Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Cigarro eletrônico causa câncer? Ajuda a abandonar o vício em fumar?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 22/08/2019 - Data de atualização: 22/08/2019


Se você mora em uma grande cidade brasileira e circula bastante por aí e pela noite, já deve ter visto mais de uma pessoa fumando um cigarro eletrônico; talvez você mesma seja tenha um e o use com frequência. Embora seja proibido no Brasil – a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) barra sua entrada e produção em território nacional –, o cigarro eletrônico não é raro, principalmente entre quem está na casa dos 20 aos 30 anos de idade.

“Não é difícil entrar com um [cigarro eletrônico no Brasil] quando a gente volta dos EUA. Ninguém nota na bolsa, ninguém pergunta o que é. Dá para trazer até mais um ou dois para dar de presente”, diz a estudante de direito Giovanna N*.

Amiga de Giovanna, a microempresária Carla S* acrescenta que os acessórios necessários para continuar usando o cigarro eletrônico, como refis e essências, são fáceis de comprar por aqui mesmo. “Está tudo à venda na internet, com tanta naturalidade, que eu nem sabia que era proibido”, surpreende-se.

Ok, pode ser acessível “por baixo dos panos”, mas a Anvisa não proíbe o cigarro eletrônico à toa: ele é tão perigoso para a saúde quanto o cigarro convencional e tem o agravante de causar dependência muito mais rapidamente. Especialistas esclarecem, a seguir, os detalhes. Vem entender e proteger sua saúde!

Substâncias tóxicas diferentes e MUITA nicotina
Vamos começar pela nicotina: um único pen drive de cigarro eletrônico tem o equivalente dessa substância a quase dois maços de cigarros convencionais. E é a nicotina que age no cérebro para causar dependência ao fumo. Ou seja, o vício vem a galope.

Isso coloca abaixo uma das maiores crenças de quem usa o cigarro eletrônico: a de que ele poderia agir como um auxiliar para abandonar o fumo. “Pelo contrário: o cigarro eletrônico é um dispositivo feito e desenhado para viciar as pessoas em nicotina”, afirma Jacques Tabacof, oncologista e hematologista do CPO (Centro Paulista de Oncologia) do Grupo Oncoclínicas. “Vínhamos vencendo a batalha contra o tabagismo, com campanhas mundiais que reduziram o consumo de tabaco. Mas o cigarro eletrônico causou uma reviravolta nisso”, continua.

Agora vamos à parte mais pesada: os prejuízos ao aparelho respiratório e o potencial cancerígeno. Nos cigarros comuns há centenas de substâncias químicas que causam doenças respiratórias e aumentam o risco de câncer de pulmão, sendo que a mais perigosa é o alcatrão. O cigarro eletrônico não tem a maioria dos elementos químicos convencionais nem alcatrão, mas isso está longe de significar que ele não apresente risco de câncer e de outros males.

Mauro Gomes, diretor da Comissão de Infecções Respiratórias da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia, explica: “O líquido em que a nicotina é diluída nos cigarros eletrônicos, o propilenoglicol, é inofensivo em seu estado natural, mas, quando aquecido, se transforma em formaldeído, que é cancerígeno e associado ao câncer de pulmão.”

Além disso, ele conta que o líquido dos cigarros eletrônicos é carregado de metais pesados que causam doenças respiratórias como fibrose pulmonar e doença pulmonar obstrutiva crônica (conhecida como bronquite crônica e enfisema).

De “light” e inofensivo o cigarro eletrônico não tem nada, saiba! A OMS (Organização Mundial da Saúde) indica o tabagismo, seja via cigarros convencionais ou eletrônicos, como responsável pela morte de cerca de sete milhões de pessoas por ano no mundo – é a maior causa evitável de morte.

Sabemos, é claro, que não é fácil abandonar o vício em qualquer tipo de cigarro. Então, se você ou alguém próximo estiver com vontade de ficar livre dos cigarros, mas estiver encontrando dificuldade, procure ajuda. A abordagem multidisciplinar com médicos pneumologistas e psiquiatras, entre outros, é importante para conseguir sucesso nessa batalha. O SUS (Sistema Único de Saúde) oferece tratamento gratuito para quem quiser parar de fumar de forma segura.

Cigarro eletrônico já é problema de saúde pública nos EUA
Nos EUA, onde a comercialização é liberada, o cigarro eletrônico é considerado um problema de saúde pública. A FDA (Food and Drug Administration, agência que controla e supervisiona a segurança de alimentos, medicamentos, tabaco e produtos ligados à saúde humana e animal) entende o uso do dispositivo como uma epidemia, uma vez que se estima que 20% dos adolescentes do Ensino Médio o usem.

O CDC (Center of Diseases Control and Prevention), por sua vez, acaba de divulgar que está investigando uma nova doença pulmonar associada ao consumo de cigarro eletrônico. Pelo menos 94 pessoas, a maioria adolescentes e jovens adultos, já foram internadas em 14 estados com os mesmos sintomas: dificuldade para respirar, dor no peito, febre, tosse e vômito.

Os médicos ainda não conseguiram identificar se a doença é causada pelo líquido básico com nicotina ou pelas substâncias extras adicionadas para deixá-lo mais interessante (aromatizadores e saborizadores), mas os pacientes têm em comum o fato de serem usuários do cigarro eletrônico.

Fonte: M De Mulher

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive