Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de colo de útero: HPV fica silencioso durante anos

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 13/01/2020 - Data de atualização: 13/01/2020


Vacina é a melhor maneira de prevenir infecção pelo vírus HPV Marcelo Camargo/Agência Brasil

Janeiro Verde é o mês de alerta para o câncer do colo do útero, o terceiro tumor maligno mais frequente na população feminina e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil, segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer).

A infecção crônica genital por HPV (papilomavírus humano) é a principal causa desse tipo de tumor, que acomete apenas uma pequena parte das mulheres infectadas. A vacina é a forma mais eficaz de prevenção.

O problema é que o vírus não apresenta sintomas, mas mesmo assim pode ser transmitido, por isso a importância do exame papanicolau para diagnóstico.

“O HPV é o fator necessário, ou seja, sem a presença dele o câncer do colo do útero é praticamente inexistente”, afirma a oncologista ginecológica Michelle Samora, do Centro Paulista de Oncologia do Grupo Oncoclínicas.

De acordo com ela, 80% da população será exposta ao HPV ao longo da vida, mas a maioria elimina o vírus em cerca de dois anos. 

“Na fase inicial o HPV não tem sintomas. Eles aparecem, na maioria das vezes, somente quando a pessoa já desenvolveu o câncer, o que leva mais de 10 anos”, explica.

Os sinais são sangramento vaginal, corrimento e dor durante as relações sexuais. Em casos avançados, há sangue nas fezes. “Toda mulher que tem relação sexual e depois sangra deve procurar o ginecologista”, alerta a médica.

As lesões em forma de verrugas nos genitais e no ânus costumam ser causadas por tipos de HPV não cancerígenos, de acordo com o Ministério da Saúde.

Segundo Michelle, existem mais de 100 tipos de HPV, destes, 12 são considerados de alto risco em relação ao tumor.

Papanicolau
Diante da característica silenciosa do vírus, a oncologista ressalta a importância da realização do papanicolau para prevenir o câncer do colo do útero.

“O exame coleta células do colo do útero. Quando a paciente está infectada, são vistas alterações de tamanho, por exemplo”, esclarece.

O Ministério da Saúde recomenda que o papanicolau seja feito a partir dos 25 anos, anualmente por dois anos. Se não for detectada nenhuma mudança, a mulher deve ser examinada a cada três anos, até chegar aos 74 de idade.

“O exame vem alterado só para metade das mulheres que têm HPV, por isso é importante repetir”, enfatiza a oncologista.

“Já o câncer atinge mulheres jovens em idade fértil. Quando diagnosticado precocemente, dá para fazer a cirurgia [que remove o tumor] e preservar o colo do útero”, observa. “A maioria é diagnosticada na fase local do câncer, então o tratamento é curativo”, acrescenta.

Transmissão por contato, principalmente sexual
O HPV é transmitido por meio do contato com a pele ou mucosa infectada. As relações sexuais são a principal forma de contágio, que pode acontecer mesmo sem penetração.

“Pode ocorrer transmissão por sexo oral e pelo toque dos dedos na região genital”, explica Michelle.

Leia também: Uma pessoa pode transmitir HIV horas após ser contagiada

A oncologista cita um estudo da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, com 128 mulheres universitárias de 18 a 22 anos: foram coletadas 357 amostras da ponta dos dedos - 14,3% tinham HPV e 20% dos vírus que infectaram os genitais também estavam presentes nos dedos.

Vacina é a prevenção mais eficaz

A vacina protege contra a infecção pelo HPV – e consequentemente o câncer do colo do útero – em 98% dos casos, de acordo com a especialista. Devem ser tomadas duas doses: a segunda precisa ser aplicada seis meses após a primeira.

“Com a camisinha, a proteção é de 70%, pois existem áreas genitais que ela não cobre, como a vulva e a região pubiana”, destaca Michelle.

A vacinação é oferecida pelo SUS (Sistema Único de Saúde) para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. “Esse é o público-alvo porque a produção de anticorpos é maior quando a pessoa é mais jovem e nunca foi exposta ao HPV”, diz a médica.

Ela ressalta que para eliminar o HPV, a cobertura vacinal deve ser de 90% da população alvo, mas no Brasil está baixo de 50%.

“Isso acontece por causa da desinformação dos pais. Existe um tabu, porque eles pensam que estão dando a ‘vacina do sexo’ em suas filhas e que elas sempre serão puras. É preciso desmistificar isso”, analisa.

Fonte: R7

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive