Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Como preservar a fertilidade em pacientes com câncer de mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 22/10/2021 - Data de atualização: 22/10/2021


Mais da metade das mulheres abaixo dos 40 anos e com câncer de mama se preocupa com as chances de engravidar futuramente. A ansiedade não é à toa. Embora os tratamentos oncológicos atuem principalmente contra as células tumorais, a fertilidade pode ser afetada no processo. A quimioterapia e a radioterapia, por exemplo, estão associadas a disfunções nos ovários e no desencadeamento de uma menopausa precoce.

Os quimioterápicos do grupo dos agentes alquilantes reduzem em até 90% a densidade folicular — ou a quantidade de folículos por unidade de volume de tecido ovariano — 48 horas após o uso dos medicamentos, segundo a ginecologista especialista em reprodução humana Larissa Matsumoto, da Sociedade Paulista de Ginecologia e Obstetrícia (SOGESP) e da American Society for Reproductive Medicine (ASRM). Isso acontece ainda que a paciente volte a menstruar.

Mesmo sem existir um número exato da incidência de infertilidade após o tratamento de câncer, a especialista ressalta que de 30% a 40% das pacientes com menos de 40 anos submetidas a quimioterapia contra o tumor na mama entrarão em menopausa precoce.

Há, no entanto, medidas para preservar o sistema reprodutor e conservar os óvulos sem prejudicar o tratamento. O importante é buscar apoio. Menos de 25% das pacientes recebem orientações para procurar especialistas em reprodução assistida, segundo Larissa.

Técnicas para preservar a fertilidade

O congelamento de óvulos é uma das opções. Estimulantes injetáveis de ovulação são aplicados diariamente e, ao final do processo, os óvulos são coletados.

“O uso desses estimuladores permite o congelamento de vários óvulos ao mesmo tempo. A coleta é feita por via transvaginal, guiada por ultrassonografia e sob sedação. Leva cerca de 30 minutos e não requer internação hospitalar”, explica Oscar Duarte, ginecologista e membro do European Society of Human Reproduction and Embryology.

Esse procedimento deve ser feito logo após o diagnóstico e antes do início do tratamento com quimio ou radioterapia. Quem definirá o melhor momento será o médico oncologista. O processo leva, em média, 15 dias para ser iniciado e pode ocorrer em qualquer fase do ciclo menstrual.

A segunda técnica mais utilizada é o congelamento de embriões, no qual são usados o sêmen do parceiro ou de um banco de esperma. O crescimento dos folículos é acompanhado por meio de ultrassom e os óvulos captados podem ser congelados (congelamento de óvulos) ou fertilizados (congelamento de embriões).

Também é possível fazer a captação de óvulos imaturos. O método, embora disponível, é pouco utilizado — suas taxas de sucesso são menores em relação aos demais procedimentos. Por outro lado, a captação não exige a estimulação do ovário.

Outra possibilidade é o congelamento do tecido ovariano. A retirada é via laparoscopia, uma técnica cirúrgica minimamente invasiva feita por pequenas incisões na região abdominal. A estrutura é retirada e congelada para, quando a paciente desejar engravidar, ser reimplantada.

A opção por estratégias do tipo exige uma discussão com profissionais, que avaliarão cada caso individualmente. Até porque nem todas as pacientes precisarão passar por técnicas assim.

O descongelamento dos óvulos ou embriões e o início da fertilização somente ocorrerão depois da liberação do oncologista e da recuperação total da mulher.

(Fonte: Agência Einstein)

Fonte: IstoÉ



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive