Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Comitê Científico-Técnico da FEMAMA diz que pacientes com câncer devem ser prioridade na vacinação contra a Covid-19

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/01/2021 - Data de atualização: 15/01/2021


Depois de meses de espera e incertezas, a vacina contra a Covid-19 finalmente começa a se tornar realidade no Brasil, com início da vacinação prevista para meados de fevereiro de 2021. No primeiro momento, serão priorizados grupos específicos, mais expostos a riscos de desenvolver a forma grave da doença causada pelo novo coronavírus, como profissionais de saúde e pessoas acima de 60 anos.

Entretanto, a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (FEMAMA), alerta para uma questão deixada de lado pelo Ministério da Saúde: pacientes com câncer ativo ou em tratamento com drogas imunossupressoras também deveriam ser incluídos no grupo prioritário para a vacinação contra a Covid-19.

Estudos internacionais, como o publicado pela Associação Americana pela Pesquisa do Câncer (artigo: Prioridade na vacinação de Covid-19 para pacientes com câncer enquanto o suprimento de vacina é limitado), e o posicionamento da Sociedade Espanhola de Oncologia Médica trazem dados que mostram que pacientes em tratamento de câncer ativo e aqueles com casos avançados da doença, especialmente câncer de pulmão e neoplasias hematológicas, têm maior risco de desenvolver a forma grave da Covid-19 e maior índice de mortalidade.

Esses pacientes, que precisam continuar o tratamento oncológico mesmo durante a pandemia já que o câncer não faz quarentena, também estão mais expostos a risco, por conta das necessárias e constantes visitas a unidades de saúde. A exposição ao vírus pode diminuir a resposta imunológica natural do organismo desses pacientes.

Na pesquisa dos EUA, os resultados da infecção por SARS-CoV-2 em pacientes com câncer em comparação a pacientes sem câncer mostrou uma grande variação na taxa de letalidade, apontando o dobro do risco quando as doenças são combinadas. Em pacientes com câncer, a taxa variou entre 21% e 28%; já em pacientes sem câncer, ficou entre 9% e 14%. Alguns tipos de câncer apresentam uma letalidade ainda mais alta. Em um único hospital de Nova Iorque, por exemplo, a letalidade em pacientes com neoplasias hematológicas foi de 37% enquanto em pacientes com câncer sólido ficou em 25%, de acordo com o estudo.

Ainda não há dados suficientes para avaliar as interações entre tratamento oncológico ativo e a capacidade de induzir imunidade protetora ao Covid-19 com vacinação e nem o momento do ciclo de tratamento em que é preferível administrar a vacina, mas as evidências disponíveis até o momento de que as vacinas podem fornecer maiores níveis de anticorpos neutralizantes do que a infecção por SARS-CoV-2 em um número substancial de pacientes, indicam a importância de incluir pacientes oncológicos nos grupos prioritários da vacinação.

Avaliando estudos recentes do mundo todo e adaptando para a realidade do Brasil, o Comitê Científico-Técnico da FEMAMA entende que a prioridade, na vacinação, deve ser de pacientes com câncer em tratamentos imunossupressores, não se enquadrando pacientes com histórico de câncer que não estão em tratamento e não têm câncer ativo.

“Há mais de 14 anos, a FEMAMA luta não só por maior acesso ao diagnóstico ágil e tratamento eficaz para pacientes com câncer de mama, mas também por todos os pacientes oncológicos e não poderia ser diferente em um momento tão desafiador, onde a saúde do país virou campo de batalha político”, pontua a Dra. Maira Caleffi, mastologista e presidente voluntária da FEMAMA.

Em 2020, a entidade, responsável por trazer o Outubro Rosa de forma organizada para o Brasil em 2008, pontuou a falta de atuação do Ministério da Saúde na gestão da oncologia no país, especialmente em um momento de crise. Leis que deveriam estar em pleno funcionamento – como a Lei dos 30 Dias, que garante o diagnóstico de câncer pelo SUS em até 30 dias – não têm ações coordenadas e nem fiscalização por parte do Governo Federal, que repassa a responsabilidade para estados e municípios.

Para as vacinas contra a Covid-19, na avaliação do comitê da FEMAMA, todos métodos de imunização que estão nas fases finais de estudo e aprovação no Brasil parecem seguros e são indicados. “Hoje, não há evidências de que a imunoterapia contra o câncer aumente as complicações de qualquer administração anterior de vacina viral”, afirma Dra. Daniela Rosa, oncologista e vice-presidente do Comitê Científico-Técnico da FEMAMA. “Assim como em outras infecções virais, as vacinas de vírus vivo ou atenuado são contraindicadas para pacientes oncológicos. Vacinas recombinantes inativadas, subunidades proteicas e de ácido nucleico, como DNA ou RNA, podem ser administradas com segurança”, completa.

Sobre a FEMAMA

A Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama é uma organização sem fins econômicos que trabalha para reduzir os índices de mortalidade por câncer de mama em todo o Brasil, lutando por mais acesso a diagnóstico e tratamento ágeis e adequados. Com foco em advocacy, a instituição busca influenciar a formação de políticas públicas para defender direitos de pacientes, ao lado de mais de 70 ONGs de apoio a pacientes associadas em todo o país. Conheça o trabalho da FEMAMA: femama.org.br

Fonte: Edelman Assessoria de Imprensa

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive