Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Entidade questiona governo por prazo de 60 dias para tratamento contra câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/06/2013 - Data de atualização: 03/06/2013


Por receio de descumprimento do prazo máximo de 60 dias para o início do tratamento do câncer na rede pública, o Instituto Oncoguia apresentou uma representação ao Ministério Público Federal.

O documento contesta a portaria do Ministério da Saúde publicada há duas semanas, que detalha a aplicação da lei que instituiu o prazo. O instituto questiona o fato de a portaria não definir o início da contagem do prazo no momento em que foi dado o laudo pelo patologista --logo após análise laboratorial.

A portaria do ministério começa a contagem a partir do "registro do diagnóstico no prontuário do paciente".

Com isso, avalia o instituto, o prazo pode passar a correr apenas quando o laudo for devolvido ao serviço de saúde ou na primeiro consulta com o médico após a emissão do laudo --o que poderia atrasar o início do tratamento em até algumas semanas.

"Embora possa parecer sutil, essa discrepância pode representar a diferença entre a vida e a morte do paciente (...) A lei é clara ao dizer que o prazo se inicia da assinatura do laudo e não do registro do laudo no prontuário do paciente", diz o documento entregue na semana passada.

Para Tiago Matos, diretor jurídico do Oncoguia, o modelo adotado pelo ministério "abre brecha para uma dilação irresponsável do prazo".

A entidade solicitou ao Ministério Público Federal providências para garantir o cumprimento do prazo desde a assinatura do laudo.

Segundo o secretário de atenção à saúde do ministério, Helvécio Magalhães, o receio faz sentido. "A preocupação procede, mas estamos atentos a isso", afirma ele.

Magalhães defende que brechas como essa não existirão a partir de agosto, quando todos os serviços de saúde passarão a alimentar o sistema online de acompanhamento dos casos de câncer, lançado há duas semanas.

No sistema, continua ele, quem fizer a análise laboratorial e detectar um câncer já terá que informar esse diagnóstico ao sistema --passando a contar, então, o prazo dos 60 dias. Quem não fizer desta forma, não receberá o custeio do tratamento, alerta o ministério.

DETALHAMENTO DA LEI


O ministério apresentou, nesta quinta, a regulamentação da lei sancionada em novembro passado. O detalhamento prevê a utilização de um novo sistema nacional de monitoramento da doença, com acompanhamento do prazo entre o diagnóstico e o início efetivo do tratamento. A partir de agosto, o pagamento pela União do tratamento contra o câncer ficará vinculado ao preenchimento correto do sistema.

Os prazos para o início do tratamento apresentados nesta quinta podem ter defasagem de até três anos, de acordo com Padilha. Apenas o novo sistema permitirá o acompanhamento online dos prazos.

A pasta também instituiu um comitê de monitoramento da lei. Equipes devem fiscalizar, nos hospitais, o cumprimento da norma. Auditorias feitas que identificarem o descumprimento da norma podem levar a punições administrativas ou a determinações pelo Ministério Público, disse o ministro.

Hoje 277 serviços estão habilitados para o tratamento oncológico no país, 134 deles no Sudeste.

O governo estabeleceu exceções ao cumprimento do prazo de 60 dias: câncer de pele não melanótico (segundo a pasta, o tratamento é feito em paralelo ao diagnóstico), câncer de tireoide sem fatores clínicos de piora e casos mais avançados, que requerem mais o tratamento paliativo que o curativo.

"LEI ROUANET" DO CÂNCER


O ministério divulgou, ainda, o modelo de funcionamento da chamada "Lei Rouanet do câncer", mecanismo que permitirá a dedução fiscal para destinação de verbas para pesquisa e atendimento contra o câncer.

"O fluxo será: entidades sem fins lucrativos se credenciam ao SUS, apresentam projetos pactuados com gestores locais, os projetos são avaliados internamente com parâmetros técnicos, os doadores podem deduzir até 1% do Imposto de Renda devido", explicou Patrícia Sampaio, coordenadora de oncologia da pasta.

O mecanismo estava previsto em uma outra proposta aprovada pelo Congresso Nacional. Segundo o ministro, uma modificação foi feita no texto original e esse mecanismo passaria a disputar recursos com a cultura e o esporte --por esse motivo, houve veto de parte da lei. Padilha afirmou que um novo texto já foi encaminhado ao Congresso.

Matéria publicada por:

  • Najupo em 25/05/2013
  • @ Notícias em 30/05/2013
  • Folha de São Paulo em 30/05/2013
  • Covertimes.com em 30/05/2013
  • Blog do Guilherme Araújo em 30/05/2013
  • JusBrasil em 30/05/2013
  • Gazeta do Povo em 31/05/2013
  • TN Online em 31/05/2013
  • Gazeta de Limeira em 31/05/2013
  • O Vale em 31/05/2013
  • Gazeta de Maringá em 31/05/2013
  • PasseiAki em 31/05/2013
  • Blog A visão do condor em 01/06/2013
  • Umuarama Ilustrado em 01/06/2013
  • Aqui em 01/06/2013
  • Diário do Nordeste em 02/06/2013
  • Comércio do Jahu em 02/06/2013
  • O Povo em 02/06/2013
  • Jornal de Londrina em 03/06/2013



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive