Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Conheça os direitos das mulheres em relação ao câncer de mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 06/09/2019 - Data de atualização: 06/09/2019


Poucas mulheres sabem do direito, garantido por lei, de fazer a reconstrução mamária junto com o procedimento de mastectomia. Foto: Piepie/Pixabay

Os direitos das mulheres antes e depois do câncer de mama foi tema de um painel promovido pelo Instituto Avon, nesta quarta-feira, 4, durante o 6º Congresso Todos Juntos Contra o Câncer. A apresentadora Ana Furtado mediou a conversa que contou também com a presença da psico-oncologista Luciana Holtz, presidente do Instituto Oncoguia, e da deputada federal Silvia Cristina, líder da frente parlamentar mista em prol da luta contra o câncer.

Ana Furtado disse que não conhecia muitas das leis que garantem, por exemplo, a realização de exames de detecção. No início de sua apresentação, ela contou, pela primeira vez diante de uma plateia, sua experiência com o câncer de mama. Segundo ela, a doença foi "um grande professor". Confira o depoimento completo da apresentadora aqui.

Durante o painel, Luciana Holtz e Silvia Cristina destacaram leis fundamentais que permitem o diagnóstico precoce e o tratamento do câncer de mama. O Instituto Oncoguia disponibiliza uma lista com os direitos dos pacientes com câncer e, abaixo, o E+ listou as principais leis segundo as porta-vozes.

Lei da mamografia
A primeira lei que a psico-oncologista pontuou é a 11.664, de 2008, que determina que o Sistema Único de Saúde (SUS) deve assegurar a realização de exame mamográfico a todas as mulheres a partir dos 40 anos de idade. A legislação engloba também o exame de colo uterino a todas as mulheres que já tenham iniciado sua vida sexual, independentemente da idade. Isso permite o rastreio e a detecção precoce das doenças.

Lei dos três dias
A deputada Silvia Cristina trouxe ao conhecimento a recente lei 13.767, aprovada em dezembro de 2018, que permite a homens e mulheres se ausentar do trabalho, sem prejuízo no salário, por até três dias em cada 12 meses trabalhados para a realização de exames de detecção de câncer. A medida só vale se a ausência for comprovada. “Está sancionada, foi incorporada na CLT [Consolidação das Leis do Trabalho]. Eles saem esses três dias e não é descontado dos salários”, disse a parlamentar. 

Embora a lei não especifique, a comprovação pode ser feita por meio de atestado fornecido pelo laboratório ou pelo médico. O empregador não pode exigir o resultado do exame, pois o documento é sigiloso e deve ser mantido entre médico e paciente. “É extremamente importante [a lei dos três dias], porque a gente sempre deixa para depois. O diagnóstico precoce é muito mais importante do que cuidar depois”, disse Silvia.

Lei dos 60 dias
Uma lei de importância para qualquer tipo de câncer é a de número 12.732, que afirma que a pessoa deve iniciar o primeiro tratamento no SUS no prazo de até 60 dias contados a partir do dia da assinatura do laudo. “Se der para ser antes, melhor”, diz Luciana. Caso essa lei não seja cumprida, o Instituto Oncoguia orienta procurar a Secretaria de Saúde do município, pois os fluxos e regulação dos serviços são organizados localmente.

Caso o órgão não resolve o problema, uma alternativa é acionar a Justiça por meio da Defensoria Pública, Ministério Público, Ordem dos Advogados do Brasil para assistência judiciária gratuita ou o Sistema dos Juizados Especiais. Há também a possibilidade de contratar um advogado particular. Para seguir por esse caminho, a pessoa deve apresentar RG, CPF, comprovante de residência, cartão do SUS, laudo do exame patológico e relatório médico contendo a identificação da doença e descrição detalhada do tratamento, nível de urgência e consequências do não atendimento. Veja mais detalhes aqui.

Lei da reconstrução mamária
Outra legislação favorável às mulheres é a lei 12.802 que garante reconstruir a mama no mesmo procedimento cirúrgico da mastectomia quando houver condições técnicas e clínicas. No ano passado, a lei completou cinco anos, mas o número de procedimentos praticamente não sofreu alteração. Muitas mulheres deixam de colocar a prótese por falta de informação ou, até mesmo, por falta de material cirúrgico.

Ciente desse direito, é importante que a mulher solicite o agendamento da cirurgia de reconstrução no local do tratamento para fazer valer a lei. Ela deve ser cumprida tanto no SUS quanto pelos planos de saúde. Tiago Matos, diretor de advocay do Instituto Oncoguia, afirma que na rede privada o procedimento pode ser mais fácil.

“O próprio cirurgião vai ajudar nesse encaminhamento para o [cirurgião] plástico. No SUS, muitas vezes tem fila de espera grande”, diz o especialista. Se a mulher já encerrou o tratamento e não fez a reconstrução, ela pode ir até uma Unidade Básica de Saúde e solicitar o encaminhamento.

Lei que garante tratamento oral
Se o tratamento for feito por planos de saúde, Luciana destaca a lei 9.656 que garante o tratamento sistêmico oral fora do ambiente hospitalar. Para isso, é preciso que os medicamentos estejam no rol de procedimentos da Agência Nacional de Saúde (ANS). Caso o plano de saúde negue o fornecimento da medicação, Matos orienta entrar em contato com a ANS, por telefone ou site, que notificará a seguradora de saúde. Se em um prazo de cinco ou dez dias (dependendo do motivo na negativa) não houver resolução, o plano de saúde é penalizado.

Para garantir todas essas leis, a presidente do Oncoguia aconselha que a população monitore os políticos envolvidos nas tramitações e contem com o apoio de organizações que lutam por esses direitos. Daniela Grelin, diretora executiva do Instituto Avon, reforçou a importância das leis no diagnóstico precoce ao mencionar a questão financeira. “Os custos [com o tratamento do câncer de mama] poderiam ser largamente mitigados se setor público e privado trabalhassem unidos pelo acesso ao diagnóstico precoce”, disse.

Um estudo realizado pela empresa, em parceria com o The Economist, revelou que o prejuízo econômico do câncer de mama para o município de São Paulo está na ordem de R$ 880 milhões. Isso inclui R$ 861 milhões de custos com tratamentos e R$ 19,5 milhões referentes ao impacto causado no mercado de trabalho por conta de abstenções e mortalidade prematura das mulheres diagnosticadas.

Matéria publicada em:

  • Estadão em 05/09/2019.
  • Terra em 05/09/2019.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive