Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

CDH debate proposta para acelerar exames pelo SUS

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 20/09/2017 - Data de atualização: 20/09/2017


A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) discutiu sugestão de projeto de lei com medidas para acelerar procedimentos indicados aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). Participaram da audiência pública o defensor público federal Pedro Paulo Gandra Torres, do Grupo de Trabalho e Saúde da Defensoria Pública da União (DPU); o advogado sanitarista Tiago Farina Matos, diretor jurídico do Oncoguia; e o coordenador de Regulação da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre (RS), Jorge Luiz Osório.

Encaminhada ao Senado pelo Instituto Oncoguia, o texto foi convertido na Sugestão (SUG) 11/2016, que terá como relator o senador José Medeiros (Pode-MT). O instituto esclarece que a sugestão de projeto nasceu de discussões com gestores públicos e também parlamentares, para garantir que cada cidadão que necessitar de cuidados no SUS possa receber todas as informações que lhe assegurem conhecer seu lugar no sistema e nas filas de espera, bem como possíveis remanejamentos.

Para Pedro Paulo Gandra, a medida é benéfica porque fornecerá ao gestor de saúde, a médio e a longo prazos, a real situação do SUS em relação à oferta e à demanda por atendimentos.

- Esta iniciativa de dar publicidade aos procedimentos e necessidades de tratamentos permite ao gestor se organizar e resolver os problemas de atendimento, evitando uma das questões mais críticas nestes casos, que é a judicialização da saúde.

Segundo Tiago Farina, estas informações ao paciente não podem mais ficar sem respostas.

- Este é o aspecto que precisa nos incomodar mais: quando e onde o paciente vai ser atendido — declarou.

Se a medida for acatada, assim que o paciente receber a solicitação de um exame ou consulta, ele sairá da unidade com um protocolo indicando local e data da realização desses procedimentos.

Caso não seja possível fornecer a informação no mesmo ato, ela terá de ser encaminhada ao paciente em até cinco dias. Em qualquer hipótese, o prazo máximo de agendamento não deverá ser superior a 90 dias.

Conforme o texto, será tipificado como ato de improbidade administrativa deixar de elaborar e fornecer ao paciente os documentos e informações previstos.

Depois que o relatório ficar pronto, a sugestão será incluída na pauta da comissão. Se aprovada, será transformada em projeto de lei da CDH, para início de tramitação.

Matéria publicada no Senado Notícias em 19/09/2017

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive