Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Combate à obesidade é ferramenta fundamental contra Câncer Ginecológico

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/09/2020 - Data de atualização: 24/09/2020


Setembro é também o mês de conscientização do Câncer Ginecológico, que inclui câncer do colo de útero e de ovário, além dos tumores de endométrio, vagina e vulva.

Meu alerta nesta semana é, sobretudo, a respeito da obesidade e sedentarismo como fatores de risco para o desenvolvimento destes e de outros tipos de tumores. Trata-se do segundo principal fator de risco para o desenvolvimento de câncer, atrás apenas do tabagismo, de acordo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Entre os inúmeros estudos epidemiológicos relacionando a obesidade ao aparecimento de câncer, um mais recente, da União Internacional de Controle do Câncer, comprovou a relação direta entre obesidade e câncer. Ele estima que 30% dos casos da doença nos países ocidentais estejam relacionados ao sedentarismo e ao excesso de peso.

No Brasil, mais de 80 milhões de pessoas, ou seja, cerca de 60% da população, estão com excesso de peso, enquanto 15 milhões são consideradas como obesas. Conforme dados do Vigitel de 2018, as mulheres apresentaram taxa de obesidade ligeiramente maior, com 20,7%, em relação aos homens, 18,7%. Também foi registrado crescimento considerável de excesso de peso entre as mulheres brasileiras: 40%, contra os 21,7% entre o público masculino.

Por que obesidade causa câncer?

As hipóteses que justificam a associação de câncer e obesidade se sustentam em quatro pilares: causas hormonais, processo inflamatório crônico, erro alimentar e causas diretas.

Hormônios - Nas causas hormonais, o excesso de tecido gorduroso leva a um aumento da quantidade de estrógeno circulante, que por sua vez está ligado ao aumento de incidência de tumores, como os de mama, útero e intestino. As pesquisas também sinalizam nos obesos um aumento da quantidade de uma substância denominada de IGF (fator insulina-símile), responsável pelo crescimento e multiplicação celulares.

Processo inflamatório crônico - Por outro lado, o excesso de gordura nos adipócitos (células gordurosas do corpo) provoca um processo inflamatório crônico, que por sua vez libera continuamente substâncias tóxicas e indutoras de inflamação e cânceres nas células normais.

Alimentação - Já a alimentação deve ser um dos pontos de maior atenção para se evitar os efeitos cumulativos da obesidade como fator de desenvolvimento de cânceres. Carnes artificialmente conservadas especialmente as salgadas e defumadas, como a carne de sol e o bacon, além das processadas, enlatadas e embutidas causam câncer de estômago, cólon, esôfago e possivelmente pâncreas.

A única forma considerada segura de conservação da proteína animal para a saúde é a refrigeração. A conservação química provoca uma transformação do nitrato em nitrito e, posteriormente, já organismo, do nitrito em nitrosamina, que por sua vez é um poderoso agente cancerígeno. Uma dieta rica em calorias, gordura saturada, gorduras trans e proteína animal e pobre em fibra vegetal, verduras legumes e frutas é relacionada ao surgimento de tumores de mama, endométrio, próstata, intestino grosso e vesícula biliar.

Causa direta – A obesidade contribui para o aumento do volume do abdômen e aumenta o refluxo de ácido gástrico para o esôfago. Essa é uma causa direta que está associada a maior incidência de câncer na porção final do esôfago, canal que liga a faringe com o estômago.

Tecido Adiposo e Carcinogênese

Estudos baseados na análise de amostras clínicas e modelos de camundongos enfocam o papel das células do tecido adiposo no envelhecimento e no aparecimento de doenças em pessoas saudáveis. Descobriu-se o fenômeno da mobilização e tráfico de células adiposas para tumores e o efeito estimulador das células estromais adiposas na progressão do câncer. O corpo humano tem essencialmente dois tipos de tecido adiposo: branco e marrom. Nascemos com principalmente adipócitos marrons, cheios de mitocôndrias, que queimam energia e produzem calor que nos defende contra hipotermia, obesidade e diabetes.

À medida que envelhecemos e ganhamos peso, começamos a perder nossas células adiposas marrons e aumentamos o número de células adiposas brancas armazenadoras de lipídios. Se você ingere excesso de calorias, os adipócitos brancos aumentam seus estoques lipídicos e aumentam em número.  Com isso, há também um aumento no risco de várias doenças, sendo uma delas o câncer.

Atividade física e redução do risco de câncer

Os estudos demonstram que, independentemente da massa corpórea, mulheres e homens ativos fisicamente apresentam risco mais baixo de desenvolver alguns dos tipos mais prevalentes de câncer da espécie humana: câncer de mama, de próstata e de cólon.

Uma meta-análise, com 19 pesquisas, sobre a relação entre atividade física e o aparecimento de câncer de cólon demonstrou que mulheres ativas apresentam risco 29% menor de desenvolver a doença do que as sedentárias. E que, entre os homens ativos, o risco é 22% mais baixo.

Com estes dados, podemos afirmar que a prática de exercícios físicos regulares não só é fundamental para o processo de perda de peso, como para a prevenção direta de vários tipos de câncer. Diversos mecanismos biológicos podem ser evocados para explicar o efeito protetor do exercício na evolução de tumores malignos. Os mais aceitos consideram que o trabalho muscular reduz os níveis sanguíneos de insulina e de certos fatores de crescimento liberados pelo tecido adiposo, capazes de estimular a multiplicação das células malignas.

Reduzir em 50% a probabilidade de morrer de câncer de mama ou de intestino, pela adoção de um estilo de vida mais ativo, é um resultado inacreditável: nenhum tipo de radioterapia ou de quimioterapia – por mais agressiva que seja – demonstrou provocar esse impacto. Recomenda-se a prática regular de exercícios físicos pelo menos 3 vezes por semana com duração de pelo menos 1 hora.

Prevenção e rastreamento precoce do câncer ginecológico

Além do combate à obesidade, a prevenção dos tumores ginecológicos deve incluir a vacinação contra HPV - Papiloma Vírus Humano, o uso de preservativos nas relações sexuais de risco  e o controle de outros fatores de risco ambientais, comportamentais e genéticos, sendo eles:

  • Prevenção e rastreamento precoce do câncer ginecológico
  • Além do combate à obesidade, a prevenção dos tumores ginecológicos deve incluir a vacinação contra HPV - Papiloma Vírus Humano, o uso de preservativos nas relações sexuais de risco  e o controle de outros fatores de risco ambientais, comportamentais e genéticos, sendo eles:
  • Excesso de gordura corporal;
  • Diabetes mellitus;
  • Dietas com elevada carga glicêmica (Carga glicêmica representa a quantidade e a qualidade dos carboidratos. Assim, uma alimentação rica em produtos processados e ultraprocessados aumenta o risco para esse câncer);
  • Hiperplasia (crescimento) endometrial;
  • Falta de ovulação (deixar de ovular) crônica;
  • Uso de radiação anterior para tratamento de tumores de ovário;
  • Uso de estrogênio (hormônio feminino) para reposição hormonal após a entrada na menopausa;
  • Menarca (primeira menstruação) precoce;
  • Menopausa (quando a mulher deixa de menstruar) tardia;
  • Nuliparidade (nunca ter engravidado ou ter tido filhos);
  • Síndrome do ovário policístico;
  • Predisposição genética: ex.: Síndrome de Lynch (câncer de endométrio) e Síndrome de Predisposição a Cânceres de Mama e Ovário por mutações dos genes da família BRCA (1 e 2).

Predisposição genética: ex.: Síndrome de Lynch (câncer de endométrio) e Síndrome de Predisposição a Cânceres de Mama e Ovário por mutações dos genes da família BRCA (1 e 2).

Como oncogeneticista, destaco especialmente esse último item, a predisposição genética, responsável por entre 10 e 15% dos casos de câncer. Para esse grupo de mulheres, é importante a confirmação do diagnóstico da síndrome, possibilitando a elaboração de uma estratégia personalizada para controle dos fatores de risco ambientais e rastreamento precoce. Além da prevenção, a visita anual ao ginecologista, que indicará exames de imagem e biópsias, se for o caso, é fundamental para rastreamento e detecção precoce.

Por fim, devemos sempre lembrar que além de câncer, a obesidade também causa outras doenças importantes como o diabetes, doenças cardiovasculares (como hipertensão arterial, doenças coronárias, infarto do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais e risco aumentados de tromboses), problemas ortopédicos, apneia e outros distúrbios respiratórios, depressão, esteatose hepática, infertilidade e aumento dos níveis de colesterol. Resumindo, o combate à obesidade é uma luta por uma vida saudável de forma ampla. Não há argumento contra isso.

Fonte: Uai

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive