Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Em caso raro, doador de órgãos transmite câncer para quatro receptores

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/09/2018 - Data de atualização: 26/09/2018


Em um caso raro e inédito na medicina, um doador de órgãos transmitiu câncer para quatro receptores. Três deles, que receberam diferentes órgãos, morreram. O estudo de caso foi publicado no American Journal of Transplantation. 

A história começa em 2007, quando uma pessoa de 53 anos morreu vítima de AVC (Acidente Vascular Cerebral). Seus pulmões, fígado, rins e coração foram doados.

Entre 16 meses e seis anos após os transplantes, quatro receptores foram diagnosticados com câncer. Três dos quatro morreram após a propagação da doença, de acordo com o estudo de caso. O paciente restante sobreviveu após os cirurgiões removerem o rim que ele recebeu. Ele também passou por quimioterapia.

Médicos em sala de cirurgia - Wikimedia Commons

Os autores do estudo, da Universidade de Tübingen, na Alemanha, e do VU University Medical Center (Amsterdã ), classificaram como o caso como "extraordinário" e dizem que o doador tinha câncer de mama que não foi detectado na hora da remoção dos órgãos. Porém, eles não especificam se era homem ou mulher. Ambos podem ter câncer de mama.

Uma mulher de 42 anos que recebeu os pulmões do doador foi hospitalizada depois que os órgãos pararam de funcionar corretamente. Os médicos então descobriram que ela tinha câncer de mama que se originou, primariamente, em seus pulmões, espalhou-se por seus ossos e depois atacou seu fígado.

Testes posteriores revelaram que as células do câncer de mama entraram em seu corpo por meio dos pulmões doados.

Os médicos alertaram o homem de 32 anos e a mulher de 62 anos, que receberam respectivamente os rins direito e esquerdo do doador, sobre o risco de câncer. Mas os testes disponíveis na época não detectaram sinais da doença.

O homem foi posteriormente diagnosticado com câncer em seu rim, que foi removido e, desde então, entrou em remissão. Mas a mulher só teve o tumor diagnosticado cinco anos depois. Morreu em dois meses.

Em outro caso, uma mulher de 59 anos que recebeu um fígado foi diagnosticada com câncer no órgão, mas se recusou a retirá-lo com medo de complicações. Mais tarde, ela morreu em razão de metástases.

Os autores acreditam que armazenar órgãos quentes sem um suprimento de sangue poderia ter ajudado as células tumorais a se espalharem. Os imunossupressores (medicamentos que evitam a rejeição dos órgãos) que os pacientes tomaram também podem ter permitido que a doença crescesse sem ser detectada.

O caso é considerado raro. Estima-se que a chance de se contrair câncer de um doador fique entre 0,01% e 0,005%. De qualquer maneira, serve de alerta para as equipes de transplante. As atuais triagens de doadores de órgãos envolvem basicamente testes sorológicos para descartar doenças como Aids, sífilis e hepatite C. No futuro, quem sabe, testes genéticos rápidos também podem vir a ser incorporados na rotina dos transplantes.

Fonte: Folha de S.Paulo

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive