Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

'Detecção do câncer de bexiga é ainda mais desafiadora na pandemia', dizem médicos

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/07/2020 - Data de atualização: 16/07/2020


Desde o anúncio da pandemia de covid-19 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em março, houve redução de 70% no número de cirurgias relacionadas a tratamentos oncológicos, além de queda que varia entre 50% e 90%, dependendo do local, de análises de biópsias. Estima-se que ao menos 50 mil brasileiros deixaram de receber o diagnóstico de câncer nos dois primeiros meses de pandemia. 

Os dados são de um levantamento realizado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO) e Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) junto aos principais serviços de referência do país, nas redes pública e privada.

A baixa pela procura dos serviços de saúde pode ser especialmente maléfica para o diagnóstico e tratamento do câncer de bexiga. Embora a doença apresente boas taxas de cura, sua detecção precoce é difícil, uma vez que, em fases iniciais, costuma apresentar sintomas sutis que geralmente são pouco valorizados pelo paciente, como a presença intermitente de sangue na urina. Apesar disso, é uma doença de rápida evolução. 

"A pandemia da covid-19 impactou o diagnóstico desses pacientes, atrasando a confirmação da doença, bem como o início dos tratamentos indicados. Embora as diretrizes internacionais demonstrem fortemente que o tratamento de casos de câncer de bexiga não deveria ser postergado por conta da pandemia, observa-se um enorme atraso no diagnóstico por demora na realização de exames necessários, além da recusa dos pacientes a se submeterem ao tratamento cirúrgico com receio de contaminação pelo coronavirus", explica o urologista Hamilton de Campos Zampolli. 

O médico afirma ainda que atrasos no diagnóstico e tratamento podem agravar o estadiamento do câncer (classificação que determina a localização e a extensão do tumor) fazendo com que casos potencialmente curáveis evoluam para doenças avançadas ou metastáticas (quando se espalham para outras partes do corpo), diminuindo a chance de cura.

Dados 

A previsão é que a prevalência da doença seja de cerca de 10.640 brasileiros em 2020, segundo estimativa do Instituto Nacional de Câncer (INCA). O câncer de bexiga representa mais de 90% de todos os tumores uroteliais e é considerado o décimo tipo de câncer mais comum no mundo, com aproximadamente 550 mil novos casos ao ano. 

No Brasil, é classificado como um dos tumores mais comuns do sistema urinário, ocupando sexta posição entre os mais incidentes em pessoas do sexo masculino. O câncer de bexiga é mais prevalente em homens em torno dos 65 anos e possui como principal fator de risco o tabagismo, que aumenta de 4 a 7 vezes a chance de desenvolvimento do problema. Entre os sinais mais comuns estão sangramento intermitente na urina, presente em 90% dos casos. Dor ao urinar e dor pélvica podem ocorrer em casos mais avançados.

Tratamento Personalizado

Em estágios iniciais, a terapia mais indicada é a cirurgia para extração do tumor e para os estágios mais avançados, a quimioterapia tem sido considerada o padrão de tratamento nos últimos trinta anos. 

Recentemente, abordagens cada vez mais personalizadas estão chegando ao mercado em resposta às necessidades médicas não atendidas de um grupo de pacientes que, até agora, tinha opções limitadas de tratamento. 

A mais recente é o ERFANDEL® (erdafitinibe), da Janssen, farmacêutica da Johnson & Johnson, primeira terapia alvo aprovada para pacientes que não responderam ou tiveram recaída após tratamento prévio com quimioterapia. 

A expectativa de vida dos pacientes com câncer de bexiga localmente avançado é de 35% em cinco anos, segundo estudos. Caso a enfermidade evolua para a fase metastática, esse número cai para 5%. Cerca de um em cada cinco pacientes com metástase tem uma alteração de FGFR.

"A personalização da medicina está entre as mais modernas abordagens no tratamento oncológico e consiste em oferecer terapias individualizadas de acordo com o perfil de cada paciente, que poderá ter grandes benefícios, após avaliação da expressão ou não de certos receptores, mutações ou marcadores moleculares", conclui o Dr. Hamilton.

O urologista reforça ainda que escolha do tratamento deverá ser feita sempre por um médico, que se baseará nas características do tumor e nas particularidades dos pacientes para determinar a melhor opção para cada indivíduo.

Fonte: Folha Vitória

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive