Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer na cárdia é mais comum em pessoas acima dos 65 anos; entenda

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 19/05/2021 - Data de atualização: 19/05/2021


O câncer que acomete a região na transição entre estômago e esôfago— chamada de cárdia— é mais comum de ocorrer em pessoas entre 65 e 74 anos.

No entanto, a doença vem surgindo com maior frequência entre a população jovem por conta de fatores de risco como refluxo e obesidade— problemas cada vez mais comuns entre os adultos brasileiros.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, morreu neste domingo (16), em decorrência do avanço da doença, diagnosticada em 2019.

A cárdia é uma espécie de válvula entre estômago e esôfago e, no diagnóstico do prefeito, foram encontrados focos também no fígado e nos linfonodos. Segundo o cirurgião oncológico Alexandre Ferreira Oliveira, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO), a sobrevida média de pacientes com esse diagnóstico é de 8 a 18 meses. "É possível pensar em cura para este tipo de câncer quando o diagnóstico é feito em fase inicial", explica. "Mas, quando ele já está em fase metastática, não se pode falar em cura e sim em sobrevida."

Covas descobriu recentemente focos de metástase nos ossos e fígado, o que acontece com uma parcela considerável de pacientes oncológicos. A volta da doença, chamada de recidiva, é mais comum nos cinco anos após o início do tratamento, principalmente nos casos de prognóstico mais desfavorável.

Oliveira explica que a piora acelerada do quadro do prefeito coincide com o espalhamento da doença para regiões importantes do corpo. "Quando a doença chega aos ossos, ela já está na corrente, causando um comprometimento sistêmico. Essa evolução é muito rápida porque as células tumorais começam a se disseminar de forma descontrolada rapidamente", explica.

De acordo com o cirurgião oncológico, o tratamento do câncer de estômago depende, portanto, do estágio da doença. Nos casos em que não há metástase, a indicação é a cirurgia para a remoção do tumor. Mas, se a metástase está presente, a opção é o controle da doença com quimioterapia, radioterapia e imunoterapia.

Números do câncer gástrico

Também chamado de câncer gástrico, o câncer de estômago é um dos que mais incide no País. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), são mais de 21 mil novos casos previstos para 2021, sendo o quarto mais comum em homens e o sexto em mulheres no Brasil.

Em âmbito mundial, são registrados mais de 1 milhão de novos casos por ano, segundo o levantamento Globocan 2020, da Organização Mundial da Saúde, configurando a doença como o quinto câncer mais diagnosticado.

Dentre todos os tumores malignos que acometem o estômago, 90% a 95% são adenocarcinomas. Dentre todos os adenocarcinomas, há um subtipo que ocorre a região na transição entre estômago e esôfago, a chamada cárdia.

A região é responsável pelo controle do fluxo normal dos alimentos no sentido do esôfago para o estômago. Já existem dados que fazem associação ao risco desse tipo de câncer com a ocorrência de refluxo (quando o conteúdo gástrico volta para o esôfago). Outros fatores de risco incluem a obesidade e o tabagismo.

Prevenção é importante

É fundamental manter a rotina de exames e tratamento mesmo durante a pandemia de covid-19. Quando o câncer é diagnosticado em fases bem iniciais e o risco de ter havido metástases, mesmo que microscópicas, é pequeno, a cirurgia oncológica é o tratamento mais eficaz.

Em casos de maior risco para a ocorrência de metástases, especialmente quando os gânglios próximos ao tumor se mostram comprometidos, o tratamento deve envolver a realização de quimioterapia e a seguir a cirurgia oncologicamente adequada. E em casos com metástases, o tratamento padrão é a quimioterapia, sendo o tratamento cirúrgico reservado para casos selecionados.

"Em fases iniciais, estes tumores não apresentam sintomas ou são inespecíficos, se assemelhando aos sinais de refluxo, como a sensação de queimação. O principal sinal de tumor em si costuma ser a dificuldade ou dor na transição do tórax para o abdômen após engolir os alimentos. Essa condição é causada pelo estreitamento da passagem entre os órgãos", explica Oliveira.

Para prevenir a doença, o especialista recomenda manter-se saudável, com peso normal e com hábitos de vida que incluam atividade física e boa alimentação. Além disso, é importante não fumar e não beber. Se você tem refluxo, procure assistência médica e acompanhe seus sintomas. Um exame de endoscopia pode ser indicado por seu médico.

Fonte: Viva Bem

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive