Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Falta de orçamento suspende produção de medicamentos para diagnóstico e tratamento de câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 21/09/2021 - Data de atualização: 21/09/2021


O Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares anunciou que deixou de fabricar medicamentos usados para o diagnóstico e o tratamento de câncer por falta de dinheiro.

O que vai dentro dos carros mostrados na reportagem mexe com a vida de muitos brasileiros. Os veículos transportam radiofármacos. São substâncias usadas em exames de imagem, como cintilografias, e no tratamento de doenças como artrite e câncer. Elas emitem radiação. Por isso, o transporte tem que ser cuidadoso e rápido - a radioatividade dura poucos dias, não dá para guardar esses medicamentos num estoque.

O Ipen (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares) produz 85% do que o Brasil usa dessas substâncias. Mas, por hora, essa desta segunda-feira (20) é a última grande remessa que sai de lá para hospitais e clínicas do país. Por falta de dinheiro, o Ipen não conseguiu mais comprar os insumos usados na produção.

Luis Antonio Genova, pesquisador do instituto e também diretor do Sindicato dos Servidores Públicos Federais de São Paulo, explica que a falta de recursos já era um problema anunciado.

“O Ipen sofreu um corte bastante severo no orçamento. Então desde o início do ano já se sabia que a situação ia chegar a esse ponto. Estão faltando mais de R$ 70 milhões para gente terminar o ano, ainda assim sem contar a valorização do dólar, porque tem muita parte assim que é importada”, diz.
Há menos de um mês, o governo federal enviou ao Congresso um projeto de lei para liberar crédito suplementar ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações, ao qual o Ipen está subordinado. O texto ainda não foi votado.

Quando o Ipen receber mais recursos, não será de um dia para o outro que terá de volta os insumos importados e retomará a produção.

“Para importar não é um produto de prateleira. Tem que ter todo um planejamento, porque o outro país vai irradiar nos seus reatores nucleares. Então tem toda uma programação. Você não consegue reverter a situação de uma hora para outra. Durante esta semana, por exemplo, não produz mais nada”, afirma Luis Antonio.

A produção parada já está obrigando hospitais e clínicas a suspender exames e sessões de tratamento. O empresário Paulo Pinheiro operou um câncer na tireoide e tinha agendado uma primeira sessão de iodoterapia.

"O doutor acabou de me ligar dizendo que, infelizmente, por falta do medicamento, vai ter que ser reagendado e feita toda a programação novamente. Me senti frustrado, porque a gente quer tirar logo da frente, ainda mais se tratando de um câncer. A gente sabe que isso por ser um negócio que pode se expandir”, conta Paulo.

O diretor da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear lembra que os radiofármacos são vitais para pessoas com câncer. A entidade estima que até 2 milhões de pacientes possam ser afetados.

“Eu não sei o que falar para esses pacientes. É tão ruim falar para eles que o tratamento não vai poder ser realizado porque a medicação está em falta. Quem que vai pagar esse preço? Esse paciente tem um câncer, que se não for tratado pode progredir, pode levar até a morte, e quem vai responder por isso? É uma situação muito dramática”, diz o médico nuclear Dalton Alexandre dos Anjos, diretor da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações afirmou que, desde junho, tem pedido ao Ministério da Economia mais recursos para a produção dos medicamentos. O Ministério da Economia declarou que o governo federal enviou ao Congresso um projeto de lei para dar mais verbas ao Ipen e que, por lei, não pode aumentar os recursos por conta própria.

Fonte: G1 - Jornal Nacional 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive