Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Esperança contra o câncer: revolucionária, imunoterapia tem menos efeitos colaterais

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 09/10/2018 - Data de atualização: 09/10/2018


Fortalecer o sistema imune, “desmarcar” o tumor e fazer com que o próprio corpo combata o câncer. Essa é a forma mais didática de explicar a ação dos imunoterápicos, medicamentos que fazem parte do mais recente tratamento contra o mal.

A descoberta, que revolucionou especialmente o combate ao melanoma e ao tumor de pulmão, rendeu, inclusive, o Prêmio Nobel de Medicina ou Fisiologia 2018 para o americano James P. Allison e o japonês Tasuku Honjo, entregue em 1º de outubro.

Saiba mais sobre câncer de pele melanoma e sobre os tipos de cânceres de pulmão atavés de nossos conteúdos especiais.

A pesquisa já possibilitou a redução de mortalidade para os dois tipos e também para o câncer nos rins. 

“Dentre tantas descobertas, essa faz uma diferença que não dá para ignorar. Há grandes ganhos para os pacientes”, destaca Munir Murad Júnior, coordenador médico do Serviço Especial de Oncologia do Hospital das Clínicas.

Pesquisas

Ainda não incorporada ao Sistema Único de Saúde (SUS) e sendo aos poucos inserida em planos de saúde, a imunoterapia é eficiente no tratamento contra alguns tipos de câncer e há diversas pesquisas em todo o mundo que visam expandir a abrangência.

A diferença fundamental entre esta e a quimioterapia é que, na imunoterapia, é o organismo do paciente que elimina as células cancerosas. Já na quimio, os remédios destroem tanto células doentes quanto sadias.

Entenda o que é a imunoterapia.

Oncologista da Oncomed Leandro Ramos explica que, normalmente, o sistema imunológico reconhece células potencialmente perigosas ao corpo e as ataca. No entanto, as tumorais produzem uma proteína que cria uma espécie de “venda” nas de defesa, fazendo com que elas não reconheçam que o tumor é um agente prejudicial.

“Os imunoterápicos servem para retirar a ‘venda’, estimulando o sistema imunológico a agir. Quem destrói a célula tumoral é o próprio organismo”, explica o médico. 

Apesar de a toxicidade dessas substâncias não ser desprezível, as reações adversas são bem menores que a de uma quimioterapia. “É um processo mais controlável e menos intenso. Não há queda de cabelo ou fraqueza provocada pela droga. Mas, podem ocorrer reações imunes relacionadas a pele, pulmão, tireoide e fígado”, expõe o oncologista Munir Murad Júnior.

Mama

O segundo câncer mais recorrente e que mais causa mortes de mulheres no país ainda não possui esse tipo de tratamento. “A imunoterapia para o de mama está em caráter experimental. Não temos nenhum imunoterápico aprovado pela Anvisa no Brasil para este fim”, afirma Alexandre Ribas, oncologista do Hospital Felício Rocho.

Atualmente, o método de combate a esse mal consiste em cirurgia, quimio e radioterapia. “Vai variar se a doença está localizada na mama ou se já está espalhada. Quando não tem metástase, o tratamento dura um ano, geralmente”, informa Carolina Valadares, mastologista do Cetus Oncologia. 

Conforme Munir Murad Júnior, do Hospital das Clínicas, para o câncer de mama os estudos ainda são incipientes. “É uma doença heterogênea, são vários subtipos e está se tentando entender qual ou quais deles que poderiam responder melhor à terapia”, diz.

Fonte: Hoje Em Dia

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive