Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Exame usa cápsula para tirar fotos do intestino

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/01/2020 - Data de atualização: 29/01/2020


Nova tecnologia para examinar intestino é menos invasiva. (Foto: Zero Creatives/Getty Images / Ilustração: Rodrigo Damati/SAÚDE é Vital)

Aprovada no Brasil há quase quatro anos, a cápsula de cólon finalmente começa a se popularizar e ser disponibilizada por laboratórios e centros de diagnóstico. Ela serve como uma alternativa à colonoscopia tradicional, em que uma câmera com fio é introduzida pelo ânus e guiada pelo intestino grosso.

“A nova tecnologia é menos invasiva e não necessita de sedação”, conta o médico Admar Borges, da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva.

O processo é simples: o paciente que precisa fazer o exame engole o dispositivo, que tem o tamanho de um comprimido grande. Após passar por esôfago, estômago e intestino delgado, ele chega ao seu destino e tira mais de 70 mil fotografias.

As imagens, enviadas automaticamente e analisadas por um especialista, ajudam a detectar doenças como câncer e retocolite. E sim: a cápsula sai junto com o cocô.

Como o novo exame funciona e quem pode se beneficiar dele
Tamanho: a cápsula se parece com uma drágea comum. Ela cabe na palma da mão e é deglutida facilmente.

Preparação: antes de engolir, o paciente toma alguns remédios que limpam o intestino e ajudam na visualização.

Para quem: pode ser uma boa quando a colonoscopia tradicional é contra-indicada por algum motivo.

A saída: depois de tirar milhares de fotos, a peça é expelida do corpo normalmente junto com o cocô.

Ultrassom do futuro
Mesmo com a evolução impressionante da medicina, alguns órgãos e áreas do corpo são bem difíceis de visualizar com os aparelhos disponíveis hoje em dia. É o caso do sistema digestivo, em que os médicos recorrem a exames mais invasivos, como a endoscopia ou a colonoscopia. Outro exemplo é o cérebro: ainda não foram encontradas maneiras de diagnosticar Parkinson ou Alzheimer em seus estágios iniciais.

Mas essas tarefas podem se tornar mais tranquilas graças a estudos da Universidade Carnegie Mellon, nos Estados Unidos. Os cientistas desenvolveram uma técnica capaz de capturar imagens nítidas e precisas com um simples ultrassom.

“Nós aplicamos conceitos de física e o comportamento de ondas ultrassônicas. Com isso, obtivemos ótimos resultados em tecidos artificiais”, descreve o engenheiro elétrico Maysam Chamanzar, um dos responsáveis pela inovação, que deve ser testada em humanos em breve.

Fonte: Saúde É Vital

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive