Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de mama é motivo de separação entre casais

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 28/10/2014 - Data de atualização: 28/10/2014


Apesar do apoio dos companheiros ser fundamental para manter a autoestima e reduzir os impactos do tratamento nas pacientes com câncer de mama, muitos acabam não suportando o baque. Uma pesquisa realizada em 2012 pelo Instituto Avon e Data Popular constatou isso. O levantamento, que ouviu mais de 1,7 mil pessoas em todo o Brasil, apontou que 38% dos homens entrevistados acreditam que o diagnóstico de câncer de mama pode terminar com um relacionamento. A pesquisa também apontou que 75% deles afirmaram que a doença acaba com a vaidade de qualquer mulher. 

Luciana Holtz, psico-oncologista e presidente do Instituto Oncoguia, ilustra o tema com um exemplo. Em uma reunião com 15 pacientes, três haviam sido deixadas pelo marido.

— Não temos como julgar, mas infelizmente ainda é comum relacionamentos desfeitos a partir do diagnóstico — diz.

Luciana defende que o apoio dos companheiros e familiares é prioritário para o tratamento.

— É uma doença social que tem um impacto na família toda. A paciente estará passando por uma série de mudanças e adaptações, e não é só na vida dela. O papel da família é estar informada e também conectada com os reais problemas para que a paciente passe por esse momento da maneira menos dolorida possível — afirma a especialista. 

Parceiros são importantes para recuperar a autoestima

O câncer de mama, que só em Santa Catarina deve atingir 57,43 casos a cada 100 mil mulheres em 2014, também afeta a sexualidade do casal. Em um trabalho de conclusão de curso em Enfermagem na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), as acadêmicas Ana Gabriela Laverde e Natália Sebold, sob orientação de Luciana Martins da Rosa, entrevistaram 10 mulheres que passaram por mastectomia para identificar as estratégias usadas para lidar com a sexualidade após o diagnóstico.

— O apoio do companheiro no enfrentamento da doença é fundamental. Esses companheiros ajudaram a reconhecer que a mutilação é física e parcial — diz Luciana, doutora em Enfermagem. 

É importante cada mulher descobrir  com o parceiro os caminhos para recuperar a sexualidade. Lingeries e lubrificantes são algumas das estratégias apontadas pelas entrevistadas na pesquisa. Luciana trabalhou 20 anos no Cepon e afirma que é importante o companheiro entender as fases da doença. No período do diagnóstico e do início do tratamento, a mulher fica muito abalada psicologicamente o que compromete o interesse sexual. O tratamento quimioterápico altera os hormônios, o que também influencia. 

— Passando essa fase, ela começa a se reencontrar como pessoa, e é um processo de reconhecimento do novo corpo, das novas vivências — afirma.

Matéria publicada em Diário Catarinense em 25/10/2014.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive