Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Direito à mamografia de rastreamento no Brasil

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/02/2021 - Data de atualização: 15/02/2021


Estamos falando sobre o direito a ter acesso a uma importante ferramenta de diagnóstico precoce e rastreamento do câncer de mama, o que deve ser assegurado a todas as mulheres, sim. Por outro lado, a discussão sobre qual a idade ideal para iniciar a realização dos exames de mamografia ainda divide opiniões.

Embora existam pesquisas demonstrando que a mamografia de rastreamento em mulheres assintomáticas com idade abaixo dos 50 anos – que é diferente da mamografia de diagnóstico realizada em mulheres sintomáticas – não tenha um impacto muito substancial na queda da mortalidade, estudos recentes, como os publicados na The Lancet Oncology e na revista Cancer (ACS Journals), trazem evidências de que a mamografia anual, a partir dos 40 anos, está associada à redução relativa na mortalidade por câncer de mama e melhores desfechos clínicos, reforçando as recomendações das principais sociedades médicas nacionais e internacionais, conforme observou também a colega médica.

A própria Sociedade Brasileira de Mastologia e a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama – Femama defendem a realização anual da mamografia em mulheres com idade entre 40 e 69 anos, seguindo a Lei 11.664/2008.

Do meu ponto de vista, a prevenção e o rastreamento devem sempre ser personalizados conforme os fatores de risco a que as pessoas estão expostas, como as síndromes hereditárias de predisposição ao câncer e também os hábitos de vida e condições ambientais.

Se por um lado iniciar o protocolo de rastreamento em idade mais jovem poderia aumentar o diagnóstico precoce, por outro, poderia expor algumas mulheres à radiação ionizante desnecessária. Em população normal, os benefícios superam os riscos, porém para mulheres com predisposição hereditária, como nos casos de mutação germinativa do gene TP53 (síndrome de Li Fraumeni), mesmo essas pequenas doses devem ser evitadas e outras formas de rastreamento, como a ressonância nuclear magnética, utilizadas. Já no caso de mutações dos genes BRCA1 e 2, o ideal é que as mamografias sejam alternadas com a ressonância nuclear magnética, para que a eficácia na detecção seja incrementada.

Mas, para isso, primeiro, é necessário que o acesso aos exames genéticos para diagnóstico das síndromes hereditárias seja um direito de todas as mulheres. Em Minas Gerais, algumas instituições vêm se organizando e cobrando a regulamentação da Lei 23.449/2019, que assegura às mulheres com alto risco de desenvolvimento de câncer de mama e ovário a realização gratuita de exame genético no SUS mineiro. Já o Projeto de lei 265/20, em tramitação na Câmara dos Deputados, tem o objetivo de obrigar o SUS a oferecer gratuitamente, às mulheres com risco familiar, o exame de detecção de mutação nos genes BRCA1 e BRCA2.

A existência desse direito seria de grande valia no combate ao câncer. A partir da confirmação da presença das mutações herdadas geneticamente, é possível oferecer inúmeras medidas preventivas e de rastreamento ativo do câncer, evitando o aparecimento ou o detectando precocemente. Dessa forma, os médicos do SUS teriam também como indicar assertivamente a mamografia ou a ressonância nuclear magnética a mulheres a partir dos 40 anos.

Mas, observem: estou falando de um cenário ideal, em que tanto o acesso a exames genéticos quanto à mamografia a partir dos 40 fizessem parte dos protocolos do sistema público. Cabe a todos nós cobrar para que em um futuro próximo ambos os direitos sejam reais. Isso mudaria drasticamente a luta contra o câncer em nível nacional!

Fonte: Estado de Minas

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive