncer de Colo do Útero. Ter câncer de colo do útero ou uma lesão pré-cancerígena aumenta o risco de uma mulher ter câncer de vagina de células escamosas. Isso ocorre porque os cânceres de colo do útero e de vagina têm fatores de risco semelhantes, como a infecção pelo HPV e o tabagismo. Alguns estudos sugerem que o tratamento do câncer de colo do útero com radioterapia pode aumentar o risco de câncer de vagina, mas isso não foi observado em outros estudos.

  • Tabagismo. Fumar dobra o risco de uma mulher desenvolver um câncer de vagina.

  • Álcool. Consumir álcool pode aumentar o risco de câncer de vagina.

  • Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV). A infecção pelo HIV, que causa a AIDS, aumenta o risco de câncer de vagina.

  • Irritação Vaginal. Em algumas mulheres, o alongamento dos ligamentos pélvicos pode fazer com que o útero desça para fora da vagina. Esta condição é denominada prolapso uterino e pode ser tratada cirurgicamente ou através do uso de um dispositivo (pessário) para manter o útero no lugar. Alguns estudos sugerem que a irritação crônica da vagina nas mulheres que usam pessário pode aumentar levemente o risco de câncer de células escamosas. No entanto, esta relação é pouco comum e nenhum estudo tem comprovado de maneira conclusiva que os pessários realmente causem câncer de vagina.

Fonte: American Cancer Society (19/03/2018)


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive