Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Cientistas caminham para 'turbinar' células de defesa contra o câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 08/01/2020 - Data de atualização: 08/01/2020


Célula cancerígena (branco) é atacada por duas células T citotóxicas Divulgação/NIH/NINDS

Uma descoberta de cientistas do Colégio Universitário de Londres pode ser revolucionária no desenvolvimento de terapias poderosas no combate ao câncer.

Um estudo conduzido por Sergio Quezada e Karl Peggs mostrou que células imunológicas T CD4+, tradicionalmente consideradas "auxiliares" e "reguladoras", têm um papel citotóxico e são capazes de matar células cancerígenas.

As conclusões foram publicadas nesta terça-feira (7) no periódico científico Immunity.

"Sabíamos que essas células imunológicas tinham a capacidade de matar pró-ativamente células cancerígenas com uma potência incrível, mas para maximizar seu potencial, precisávamos saber como esse mecanismo foi ativado", explicou Quezada.

As células T são um subconjunto de linfócitos (glóbulos brancos) que desempenham um papel fundamental na resposta imune do corpo. Na imunoterapia, as células T são modificadas e usadas para atacar o câncer.

Essas células se movem pelo corpo procurando células infectadas e matando-as. No entanto, as células T não reconhecem a maioria dos cânceres, uma vez que eles se desenvolvem a partir de nossos próprios tecidos e parecem normais para a maioria das células de defesa.

O principal desafio das abordagens de imunoterapia com células T é encontrar maneiras de direcioná-las para atacar as células cancerígenas.

Karl Peggs acrescenta que "as terapias celulares entraram recentemente no mercado em termos de aplicação clínica".

"Ainda não se sabe muito sobre a melhor forma de otimizar essas terapias, principalmente para permitir uma melhor atividade nos cânceres de órgãos sólidos. Nossas descobertas ampliam nossa compreensão dos reguladores da diferenciação de células T, iluminando novos elementos que podem ser direcionados para aumentar a eficácia terapêutica."

Fonte: R7

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive