Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Como prevenir o câncer de mama, doença que matou Kelly Preston

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/07/2020 - Data de atualização: 16/07/2020


A atriz americana Kelly Preston, que participou de filmes como "Jerry Maguire" e "Irmãos Gêmeos", morreu aos 57 anos, vítima de câncer de mama, após dois anos lutando contra a doença. O anúncio foi feito pelo seu marido, o ator John Travolta.

O que causa o câncer de mama?

Certas mutações genéticas herdadas de um dos pais podem estar por trás do câncer de mama, mas isso não é tão frequente quanto se imagina —apenas 5% a 10% dos casos de câncer de mama são hereditários. A maior parte das mutações no DNA das células são adquiridas ao longo da vida.

Veja, a seguir, alguns fatores de risco conhecidos que podem aumentar a probabilidade de ter um câncer de mama. Mas, lembre-se: contar com um ou mais deles não quer dizer que você certamente terá a doença.

Fatores não evitáveis:

  • Gênero: as mulheres têm uma propensão bem mais elevada ao câncer de mama que os homens. Sabe-se que o hormônio feminino tem um papel relevante em muitos casos;
  • Idade: a maioria dos casos ocorre a partir dos 50 anos. Quanto maior a idade, maior a probabilidade de adquirir mutações genéticas;
  • Etnia: mulheres brancas são ligeiramente mais propensas a ter câncer de mama do que as de outras etnias. Porém, existe um tipo de câncer mais agressivo que é mais diagnosticado em negras;
  • Exposição ao estrogênio: mulheres naturalmente expostas a uma quantidade maior de estrogênio ao longo da vida --como aquelas que tiveram a primeira menstruação antes dos 12 anos, a menopausa após os 55 anos, a primeira gravidez após os 30 anos e/ou não tiveram filhos -- têm uma probabilidade maior;
  • Doenças benignas: em geral, cistos, fibroses, calcificações e tumores benignos não parecem afetar o risco de câncer de mama. Já lesões proliferativas (em que há crescimento excessivo de células), como a hiperplasia ductal atípica ou lobular atípica, podem aumentar o risco consideravelmente
  • Herança genética: uma das causas mais comuns de câncer de mama hereditário (que corresponde a 5% a 10% de todos os casos) é a mutação nos genes BRCA1 e BRCA2, também associada ao câncer de ovário. Nas famílias que herdam o BRCA1, o risco ao longo da vida pode chegar a 80%. Já nas que têm o BRCA2, é de aproximadamente 45%. O acompanhamento dessas pacientes deve ser mais próximo e uma cirurgia preventiva pode ser indicada;
  • Exposição à radiação ionizante: são fatores de risco a radioterapia na região torácica (especialmente quando feita em idade precoce) e até mesmo a realização excessiva e desnecessária de exames de imagem;
  • Densidade da mama: mulheres com mamas densas têm risco mais elevado, o que pode ser influenciado por fatores genéticos, idade e ocorrência de gravidez;

Fatores modificáveis:

  • Terapia de reposição hormonal (TRH) após a menopausa: o risco é maior entre usuárias, especialmente quando por tempo prolongado. Nas mulheres que tiveram o útero removido e, portanto, fazem apenas a reposição com estrogênio, o risco parece aumentar apenas após 10 anos de uso. É por isso que mulheres submetidas à terapia devem ser bem acompanhadas pelo médico, e quem já teve câncer ou tem casos na família deve evitá-la. Vale lembrar que a suplementação com fitoestrogênios também deve ser supervisionada pelo médico;
  • Ingestão de bebida alcoólica: mulheres que consomem mais de uma dose de álcool por dia ou que exageram regularmente têm risco mais alto;
  • Sobrepeso e obesidade: a adiposidade interfere nos hormônios e, portanto, pode ter um papel importante para o câncer de mama;
  • Tabagismo: há alguma evidência de que fumar também aumenta esse tipo de câncer;
  • Pílula anticoncepcional: o uso é considerado fator de risco pela Iarc (Agência Internacional de Pesquisa em Câncer) da OMS (Organização Mundial da Saúde). Segundo o Inca, estudos sobre o tema têm resultados contraditórios;
  • Dieta: alguns estudos condenam o consumo excessivo de carne vermelha e processada
  • Produtos químicos: muitas pesquisas têm sido feitas para avaliar o papel de substâncias químicas nesse tipo de câncer, mas ainda não há resultados claros.

Como prevenir o câncer de mama

A melhor maneira de se evitar a doença é:

  • Controlar o peso;
  • Praticar atividade física regular;
  • Evitar bebidas alcoólicas;
  • Evitar a terapia de reposição hormonal por mais de cinco anos;

De acordo com o Ministério da Saúde, estima-se que por meio da alimentação, nutrição e atividade física é possível reduzir em até 28% o risco de a mulher desenvolver câncer de mama. No entanto, muitas mulheres ainda relutam em mudar os hábitos.

"Nenhuma vez eu disse à uma paciente que ela precisaria fazer quimioterapia, que perderia cabelo por isso e ela se opôs. Elas entendem que é o preço. Mas quando digo que precisam fazer atividade física e mudar de estilo de vida, elas têm muita dificuldade em adotar as recomendações", explica Marina Sahade, oncologista do Hospital Sírio Libanês.

Detecção precoce

O Ministério da Saúde não recomenda mais o autoexame das mamas como método de rastreamento. A orientação é que a mulher realize a autopalpação/observação das mamas sempre que se sentir confortável para tal —seja no banho, seja na troca de roupa, seja em outra situação. Sempre que houver alguma alteração suspeita, deve-se procurar esclarecimento médico. Em outras palavras, conhecer a própria mama e ficar atenta a eventuais alterações é o mais importante para evitar um diagnóstico tardio.

Além disso, é importante que as mulheres consultem o ginecologista ao menos uma vez por ano —ou mais, se necessário —, para que o profissional realize a palpação da mama e solicite exames de imagem, se necessário. A Sociedade Brasileira de Mastologia indica que a mamografia seja feita regularmente a partir dos 40 anos. Já o Inca e o Ministério da Saúde recomendam a realização do exame apenas a partir dos 50 anos, para evitar o risco de falsos-positivos e cirurgias desnecessárias.

Fonte: VivaBem Uol

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive