top
Profissionais

Colunistas


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Combatendo os Distúrbios de Sono com Exercício Físico

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/02/2016 - Data de atualização: 24/02/2016


Outro efeito indesejado causado pelo tratamento anticâncer é a ocorrência e/ou agravamento de distúrbios no sono. Tendo impacto negativo na qualidade de vida, esta situação acomete aproximadamente metade dos pacientes em tratamento, podendo chegar a quase 70% em pacientes com quadros mais severos da doença. Dentre os distúrbios relatados, a apneia e a insônia são os mais prevalentes e podem ser agravados com o prolongamento no tratamento.

Uma das possíveis explicações para este fenômeno é a alteração do ciclo circadiano. Este ciclo representa o período de 24 horas no qual se completam as atividades biológicas do corpo humano. Dentre as funções reguladas por ele, podemos citar os ajustes do apetite, do sistema imunológico e do sono. Em pacientes com câncer, evidências apontam para a alteração de várias destas funções, incluindo mudanças no ritmo endócrino (cortisol, melatonina e da secreção de prolactina), nos processos metabólicos (temperatura corporal) e no sistema imunológico (concentrações de leucócitos e neutrófilos circulantes).

Dentre vários estudos publicados sobre o assunto, cito duas importantes pesquisas que avaliaram os efeitos do exercício nas funções listadas acima e o seu impacto direto na qualidade do sono dos pacientes. O primeiro, publicado em 2008, pesquisadores da Universidade de Duke, Carolina do Norte (E.U.A.), realizaram um protocolo de caminhada em 20 mulheres diagnosticadas com câncer de mama recebendo tratamento hormonal. Após as 12 semanas de intervenção, quando comparadas com o grupo que não treinou, os escores do questionário PSQI - específico para avaliar qualidade do sono - reduziram de forma significativa, assim como a movimentação corporal durante o sono, medida feita por um acelerômetro preso ao punho. Vistos em conjunto, estes achados indicam forte atenuação nos sintomas causados pelos distúrbios do sono e podem se relacionar ao aumento significativo dos níveis de serotonina, proteína responsável por controlar a liberação de diversos hormônios e regular o ciclo circadiano, encontrado apenas nas mulheres que caminharam.

Na segunda pesquisa, a pesquisadora Lisa K. Sprod, em 2010, investigou o efeito do exercício na dinâmica de moléculas (citocinas IL-6, TNF-α e sTNF-R) ligadas à modulação do sono em 38 pacientes que estavam iniciando o tratamento radioterápico para câncer de próstata ou mama. Depois de 4 semanas de realização de um protocolo diário de treinamento de força (musculação) e caminhada, ambos com intensidade moderada, estes pacientes obtiveram valores significativos associados a melhora da qualidade do sono, também avaliado pelo questionário PSQI, e das TNF-α e IL-6, quando comparados ao grupo sedentário. A autora associa de forma positiva estes achados, evidenciando o papel regulador do exercício nestas citocinas com consequente redução nos distúrbios do sono.

Vale ressaltar que estas pesquisas relacionam variáveis biológicas com a qualidade do sono, porém, fatores psicológicos como a ansiedade e depressão também são preponderantes. Olhar apenas para hormônios e citocinas pode não ser suficiente para promover a melhora do quadro. Contudo, a realização diária de exercícios, caminhada e musculação com intensidades moderadas, apresenta-se como uma ferramenta promissora na atenuação dos distúrbios do sono causados pelo tratamento.

Lembre-se de consultar o médico responsável pelo seu tratamento antes de praticar exercícios.

Referências dos artigos citados:

  • Payne, Judith K., et al. "Effect of exercise on biomarkers, fatigue, sleep disturbances, and depressive symptoms in older women with breast cancer receiving hormonal therapy." Oncology nursing forum. Vol. 35. No. 4. 2008.
  • Sprod, Lisa K., et al. "Exercise, sleep quality, and mediators of sleep in breast and prostate cancer patients receiving radiation therapy." Community oncology 7.10 (2010): 463.

Até a próxima...
Rodrigo Ferraz


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive