top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de mama tem 95% de chance de cura se diagnosticado precocemente

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 11/10/2017 - Data de atualização: 11/10/2017


O câncer de mama é o 2º câncer mais comum nas mulheres, só perde para os cânceres de pele não melanoma. O número de casos cresce entre 5 a 10 % ao ano. Mas quando diagnosticado precocemente a chance de cura é de 95%, já quando descoberto mais tarde essa taxa cai para 50%.

Por isso é realizado em todo país a campanha Outubro Rosa, de conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce. O pico de incidência nas mulheres ocorre entre os 55 e 64 anos de idade, sendo que só 2% dos diagnósticos são realizados em mulheres abaixo de 35 anos.

Há 17 anos a médica Simone Felitti, do Albert Sabin Hospital e Maternidade, se dedica a oncologista. Ela ressalta que o câncer de mama é prevenível por fatores biológicos pessoais através de uma vida saudável. O aumento da incidência está relacionado ao envelhecimento, a obesidade e o sedentarismo.

Fatores psicológicos também podem influenciar no tratamento da doença. A religiosidade, espiritualidade, autoestima, vida social, apoio de familiares e amigos estão ligados diretamente sob o modo como o paciente encara a doença.

"É preciso ter a consciência de que ela tem a doença, mas não é a doença. E perguntar-se: o que posso fazer sobre minha doença? Entre as variáveis que influenciam no tratamento estão a própria consciência das causas da doença e também a responsabilidade durante o tratamento para buscar uma vida melhor e mais saudável”, diz.

Tipos de câncer de mama

O tipo de câncer de mama mais comum é o Ductal, que se inicia em um duto de leite. Esse tipo de câncer corresponde a 60% dos casos. Outros 15% são do tipo lobular, que começa nas glândulas produtoras de leite (lobos).

Diferentes tratamentos

Existem diferentes procedimentos para o tratamento de câncer de mama: cirurgia, quimioterapia, radioterapia e bloqueio hormonal.

A cirurgia entra em grande parte das pacientes como primeira abordagem. Existem casos que os tumores são maiores que 3,5 centímetros ou há o comprometimento axilar palpável, e as pacientes são submetidas a quimioterapia antes da cirurgia para que haja uma redução do tumor.

"Dessa forma a paciente vai para a cirurgia com risco menor de mobilização e disseminação. Com o tumor menor, é possível fazer a retirada de um quadrante de mama e não a mama por completo”, explica a oncologista.

Depois da cirurgia feita pelo mastologista, o médico oncologista avalia qual o procedimento seguinte: radioterapia, quimioterapia ou só o bloqueio hormonal. A cirurgia conservadora, quando só é retirado um quadrante da mama juntamente com radioterapia tem eficiente equivalente à mastectomia, que é a retirada da mama.

"Isso nos trouxe uma segurança maior para tratar nossas pacientes de forma muito menos invasiva. Mesmo com a reconstrução e a colocação de prótese, é muito mais interessante que a paciente permaneça com sua própria mama”, salienta a médica.

A maior parte dos pacientes, cerca de 70% fazem a hormônio terapia. Isso ocorre quando os tumores são sensíveis à hormônio e para o tratamento é feito um bloqueio de hormônios através de comprimidos que são usados ao longo de 10 anos.

Apenas pacientes com tumores mais agressivos e mais jovens são submetidos também a quimioterapia. O período de tratamento varia de acordo com o quadro de cada paciente. Normalmente o tratamento com quimioterapia leva 6 meses, de radioterapia 1 mês e meio e o bloqueio hormonal, 10 anos.

"A medicina tem evoluído muito no tratamento oncológico com novas medicações que tem trazido uma taxa de cura maior para diversos tipos de câncer e medicamentos que bloqueiam mutações genéticas. E ainda novas medicações para as pacientes com metástase ajudam a manter a qualidade de vida, mesmo durante um período extenso de tratamento” explica a especialista.
                                               
Fonte: G1

As opiniões contidas nos artigos assinados pelos nossos colunistas refletem unicamente a opinião do autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive