Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Cigarro continua vilão em casos de impotência, câncer e outros males

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 01/06/2020 - Data de atualização: 01/06/2020


Não bastassem os indícios de que o tabagismo aumenta a propensão a quadros graves de Covid-19, outro importante alerta sobre os malefícios do cigarro saiu há pouco no periódico médico International Brazilian Journal of Urology. Uma pesquisa feita por especialistas da Turquia mostra a conexão entre o vício e a disfunção erétil.

O trabalho concluiu que a capacidade de ter e manter ereção é diretamente proporcional ao nível de exposição ao cigarro e que parar de fumar melhora a função sexual.

Além desse impacto na qualidade de vida, sabemos que o tabagismo eleva o risco de doenças cardiovasculares e tumores não apenas no pulmão. Ele pode aumentar em até 70% a probabilidade de um câncer de bexiga. E o alerta se estende a fumantes passivos.

O cigarro contém mais de 4 mil substâncias, das quais pelo menos 60 são comprovadamente tóxicas. Na sua conta recai a responsabilidade por cerca de 50 doenças, numa lista que ainda inclui hipertensão, AVC e até mesmo morte súbita.

Estima-se que mais de 155 mil mortes por ano no Brasil sejam em razão de problemas causados pelo tabagismo. Como urologista, aproveito o Dia Mundial Sem Tabaco, celebrado no 31 de maio, para apontar pelo menos dois motivos não tão conhecidos para, se for o caso, você finalmente parar de fumar.

Fator de risco para impotência sexual

A disfunção erétil entra em cena quando o homem não consegue manter ereção para uma atividade sexual satisfatória. O tabagismo aumenta a possibilidade de isso acontecer porque suas substâncias nocivas afetam os vasos sanguíneos, aumentam a formação de placas nas artérias e dificultam a circulação do sangue para o pênis.

Com o passar dos anos, a tendência é que o fumo provoque entupimento dos vasos da região, impedindo que o sangue chegue com força suficiente aos corpos cavernosos a fim de manter a ereção. Não por menos, a disfunção erétil é inclusive um marcador para doenças cardíacas: pessoas com o problema correm maior risco de infartar.

No estudo recém-publicado por médicos turcos, eles compararam os efeitos do tabagismo em 181 homens entre 30 e 60 anos antes e após seis meses de suspensão do fumo. Notaram, então, que parar de fumar melhora a função sexual.

Outra pesquisa corrobora o achado. Esta, envolvendo dados de quase 4 milhões de pessoas e divulgada no The Journal of Sexual Medicine, chegou à mesma conclusão após investigar a relação entre disfunção erétil e estilo de vida não saudável, marcadores genéticos e outras condições de saúde.

Nesse sentido, outras recomendações são bem-vindas para evitar o problema, tais como manter uma dieta equilibrada, não consumir bebida alcoólica em excesso e praticar atividade física regularmente.

Perigo para a bexiga

Como adiantei, o tabagismo também está associado a diversos tipos de câncer, entre eles os de pulmão, rins, bexiga e sangue. Analisando os danos do cigarro nesses quatro casos, todos envolvendo órgãos e meios pelos quais o corpo elimina impurezas, podemos entender que os componentes químicos do cigarro são absorvidos nos pulmões, passam pela corrente sanguínea, são filtrados pelos rins e chegam à urina na bexiga. Nesse trajeto eles podem causar estragos.

Pouca gente liga o vício ao câncer de bexiga. A estimativa do Instituto Nacional de Câncer (Inca) para 2020 é que tenhamos no país mais de 10 mil casos, sendo 7 590 em homens e 3 050 em mulheres. Vale reparar que os brasileiros também fumam mais que as brasileiras.

O principal indício da presença de um tumor na bexiga é a hematúria, popularmente conhecida como sangue na urina, mas também podem ser notados dor e urgência para urinar.

Para fazer o diagnóstico, podemos solicitar exame microscópico da urina, ultrassom, cistoscopia e biópsia. O tratamento passa pela retirada da área comprometida ou, caso o tumor seja do tipo invasivo, com o uso de radioterapia, quimioterapia ou mesmo remoção integral da bexiga. Felizmente, hoje já existem técnicas que permitem a reconstrução desse órgão utilizando tecido tirado do intestino.

Quanto antes for feito o diagnóstico, maiores as chances de sucesso no tratamento.

Mas homens e mulheres devem fazer sua parte desde já pensando na prevenção. E essa é mais uma razão para largar o cigarro de vez. Se você não consegue parar sozinho, procure ajuda especializada. O próprio SUS oferece gratuitamente apoio para quem deseja vencer a dependência.

Fonte: Veja

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive