Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de testículo: como detectar precocemente?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/04/2020 - Data de atualização: 29/04/2020


Abril é o mês da conscientização do câncer de testículo, doença que quando comparada aos ‘famosos’ cânceres de mama e próstata, tem muito menos exposição na mídia. Este tipo de tumor já teve em evidência quando atletas famosos como os jogadores de futebol Ederson, Magrão e Arjen Robben, além de Nenê Hilário, do basquete, e de Lance Armstrong, do ciclismo, diagnosticaram a doença. De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), a doença representa de 1% a 5% do total de casos de tumores em homens no Brasil. É o principal câncer sólido (com exceção das leucemias e linfomas) diagnosticado em homens entre 15 e 35 anos. “É um tumor raro e cercado de muitos tabus por acometer o órgão masculino. O que pouca gente fala e é o mais importante, é que o câncer de testículo tem altíssimas taxas de cura, mesmo quando já há metástases”, afirma Higor Mantovani, oncologista do Grupo SOnHe – Sasse Oncologia e Hematologia.

O câncer de testículo geralmente se apresenta como um nódulo (caroço) no órgão, que pode ou não doer, alterar a consistência e a cor do mesmo, e que quase sempre é percebido pelos homens quando eles tocam a parte genital. “Como alterações no testículo são facilmente perceptíveis, a doença é descoberta em estágios ainda iniciais, na maioria das vezes. Não incomumente, a parceira do paciente pode ser a responsável por notar tais alterações. O mais importante é reconhecer os sinais e sintomas mais frequentes da doença, assim como identificar homens com fatores de risco para o seu desenvolvimento. Dessa forma, é possível procurar auxílio médico no momento correto”, explica o médico.

De acordo com o Dr. Higor, muitos homens (jovens, como se espera para a faixa etária alvo desta doença) veem o exame do testículo como um tabu ou motivo de vergonha e, por isso, hesitam em procurar auxílio médico no início dos sintomas, o que acaba atrasando a detecção precoce de um possível tumor. “Vale lembrar que outras doenças benignas também podem acometer o testículo (orquite, epididimite, hidrocele, torção testicular, outras). Sendo assim, o exame do testículo por um profissional médico e a realização de exames complementares (ultrassom, exames de sangue específicos e até tomografias) certamente vão auxiliar no diagnóstico exato para cada individuo. Conversar, discutir, quebrar tabus e (o mais importante) estimular a busca pelo diagnóstico precoce são práticas que tendem a aumentar ainda mais a chance de cura desse tipo de câncer”, alerta.

Fatores de riscos

Existem algumas condições de saúde que são sabidamente fatores de risco para o desenvolvimento de câncer de testículo. É o caso da criptorquidia, popularmente conhecida como testículo que não desceu ou testículo mal posicionado. “A criptorquidia é definida pela ausência ou a não localização do testículo na bolsa escrotal. Nesta condição, o testículo que durante o desenvolvimento fetal é gerado e se localiza dentro do abdome pode se apresentar no trajeto de descida até o escroto, mais comumente na região inguinal, ou até mesmo na dentro da cavidade abdominal. Para alguns homens portadores desta condição, faz-se necessária a monitorização deste testículo mal posicionado e, eventualmente, a abordagem cirúrgica para correção ou retirada do mesmo”, explica Dr. Higor.

Segundo o oncologista, estudos sugerem que homens com criptorquidia têm 3% mais chance de desenvolver câncer de testículo do que aqueles sem esta condição. “Mas a literatura sugere um risco maior de câncer testicular para pacientes com familiares com histórico da neoplasia em questão. Filhos e parentes próximos como irmãos e primos de primeiro grau de indivíduos portadores de câncer de testículo parecem ter um risco maior (2 a 5 vezes maior) de desenvolver a doença”, afirma.

O médico alerta: indivíduos que tem um histórico familiar de câncer testicular ou criptorquidia, é importante manter um seguimento regular de saúde com um médico para monitorar possíveis alterações suspeitas. “O diagnostico precoce possibilita o adequado tratamento e aumenta ainda mais a chance de cura”, finaliza o especialista.

* Higor Mantovani é formado em Oncologia Clínica pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. É mestrando na área de Oncologia Clínica pela UNICAMP. É membro da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC). Higor faz parte do corpo clínico de oncologistas do Grupo SOnHe – Sasse Oncologia e Hematologia e atua no Instituto Radium de Campinas, no Hospital Santa Tereza, Santa Casa de Valinhos e do Hospital Madre Theodora.

Sobre o Grupo SOnHe

O Grupo SOnHe - Sasse Oncologia e Hematologia, é formado por oncologistas e hematologista que fazem o atendimento oncológico humanizado e multidisciplinar no Hospital Santa Tereza, Instituto do Radium, Madre Theodora, três importantes centros de tratamento de câncer em Campinas. E no Hospital Santa Casa, em Valinhos. A equipe oferece excelência no cuidado oncológico e na produção de conhecimento de forma ética, científica e humanitária, por meio de uma equipe inovadora e sempre comprometida com o ser humano. O SOnHe é formado pelos oncologistas: André Deeke Sasse, David Pinheiro Cunha, Vinicius Correa da Conceição, Vivian Castro Antunes de Vasconcelos, Rafael Luís, Susana Ramalho, Leonardo Roberto da Silva e Higor Montovani e pela hematologista Márcia Torresan Delamain. Saiba mais: no portal www.sonhe.med.br e nas Redes Sociais @gruposonhe

Fonte: Segs

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive