Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Conheça as 13 prioridades que projeto internacional contra o câncer irá trabalhar na Capital

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 09/09/2019 - Data de atualização: 09/09/2019


Apontar os problemas, sugerir soluções e melhorar o diagnóstico e o tratamento do câncer em Porto Alegre são algumas das principais metas do projeto City Cancer Challenge (C/Can), que selecionou a capital gaúcha como a primeira representante brasileira da iniciativa.

Idealizado pela União Internacional de Controle do Câncer (UICC), o C/Can divulgou, na quinta-feira (5), os resultados da avaliação feita sobre a cidade, onde 13 prioridades foram definidas para trabalho (confira abaixo). 

O anúncio foi feito durante o Congresso Todos Juntos Contra o Câncer, que aconteceu em São Paulo. Com enfoque multissetorial, que envolve sociedades médicas, hospitais, academia, grupo de pacientes, governos locais e sociedade civil, o projeto tem como grande desafio reduzir em 25% a mortalidade por todos os tipos de câncer no município até 2030. Para isso, desde abril grupos de trabalho se reúnem para discutir e debater quais são as necessidades e as prioridades da Capital.  

— Através de questionários respondidos por instituições, sociedade, pacientes e grupos de pacientes, identificamos 88 gargalos. O Comitê Executivo elencou as 13 prioridades para trabalhar em Porto Alegre. Nossa intenção é fortalecer o sistema de saúde. Não só o público como o privado — explicou Maira Caleffi, presidente voluntária da Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) e chefe do setor de Mastologia do Hospital Moinhos de Vento.  

— Cada projeto tem uma abordagem diferente. Uns lidam com o acesso que os pacientes têm ao tratamento, outros estão ligados a pesquisas clínicas e uso de linhas de tratamento quimioterápico — completa a enfermeira Tatiana Breyer, coordenadora do plano de atividades do C/Can em Porto Alegre.
Uma cidade-aprendizado

Passada a etapa de identificação dos desafios, o próximo passo, que se estende até dezembro, é delimitar as ações para cada um desses 13 projetos: estipular cronogramas, prazos, o que será feito em qual momento etc. Em janeiro, essas definições começam a ser implantadas na tentativa de modificar o desfecho da doença na Capital.

— Precisamos preparar a cidade para atender o paciente oncológico, que, hoje, está no mesmo patamar das doenças cardiovasculares — afirma Tatiana.

Priorizando os tumores mais frequentes em Porto Alegre — que são de mama, próstata, intestino, pulmão e tumores líquidos nas crianças e nos adultos (leucemias) — o projeto pretende ampliar e melhorar o acesso e tratamento às demais neoplasias. 

Além disso, a ideia é que a Capital se torne uma “cidade-aprendizado”, servindo de modelo e replicando o conhecimento para outras partes do Estado e país. Além de Porto Alegre, também fazem parte do C/Can, Kigali (Ruanda), Kumasi (Gana), Yangon (Mianmar), Tbilisi (Georgia), Cali (Colômbia) e Assunção (Paraguai).  

Confira as 13 prioridades elencadas pelo projeto
1. Melhorar o acesso (antes e depois do diagnóstico) e reduzir o abandono do tratamento
2. Ampliar informações e educação do paciente relacionadas à doença e ao tratamento
3. Reforçar a capacidade dos bancos de sangue para o fornecimento sustentável de sangue e componentes sanguíneos
4. Melhorar a qualidade e rastreabilidade dos laboratórios de patologia
5. Melhorar o acesso a diagnóstico por imagem de qualidade
6. Garantir acesso a terapias oncológicas essenciais
7. Expandir e integrar os cuidados paliativos com a rede de atenção primária e com hospitais secundários
8. Aumentar acesso e cobertura a técnicas de diagnóstico e tratamento
9. Aumentar a interoperabilidade na rede de cuidados oncológicos da cidade
10. Aumentar o acesso à gestão de cuidados de câncer de qualidade (MDT, diretrizes e protocolos de tratamento)
11. Melhorar a vigilância do câncer e a utilização de dados na cidade
12. Desenvolver capacidades de recursos humanos
13. Desenvolver a capacidade da cidade para assegurar financiamento de projetos para cuidados do câncer

Fonte: Zero Hora

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive