Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Em tratamento contra câncer, Rita Lee reaparece nas redes e lança single

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/09/2021 - Data de atualização: 24/09/2021


A cantora Rita Lee, 73, que está em tratamento contra um câncer no pulmão, anunciou nesta quinta-feira (23) nas redes sociais o lançamento do single “Change”, em parceria com o compositor e músico Gui Boratto. Dias antes, ela havia reaparecido em uma foto compartilhada no Instagram pelo marido, o músico Roberto de Carvalho.

A música é a primeira que ela lança após o diagnóstico de câncer no pulmão esquerdo, anunciado no dia 20 de maio. Dias depois, o marido da cantora usou o perfil do Instagram da mulher para revelar que os resultados positivos após o diagnóstico de câncer de pulmão da artista já estavam acontecendo.

O lançamento do single coincide com a estreia nesta quinta da exposição "Samsung Rock Exhibition - Rita Lee",no MIS, em São Paulo, que reúne memórias das cinco décadas de carreira da cantora, um dos maiores símbolos da música brasileira.

A curadoria foi feita pelas mãos de Rita Lee e de João Lee, mãe e filho, e mostra a jornada iniciada em 1966 quando ela fazia parte da banda Os Mutantes ao lado de Arnaldo Baptista e Sérgio Dias, seguindo pela carreira da cantora com o grupo Tutti Frutti e pela carreira solo.

Foi em sua jornada sozinha que Rita colecionou lançamentos famosos como “Mania de Você”, "Chega Mais" e "Lança Perfume” até a sua aposentadoria dos palcos, em 2012, ano em que também soltou seu último disco, “Reza”. Desde então, a cantora fez apresentações pontuais e lançou livros, como “Rita Lee: Uma Autobiografia”, há cinco anos.

Entre os objetos que estarão expostos aparecem cadernos de composições escritos à mão por Rita entre os anos 1970 e 1980, instrumentos musicais e figurinos usados pela cantora em seus shows. A cenografia ficou a cargo de Chico Spinosa, e a direção artística é de Guilherme Samora, jornalista e estudioso do legado da cantora paulistana.

“Convido você a dar uma espiada nas lembranças que minha mãe guardou dos seus 50 anos trabalhando com música por este mundo afora, quando subia no palco e dividia com o público suas peripécias, cantando e dançando. Tempos inesquecíveis, maravilhosos e divertidos”, escreveu João Lee.

A exposição fica em cartaz até o dia 28 de novembro e os ingressos começam a ser vendidos nesta quinta, dia 23, quando a mostra tem início.

ENTENDA SOBRE O CÂNCER DE RITA LEE

Este tipo de câncer atinge 30 mil brasileiros por ano e em 90% dos casos está relacionado a cigarro, segundo o Inca ( Instituto Nacional do Câncer).

A oncologista e presidente da SBOC (Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica), Clarissa Mathias, diz que o tumor primário é quando ele começa no próprio órgão. “Ele não veio de outro órgão, não foi uma metástase [quando o câncer se espalha pelo organismo atingindo outros órgãos]”, explica.

Clarissa diz que as chances de cura vão depender muito do tipo de câncer no pulmão, do estágio da doença e da resposta do tratamento. O tratamento adotado pela equipe médica que atende a cantora é uma combinação de radioterapia e imunoterapia, segundo comunicado divulgado em seu perfil na rede social.

Segundo a oncologista, a imunoterapia é um enorme avanço no tratamento do câncer e seu uso está aprovado há cerca de quatro anos no Brasil. “A imunoterapia é um dos tratamentos mais modernos e eficazes para câncer de pulmão. Ela destrava o sistema imunológico do organismo e ele próprio reconhece as células do câncer e o combate”, explica

O oncologista clínico e presidente do Instituto Oncoclínicas, Carlos Gil Ferreira, diz que o diagnóstico precisa ser individualizado e preciso para que a imunoterapia funcione. Segundo ele, conhecendo as células cancerígenas as medicações vão agir para fortalecer o sistema imunológico combatendo a doença.

“Antes, o que ocorria era a destruição total das células, inclusive as saudáveis, para a eliminação do mal. Agora, o tratamento é focado, o que aumenta as chances de sucesso e qualidade de vida", afirma o oncologista clínico.

A presidente da SBOC afirma que a imunoterapia pode ser utilizada isoladamente ou associada à quimioterapia ou radioterapia. “Existem vários tipos de tratamento para o câncer e de acordo com a característica do tumor, perfil molecular [características únicas do câncer em um paciente] e estágio da doença”.

Já a radioterapia, a que Rita Lee está sendo submetida, é um tratamento que utiliza radiações para destruir câncer e evitar que as células aumentem. “É feito com uma uma máquina com aplicação de radiação para controle local da doença”.

Fonte: Folha de S.Paulo 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive