Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Congresso aprova texto que libera R$ 63 milhões para fármacos usados no tratamento de câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 08/10/2021 - Data de atualização: 08/10/2021


O Congresso aprovou nesta quinta-feira (7) o projeto que libera R$ 63 milhões para a Comissão Nacional de Energia Nuclear para a produção e fornecimento de radiofármacos, insumos utilizados no tratamento de câncer.

A aprovação ocorre depois de o Instituto Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), órgão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), do governo federal, paralisar, no mês passado, a produção de radiofármacos e radioisótopos por falta de verbas.

Na ocasião, o órgão afirmou que houve um grande corte no orçamento federal em 2021 e que precisaria de R$ 89,7 milhões para continuar a produção dos insumos até o fim deste ano, por causa da alta do preço do dólar para importação de material.

Segundo a Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN), o Ipen fornece 85% dos radiofármacos e radioisótopos utilizados no país, e a suspensão da produção pode afetar cerca de 2 milhões de pessoas.

O texto foi aprovado, primeiramente, pelos deputados e, na sequência, pelos senadores, em reuniões separadas em razão da pandemia. A proposta vai à sanção presidencial.

A deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC) lamentou, durante a votação, que não é possível “recuperar o tempo perdido” dos pacientes que tiveram seus tratamentos suspensos.

"Quero lamentar, em nome de todos os brasileiros e brasileiras que não puderam fazer o tratamento de seus familiares, a tristeza que viveram pela falta do tratamento. Que isso não venha mais a acontecer, não por falta de orçamento. E quero pedir ao governo que não deixe mais episódios como esse acontecerem", disse.

Créditos de R$ 2,7 bilhões

Também nesta quinta, deputados e senadores aprovaram outros dois projetos que liberam créditos para ministérios e diversos órgãos do governo.

Ao todo, foram abertos R$ 2,7 bilhões em créditos. Cerca de R$ 1 bilhão vai para o Ministério da Infraestrutura, para a realização de obras em estradas, sob a responsabilidade do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

“Foi R$ 1 bilhão para o DNIT. Por que não vai para combater a política contra a fome que está atingindo milhões de brasileiros? Não há uma explicação plausível”, questionou o deputado Ivan Valente (PSOL-SP).

Os recursos têm origem em cancelamentos de outras programações anteriormente previstas no Orçamento e de pontuais aumentos de arrecadação do governo.

Nesse mesmo projeto, estão previstos recursos para o Ministério de Minas e Energia, para a atualização no parque fabril das Indústrias Nucleares do Brasil (INB) e para o Fundo Nacional de Saúde.

A outra proposta destina R$ 944 mil para a Justiça Eleitoral, para doações ao Instituto Internacional para a Democracia e Assistência Eleitoral, entre outras. Os textos também vão à sanção presidencial.

Recursos do FNDCT

Um dos projetos aprovados prevê a distribuição de quase R$ 700 milhões do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) para uma série de áreas - por exemplo, para bancar obras pelo país.

Técnicos do Congresso veem no movimento mais um “drible” nas regras fiscais, uma vez que uma lei complementar, aprovada no ano passado, proíbe o bloqueio de recursos do FNDCT. Hoje, a reserva de contingência do fundo tem cerca de R$ 2,7 bilhões.

Os repasses só foram possíveis após a aprovação na semana passada pelo Congresso de um projeto que permite a reserva de contingência do saldo remanescente do fundo. Segundo esses técnicos, a medida é "flagrantemente irregular", uma vez que um projeto de lei ordinária não poderia alterar uma lei complementar.

Líder do PSDB no Senado, Izalci Lucas (DF), autor da proposta que impede o contingenciamento de recursos do FNDCT, afirmou ter feito um acordo com o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO), para que os valores retirados do fundo sejam repostos na análise de outros projetos de lei pelo Congresso.

“Nós fechamos um acordo e espero que haja cumprimento. Nós não vamos votar nenhum projeto, daqui para a frente, se não fizer a reposição desses R$ 690 milhões”, disse o tucano.

Fonte: G1



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive