Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Entre diagnósticos tardios, mês de agosto marca conscientização do linfoma

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/08/2020 - Data de atualização: 24/08/2020


O mês de agosto é marcado pela conscientização ao tratamento do linfoma com a campanha "Agosto Verde Claro". A data é instituída pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença pode ser controlada por meio da identificação precoce da alteração. O silêncio do brasileiro diante dos sintomas ainda ocasiona o diagnóstico tardio e a piora da condição médica.

A doença começa nas células do sistema imunológico, responsável pela proteção do nosso organismo. Segundo o hematologista Rodrigo Monteiro, do Núcleo de Oncologia e Hematologia do Ceará (NOHC), ainda não há causas específicas para o surgimento da doença no organismo. Dentre os perfis que podem ser acarretados, estão pacientes imunossuprimidos, pessoas que costumam ter contato com derivados de petróleo, agricultores e sapateiros - fora os casos genéticos.

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), uma soma de 14,5 mil casos de linfomas no País devem ser diagnosticados ainda em 2020. Os números correspondem às duas categorias existentes do câncer hematológico: linfoma de Hodgkin e linfoma não Hodgkin (LNH). Rodrigo explica que dentro dos dois grupos, existem vários subgrupos da doença que se diferenciam pelas categorias de células encontradas e pelo comportamento biológico, além das diferenças nos tratamentos.

Os dados do Observatório de Oncologia, plataforma de dados abertos sobre o câncer no Brasil, cerca de 58% dos pacientes tratados através do Sistema Único de Saúde entre 2008 e 2017 tiveram estadiamentos em seu diagnóstico do câncer hematológico. Rodrigo explica que o resultado não depende apenas do paciente, mas também da rede pública e privada de saúde.

No Ceará, a referência é o Hospital Geral de Fortaleza (HGF), do qual Rodrigo é coordenador do serviço de hematologia. "O diagnóstico de linfoma é muito da estrutura de saúde. Quanto melhor a saúde pública e o acesso do paciente aos serviços de saúde, mais rápido o diagnóstico é feito", pontua o hematologista, informando sobre ainda existir uma demora por parte dos atendimentos públicos para a doença em todo o Brasil.

Dentre os principais sintomas, está o aumento de gânglios nas axilas, virilhas e no pescoço. Suor noturno excessivo, febre, coceira e perda de peso também podem ser sinais do linfoma, junto do aparecimento de linfonodos inchados. "Junto deles, o paciente tem aquela fadiga, cansaço e mal-estar geral. É logico que o aparecimento de um linfonodo, não quer dizer que seja linfoma. Mas procurar quanto antes o atendimento medico melhora as chances de cura", destaca o hematologista.

Linfoma de Hodgkin

Um dos cânceres do linfoma tem a característica de se espalhar de forma ordenada através dos vasos linfáticos, uma rede de distribuição no organismo humano. A doença surge quando uma das células de defesa do corpo, o linfócito, se transforma em uma célula maligna.

Com o passar do tempo, essa célula passa a produzir clones que podem se disseminar para o corpo através de tecidos próximos. De acordo com o Inca, a doença se origina com maior frequência na região do pescoço e do tórax e tem maior propensão de acontecer mais em homens do que em mulheres.

Um total de 2.640 casos correspondem a probabilidade da doença ser diagnosticada em 2020 - dentre esses, 100 no Ceará. Não há uma forma efetiva de prevenção para o linfoma de Hodgkin. De acordo com o Inca, o diagnóstico precoce desse câncer possibilita melhores resultados em seu tratamento, que deve ser buscado em caso dos seguintes sintomas:

  • aparecimento de um ou mais gânglios, conhecidos como caroços sob a pele, geralmente indolores e principalmente no pescoço, virilha ou axilas;
  • febre e suores noturnos;
  • cansaço e perda de peso sem motivo aparente;
  • coceira na pele;

O diagnóstico do linfoma de Hodgkin é obtido através da biópsia da região afetada. O tratamento pode variar entre os pacientes, que devem ser acompanhados com consultas periódicas de saúde.

Linfoma não Hodgkin (LNH)

O LNH tem origem nas células do sistema linfático e também se espalha de maneira não ordenada. Como o tecido linfático é encontrado em todo o corpo, o linfoma pode começar em qualquer lugar. De acordo com o Inca, a condição médica se torna mais comum a medida que as pessoas envelhecem.

Entre os linfomas, é o tipo mais incidente na infância. Homens também são mais predispostos do que as mulheres. A expectativa é de que 12.030 desse linfoma sejam diagnosticados no Brasil ainda este ano, 430 só no Ceará. O linfoma está entre os dez tipos de câncer mais incidentes estimados para 2020 entre homens e mulheres. 

O risco aumenta em pessoas com o sistema imune comprometido, como pessoas com deficiência de imunidade em consequência de doenças genéticas hereditárias e portadoras de infecção por HIV. Exposição a altas doses de radiação e trabalhadores do setor de transporte rodoviário e ferroviário, galvanizadores, operadores de rádio e telégrafo, petroquímica, usinas elétricas e lavagem a seco estão entre os mais expostos aos fatores de risco da não-Hodgkin.

O Inca recomenda, assim como em outras formas de câncer, dietas ricas em verduras e frutas que podem ter efeito protetor contra esse tipo de linfoma. Além disso, usar equipamentos de proteção individual (EPIs) enquanto trabalha com as substâncias químicas ou reduzir o seu uso podem prevenir a patologia.

Fonte: O Povo

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive