Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

‘Eu lidei muito bem psicologicamente com o câncer’

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 28/07/2021 - Data de atualização: 28/07/2021


Em 2015, a apresentadora e cantora Sabrina Parlatore, 46 anos, foi diagnosticada com tumor na mama. Seis anos depois, ela conta a sua experiência. 

Como você descobriu o câncer?

Desde os 20 e poucos anos, eu ia ao ginecologista uma vez por ano e fazia os exames indicados, que na época era o ultrassom de mama. A partir dos 35, comecei a fazer mamografia também. Em 2014, o tumor apareceu no ultrassom, mas não na mamografia. O médico vacilou e não pediu biópsia, embora houvesse indicação. Depois de uns meses, eu senti um caroço na mama esquerda. Na hora, nem me lembrei daquele exame. Fui a um mastologista e, quando ele viu meu ultrassom e mamografia, já ficou de cabelo em pé. Ele pediu uma biópsia e o resultado veio: câncer de mama do subtipo triplo-negativo.

Como foi receber o diagnóstico?

Pela expressão do médico ao ver os exames, eu já tinha sentido que era sério. Demorou seis dias para sair o resultado da biópsia, e eu fui trabalhando aquilo na minha cabeça. Mesmo assim, quando ele me contou que era maligno, parece que o chão se abriu e eu caí num buraco. Fiquei totalmente aérea e assustada. A minha primeira pergunta foi sobre a gravidade da situação. Ele me tranquilizou dizendo que era um tumor inicial, pelo tamanho. Explicou que tinha cura e traramento. Depois disso, o dia a dia ficou tão intenso de informações e exames, que eu fui diluindo o impacto aos poucos. Foquei na solução e pensei: eu preciso ficar otimista. Eu lidei muito bem psicologicamente com tudo.

O que fez, então?

Antes de decidir o tratamento, eu procurei mais dois profissionais, porque eu acho sempre bom ouvir outras opiniões. Os médicos diferem sobre o protocolo de tratamento, por isso é legal ver qual deles te deixa mais segura. Um médico propôs uma cirurgia muito mais radical do que a que eu fiz. Tem que avaliar muito, pesquisar, olhar o currículo dos profissionais e ouvir opiniões sobre ele.

Como foi o tratamento?

Fiz uma cirurgia e tirei só um quadrante da mama esquerda, com o tumor e uma margem de segurança em volta. O médico fez uma incisão de uns 2 centímetros na auréola, que hoje é invisível. Meu seio não mudou nada, nem precisou de silicone. Eu fiquei muito feliz. Depois vieram 16 sessões de quimioterapia, a parte mais arrasadora. A gente ouve falar mais da queda do cabelo e do enjoo, mas os efeitos colaterais vão muito além, são pelo menos 50 sintomas. A químio não difere células saudáveis e ruins, ela mata todas aquelas com característica de reprodução acelerada. Tem que tomar uma série de providências para evitar mais sintomas ainda. Eu tinha muita enxaqueca e sentia aversão a cheiros. A pele ficou muito fina e os meus cremes para o corpo eram específicos para pacientes oncológicos. Ainda fiz 33 sessões de radioterapia.

Por que você decidiu tornar público o seu diagnóstico depois do tratamento?

Durante o tratamento, eu achava que nunca ia falar pra ninguém, porque era algo muito pessoal. Naquele momento, era muito difícil expor uma história, sem nem saber direito o que estava acontecendo. Eu me sentia mal, não conseguia sair na rua. É óbvio que cada um lida de uma forma. Há pessoas que, ao contrário, preferem dividir a dor. Mas eu sou conhecida, sabia que teria que lidar com uma avalanche de pessoas me procurando e que isso ia demandar muita energia. Só que, durante o tratamento, comecei a sentir necessidade de trocar informações com outras pacientes. Pelas redes sociais, comecei a me corresponder com muitas mulheres dentro e fora do Brasil. Li livros de pacientes que passaram por isso, me tornei amiga dessas autoras. Essa troca foi muito enriquecedora, porque eu me senti acolhida e percebi que os meus sentimentos eram normais. Comecei a amadurecer a ideia de contar a minha história, porque, se eu falasse publicamente, poderia ajudar muita gente. Foi o que de fato aconteceu. Só esperei o tratamento acabar para eu me recuperar um pouco do tranco, porque foi um atropelamento. Depois de poucos meses, eu contei a história.

Você ficou com sequelas?

Eu levei uns 2 anos para sentir o meu corpo normal, sem dor nas articulações e sem inchaço por corticoide. Até hoje eu tenho umas sequelas, como uma dor no ombro e um cansaço. O tratamento mexeu muito com a parte hormonal também. Fiquei sem menstruar por muito tempo. Hoje, o ciclo é superirregular e estou praticamente na menopausa.

Hoje você está curada?

Falar de cura é relativo. Eu poderia dizer que estava curada 15 dias depois do diagnóstico, quando retirei o tumor na cirurgia. Na minha cabeça, eu estava. O meu caso se tratou de um tumor inicial de mama, com mais de 95% de cura. Mas a doença não é matemática, não tem a garantia de que nunca mais eu terei câncer, nem eu, nem ninguém. Eu serei eternamente uma paciente oncológica, porque tenho que fazer acompanhamento a vida inteira. Faz seis anos que eu faço exames e, graças a Deus, está tudo ótimo.

O você acha importante que as pessoas saibam sobre o câncer de mama?

As pessoas ficam muito assustadas com a palavra câncer, mas existem milhares de casos. Quando a gente fala do câncer de mama, a grande maioria se cura. Por isso a gente fica em cima para as mulheres fazerem acompanhamento médico e, se for o caso, pegar a doença no início. O problema é quando o diagnóstico é tardio. Há mulheres que, por medo, preferem não ir ao médico. Agora, se você for fazer o exame todo ano, você salva a sua vida.

“Quando ele me contou que era maligno, parece que o chão se abriu e eu cai em um buraco. Fiquei totalmente aérea e assustada”

“Durante o tratamento, comecei a sentir necessidade de trocar informações com outras pacientes e passei a me corresponder”

Onde buscar informações confiáveis sobre a doença

Há muita notícia falsa sobre o câncer na internet. Acessar fontes de qualidade é fundamental para não cair em ciladas

Oncoguia - http://www.oncoguia.org.br/

Criada com o objetivo de ajudar a pessoa com diagnóstico de câncer a viver melhor, a ONG tornou-se também um portal informativo sobre a doença para pacientes, seus familiares e público em geral. Tem um canal de atendimento nacional e gratuito: 08007731666.

Inca - https://www.inca.gov.br

O Instituto Nacional de Câncer é o órgão auxiliar do Ministério da Saúde para desenvolver ações de prevenção e o controle da doença no Brasil. No site, o usuário encontra estatísticas e informações sobre fatores de risco e prevenção para cada tipo de câncer.

Casa Paliativa - Instagram: @casapaliativa

Perfil dedicado a desmistificar o conceito de cuidados paliativos e transformar a finitude em uma ferramenta de autoconhecimento. No Facebook (https://www.facebook.com/groups/casapaliativa), o grupo recebe pacientes com doenças graves, além de seus cuidadores, que podem se beneficiar dos cuidados paliativos.

Vencer o Câncer - https://vencerocancer.org.br/

A fundação sem fins lucrativos tem como objetivo informar, apoiar e acolher pacientes e familiares diante do diagnóstico e tratamento do câncer. Para a população em geral, fornece informações relacionadas a prevenção, alimentação, atividade física, direitos dos pacientes e medicina integrativa.

Matéria publicada pelo Estadão no dia 27/07/2021.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive