top
Profissionais

Colunistas


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

É possível conciliar o tratamento com exercícios físicos?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 27/04/2016 - Data de atualização: 27/04/2016


Que os exercícios físicos, realizados de forma regular e sistematizada, são extremamente benéficos na redução dos principais sintomas causados pelo câncer e seu tratamento, a maioria dos pacientes já sabe. Entretanto, em decorrência da terapêutica anticâncer, muitos acham não ser viável treinar durante o tratamento.

Para entender melhor como inserir e potencializar o treinamento, é preciso contextualiza-lo à luz do tratamento. Para isto, por questões didáticas, de forma cronológica, podemos dividir o pós-diagnóstico em três fases: pré-tratamento (consiste no período entre o diagnóstico e a cirurgia, quimio ou rádio), tratamento e pós-tratamento.

Pré-tratamento: muitos estudos mostram que pacientes com melhor aptidão cardiorrespiratória e da força toleram mais o tratamento e, por efeito, o índice de cura tende a ser maior. Neste sentido, o paciente deve iniciar ou intensificar o treinamento nesta fase e, que a sua condição física definirá o grau de progressão de volume e intensidade dos exercícios. Os exercícios podem ser diários, desde que respeitadas as condições acima.

Tratamento: em virtude do pós-operatório e das sessões de quimio e rádio, esta é a fase mais complexa para se realizar exercícios. Preservado o período de procedimentos de reabilitação da região afetada no pós-operatório, deve-se retomar ou iniciar o treinamento o mais rápido possível. Após as sessões de quimio ou rádio o paciente pode ficar cansado e, por muitas vezes, não conseguirá treinar. O importante é respeitar este período, que pode durar alguns dias, dependendo do tratamento e do estado do paciente. Após este intervalo, o treinamento deve ser retomado de forma progressiva até a próxima sessão programada de quimio ou radio. Dependendo das limitações físicas e sequelas do tratamento, a rotina de exercícios deve ser adaptada e individualizada. Lembrando que, como já foi dito, se o paciente está bem condicionado, a intensidade deste cansaço pode ser bem menor, podendo não existir a necessidade deste descanso pós-sessão terapêutica.

Pós-tratamento: uma vez finalizado o tratamento, o paciente deve continuar treinando. Além dos benefícios da prática regular de exercícios, sobreviventes de câncer que treinam durante e após o tratamento, para certos tipos de câncer, diminuem de forma considerável os índices de recidivas.

Em ambas as fases, o responsável pela liberação do paciente à prática de exercícios deve ser o médico responsável e, que o paciente deve realizar avaliações físicas, clínicas e bioquímicas antes e durante o período de treinamento. Para a prescrição dos exercícios, um profissional com experiência na área deve ser consultado.

Até a próxima...
Rodrigo Ferraz



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive