top
Especial

Qualidade de vida


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Exercícios Funcionais para Linfedema

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/07/2012 - Data de atualização: 01/12/2015


Confira aqui uma série de exercícios específicos para prevenir e tratar o linfedema!

Imagine passar por um longo período de tratamento de câncer, incluindo cirurgia, remoção de gânglios linfáticos, quimioterapia, radioterapia e hormonioterapia. O seu corpo sente-se como se estivesse estado em guerra, sob bombardeamentos constantes. Terminada esta fase, está na hora de recomeçar a sua vida e iniciar uma dieta balanceada e um programa de exercícios. Aí então, você percebe que seu braço ou sua perna está inchando e vem a pergunta: Será que estou com linfedema?

O que é um Linfedema?

O linfedema é a retenção localizada de fluídos, provocada por um bloqueio ou obstrução do sistema linfático.

Após a cirurgia de retirada dos linfonodos (gânglios), os pacientes evoluem, normalmente, com certo grau de edema, pois a capacidade de absorção do excesso de líquido fica reduzida. O inchaço ocorrido até os primeiros seis meses após a cirurgia é considerado como um edema agudo, sendo que este não é considerado linfedema (edema crônico).

Após a dissecção linfonodal, o sistema linfático buscará mecanismos de compensação na tentativa de suprir a ausência dos linfonodos retirados, adequando assim, a capacidade de transporte da linfa. Se esse mecanismo de compensação for insuficiente o linfedema poderá aparecer.

A principal causa do linfedema nos membros superiores pós-cirurgia para o tratamento do câncer é a retirada dos linfonodos axilares (gânglios); alguns fatores como a como a idade, sobrepeso ou obesidade, realização de radioterapia, complicações pós-operatórias, infecção e o nível da radicalidade da técnica cirúrgica são considerados fatores desencadeantes ou agravantes do linfedema. O mesmo vale para os membros inferiores, cirurgias pélvicas e/ou ginecológicas que exigem a retirada dos linfonodos inguinais, pélvicos e/ou paraaóticos (da virilha e do abdome), podem levar ao linfedema nas pernas ou do pube.

A frequência de linfedema pós-mastectomia descrita na literatura varia de 5,5% a 50%, diferença esta que depende de diversos fatores, como o critério de diagnóstico, tipo de cirurgia, uso de radioterapia e fisioterapia pós-operatória. A incidência média no Brasil, fica em torno de 40%.

O Papel do Fisioterapeuta

Para tratar o linfedema dispomos de alguns recursos. Se o linfedema for de menor grau, sem fibrose, podemos tratar somente com drenagem linfática, exercícios, máquina de drenagem linfática pneumática e uso de vestimentas elásticas.

Se for de um grau maior, com grande quantidade de líquido e presença de fibrose podemos tratar com a Fisioterapia complexa descongestiva ou terapia física complexa (TFC)

A TFC é composta por drenagem linfática manual especializada, cuidados de pele, compressão por enfaixamento multicamadas, pressoterapia e exercícios miolinfocinéticos. Estes cinco componentes devem ser realizados conjuntamente e eventualmente podem sofrer alguma modificação na sua aplicação dependendo do quadro clínico do paciente. Se realizados separadamente o resultado pode mostrar-se ineficaz.

Como é que o Exercício pode fazer a diferença?

Ao contrário do sistema circulatório, o sistema linfático não possui um bombeamento central como o coração; ele é estimulado pelas mudanças de pressão das contrações musculares ou da respiração profunda. A respiração profunda melhora o bombeamento nos vasos linfáticos profundo do tórax, que faz um efeito de vácuo nos vasos linfáticos; estimulando a drenagem linfática.

As contrações musculares realizadas em uma sequência específica (geralmente a partir das extremidades em direção ao tronco) podem aumentar o retorno linfático. Além disso, podem ser feitos exercícios para alongar os músculos. Exercícios que enfatizam a respiração profunda e flexibilidade tais como a Yoga e o Pilates, podem ser particularmente benéficos.

Vamos disponibilizar uma sequência de exercícios para você se basear e seguir passo a passo

Aquecimento

O aquecimento adequado prepara o corpo para o exercício. O aquecimento pode incluir:

  • Respiração profunda: puxe o ar fundo pelo nariz e solte pela boca várias vezes.
  • Rotações do pescoço: olhe de um lado para o outro.
  • Protração e retração dos ombros: leve os ombros para frente e para trás.
  • Rotação  dos ombros: desenhando círculos com os ombros nos sentido horário e anti horário

Exercício Aeróbico


É recomendado 20 a 30 minutos de exercício aeróbico, como caminhada, natação, hidroginástica ou dança, de 3 a 5 vezes por semana.

Treino de Força


O treino de força na área afetada antigamente era proibido. Hoje novos estudos mostram benefício da musculação e uso de carga progressiva no treino muscular para prevenir e tratar o linfedema. Tente fazer os exercícios com calma e siga as instruções abaixo:

  • Sempre inicie com aquecimento antes de começar o treino de força no lado afetado.
  • Observe a resposta ao exercício. Fique atenta a qualquer inchaço na área, o qual poderá indicar que a carga ou o número de repetições está muito alto, ajustando então o programa de acordo com essa resposta.
  • Use uma vestimenta de compressão (geralmente prescrita pelo fisioterapeuta).
  • Concentre-se nos músculos a serem trabalhado.
  • Para dar um descanso ao lado afetado, alterne os lados a cada série. Alterne também exercícios para os membros tronco superior e inferior ou treine em circuito, incluindo tanto o treino cardiovascular como o treino de força.
  • Planeje um programa para 2 a 3 vezes na semana. Comece devagar e vá progredindo gradualmente (ex. 1 série com carga de 0,5 kg ou 1 kg nos primeiros dias; 2 ou 3 séries nas semanas seguintes). 
  • Trabalhe os músculos dos dois lados do corpo. Proceda da maneira usual para treinar o membro não afetado.
  • Inclua exercícios de Pilates, os quais enfatizam musculatura profunda de postura e respiração enquanto realiza dos exercícios.

Exercícios para os braços


  • Segura a bola com as mãos na altura do peito e aperte a bola sustentando por 3 segundos e solte. Repita 10 vezes.
  • Com bastão, deitada ou sentada, eleve o bastão com os cotovelos esticados até acima da cabeça. Repita 10 vezes.
  • Segurando um par de pesinhos nas mão bilateralmente, faça a flexão do cotovelo para trabalhar o bíceps. Realize devagar a subida e descida e repita 10 vezes

Exercícios para as pernas


  • Fique nas pontas dos pés e sustente por 3 segundos. Repita 10 vezes.
  • Suba e desça escadas.
  • Ande em rampas devagar e contraindo bem as pernas.
  • Sentada ou deitada, segure uma bola entre os joelhos dobrados. Aperte a bola, sustente por 3 segundos e relaxe. Repita 10 vezes.

Flexibilidade


Exercícios de alongamento são sempre muito bons! Ajuda a relaxar e a soltar a musculatura.
Como o tecido cicatricial e o efeito da radioterapia nos tecidos continua a se formar durante anos após o seu termino, os alongamentos devem ser feitos com frequência.

Os alongamentos devem ser feitos lentamente e repetir de 3 a 10 vezes seguidas, com duração de 30 segundos cada postura de alongamento, várias vezes durante o dia.

Para os braços, fique de frente para uma parede e vá subindo os braços até ficarem esticados na parede com a axila mais próxima da parede possível.

Para as pernas, desça o tronco devagar, com joelhos esticados, e tente encostar as mãos no chão.

Fique atento, nem todos os exercícios dão certo para todas as pessoas. Faça devagar e no seu ritmo. Em caso de dúvida procure seu médico ou fisioterapeuta!

Artigo escrito por nossa colunista Jaqueline Munaretto Timm Baiocchi


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive