Profissionais

Colunistas


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Exercício e câncer: todo paciente pode treinar?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 07/06/2018 - Data de atualização: 07/06/2018


Enquanto perdemos tempo em debates relativos aos possíveis antagonismos entre a teoria (Ciência) e a prática (experiência no atendimento), profissionais mal intencionados ludibriam seus pacientes com condutas recheadas de pseudociência. Para reverter este quadro, que parece se alastrar no meio da saúde, é preciso compreender que a Ciência nada mais é que o resultado da aplicação controlada destas experiências, com o propósito de tornar seus resultados confiáveis e reprodutíveis ou simplesmente refuta-los. 

Neste sentido, no texto passado "Exercício e câncer: teoria ou prática?” abordei a relevância prática da estatística e dos pacientes de uma pesquisa cientifica na escolha de intervenções clínicas. Outro conceito que deve ser contraposto se relaciona a abrangência dos resultados e que pode ser expresso pela seguinte frase: "os resultados das pesquisas sobre exercício físico (EF) e câncer (CA) foram obtidos por uma ínfima parcela da população com CA que é capaz de treinar. Duvido que a maioria dos pacientes seja capaz de realizar o que estes estudos propõem”. 

Desde a década de 90, pesquisadores vêm investigando as interações entre o EF e CA. Como resultado, temos agora um corpo robusto de evidências que corroboram os benefícios terapêuticos da pratica sistemática e regular do EF em inúmeros tipos de CA. Destaco aqui os que possuem um maior número de artigos publicados, tanto em homens quanto em mulheres: próstata, mama, traqueia, brônquio e pulmão, cólon e reto, estômago, cavidade oral, esôfago, bexiga, laringe, leucemias, tireoide, colo e corpo do útero e ovário. Estes, quando somados, equivalem a aproximadamente 75% da incidência prevista para 2018 de CA na população brasileira (INCA). 

Entretanto, mesmo quando olhamos para esta relação positiva (estudos/tipos de CA), ainda podem restar dúvidas sobre a viabilidade do EF em pessoas com CA que se encontram em condições de maior fragilidade. Para isso, cito o resultado de duas revisões recém-publicadas que analisaram a aplicação do EF em pacientes idosos e em estágios avançados de CA: além da constatação que estas populações são capazes de treinar, também foram encontradas melhoras significativas na funcionalidade, composição corporal, fadiga, qualidade de vida, distúrbios do sono e função psicossocial, com uma baixa ocorrência de eventos adversos. Desta forma, comprova-se a efetividade do EF no manejo de sintomas debilitantes frequentemente associados aos últimos estágios da doença e em idade mais avançadas. 

É claro que para toda regra há exceções. O EF pode não ser recomendado para uma determinada pessoa. E é por isso que, independentemente do tipo e do estágio de CA e da senilidade do paciente, é importante que exista uma rigorosa avaliação prévia, de preferência multidisciplinar, capaz de identificar possíveis comorbidades associadas, neuropatias, complicações musculoesqueléticas e condições cardíacas, a fim de libera-lo à pratica esportiva e adequar a intensidade, volume e o modo do EF. 

Mais uma vez, fica claro que não é possível acreditar e difundir que a Ciência reflete situações específicas sem valor de aplicação prática. Condutas devem ser baseadas em evidências cientificas. E viva a Ciência!

Para saber mais:

  • Stout, Nicole L., et al. "A systematic review of exercise systematic reviews in the cancer literature (2005-2017)." PM&R 9.9 (2017): S347-S384.
  • Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2017. 
  • Heywood, Reginald, Alexandra L. McCarthy, and Tina L. Skinner. "Efficacy of exercise interventions in patients with advanced cancer: A systematic review." Archives of physical medicine and rehabilitation (2018). 
  • Loh, Kah Poh, et al. "Exercise for managing cancer-and treatment-related side effects in older adults." Journal of geriatric oncology (2018).

Até a próxima...
Rodrigo Ferraz

As opiniões contidas nos artigos assinados pelos nossos colunistas refletem unicamente a opinião do autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive