Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

DIU pode reduzir risco de câncer de ovário em mais de 30%, diz estudo

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 20/09/2019 - Data de atualização: 20/09/2019


Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, têm uma boa notícia para usuárias do dispositivo intrauterino (DIU). Segundo eles, adeptas desse método contraceptivo teriam até 32% menos chances de ter câncer de ovário. O resultado foi válido tanto para quem usava o DIU com hormônio quanto sem.

Para realizar a pesquisa, publicada na revista Obstetrics and Gynecology, a equipe revisou 11 estudos anteriores sobre o assunto. O levantamento mostrou que os dispositivos, hormonais ou não, poderiam reduzir o risco de câncer de 15% a 32%.

Uma possível explicação para isso seria o fato de o DIU combater altos níveis de estrogênio, hormônio associado ao aumento do risco de câncer de mama e de ovário. Outra razão, de acordo com os pesquisadores, estaria relacionada ao efeito inflamatório local provocado pelo DIU. Isso aumentaria a presença de células imunológicas, que protegeriam o organismo do câncer.

O DIU é um método contraceptivo que pode ser aplicado em mulheres sexualmente ativas, inclusive adolescentes. A estrutura é inserida no útero e se assemelha a uma pequena haste, em formato de T. É um dos métodos de prevenção à gravidez mais seguros. Ele libera substâncias no corpo, impedindo que espermatozoides permaneçam na região ou fecundem o óvulo. O dispositivo tem validade de cinco a 10 anos, mas pode ser retirado a qualquer momento, após recomendação médica.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), do Ministério da Saúde, o câncer de ovário é o segundo tipo de câncer ginecológico mais comum, atrás apenas de colo do útero. Em 2018, a estimativa do órgão foi de 6.150 novos casos, com 3.879 óbitos. Idade avançada, fatores reprodutivos e hormonais, histórico familiar, genética e obesidade são os principais fatores de risco.

Fonte: Metrópoles

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive