top
Profissionais

Colunistas


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Efeitos anticâncer do exercício no CA de mama – Parte II

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 13/04/2017 - Data de atualização: 13/04/2017


Mulheres com câncer (CA) de mama que se exercitam durante e após o tratamento, além da melhora de suas qualidades de vida, justificada pela redução dos sintomas e dos efeitos colaterais do câncer e de seu tratamento, apresentam taxas de recidivas menores e consequente aumento de sobrevida.  Recentes evidências científicas sugerem que este efeito anticâncer do exercício físico se dá por dois fatores sistêmicos: crônicos (adaptação ao longo prazo), e agudos (de ação imediata).

Durante a realização do exercício, ocorrem importantes alterações de curta duração em vários componentes circulantes em nosso organismo, que em grandeza ultrapassam de longe as adaptações observadas com o treinamento em longo prazo - leia a primeira parte deste texto para saber mais sobre os efeitos crônicos. Essas alterações agudas afetam a biologia e a viabilidade de células tumorais no CA de mama. São elas:

  • Miocinas - com a redução dos níveis intramusculares de glicogênio (moléculas de glicose que fornecem energia para a contração muscular), provocada principalmente pela realização de exercícios de alta intensidade ou de longa duração, o músculo libera miocinas. Embora a mais conhecida seja a IL-6 (que pode ter sua concentração aumentada em até 10 vezes após o exercício agudo), existem ainda a ANGPTL-4, MCF-1, CCL2, CX3CL1, IL-8, IL-15, Irisina e SPARC, todas promovem aumento na concentração plasmática de marcadores anti-inflamatórios, gerando redução da inflamação sistêmica por horas após o exercício. Estas moléculas pertencem a uma classe de proteínas que também tem potencial comprovado no controle do CA de mama - capacidade de ativar vias supressoras de tumores e de anular vias oncogênicas. Cabe salientar que, em contraste, o exercício, quando realizado de forma extenuante e associado ao dano muscular, também pode induzir respostas que aumentam a inflamação sistêmica.

  • Hormônios de estresse - o exercício induz, de maneira dependente de sua intensidade, a produção e liberação de hormônios do estresse. As concentrações plasmáticas de catecolaminas (adrenalina e a noradrenalina) aumentam em até 20 vezes nos primeiros 15 minutos nos exercícios de alta intensidade. Após o término do esforço, os níveis destes hormônios regressam rapidamente aos valores pré-exercício. O impacto destes picos transientes indica um duplo papel destas catecolaminas; o qual a altas concentrações inibe o crescimento de células cancerígenas, enquanto em baixas concentrações estimula-o. Em contrapartida, o estresse crônico, que é caracterizado por níveis elevados destes hormônios que não reduzem após horas do término do esforço, é prejudicial ao organismo e pode promover o início e progressão do CA de mama.

  • Células imunes - poucos minutos após o início do exercício, as células imunes são mobilizadas para a circulação. As mais responsivas ao esforço são as células Natural Killers (NK), seguidas por células T e macrófagos. Recentemente foi demonstrado que esta mobilização dependente do exercício de células NK conduz a um efeito supressor do tumor.

Embora muitos estudos que corroboram este efeito oncoprotetor do exercício tenham sido realizados em modelos experimentais (não humanos), a prática regular e sistematizada do exercício físico apresenta-se como uma promissora ferramenta não farmacológica de intervenção para o manejo do CA de mama. Fica claro também que, quando olhamos para os fatores crônicos e agudos, a dose (volume e intensidade) do exercício é fator preponderante para o sucesso desta intervenção; pouco volume ou intensidade não tem efeito oncoprotetor e muito volume ou intensidade parece ter o efeito oposto.

Antes de começar a se exercitar, consulte o seu médico e procure um profissional capacitado para que a dose de seu treinamento seja ajustada para suas atuais condições físicas.

Quer saber mais sobre o assunto?

  • Dethlefsen, Christine, et al. "Exercise regulates breast cancer cell viability: systemic training adaptations versus acute exercise responses." Breast cancer research and treatment 159.3 (2016): 469-479.
  • Dethlefsen, Christine, Katrine Seide Pedersen, and Pernille Hojman. "Every exercise bout matters: linking systemic exercise responses to breast cancer control." Breast Cancer Research and Treatment (2017): 1-10.

Bons treinos e até a próxima...
Rodrigo Ferraz


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive