Tipos de Câncer

Câncer de Vesícula Biliar


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Biópsia para Diagnóstico do Câncer de Vesícula Biliar

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 19/06/2013 - Data de atualização: 04/02/2017


A biópsia é um procedimento no qual uma amostra de tecido é removida e encaminhada para análise de um patologista. Para a maioria dos tipos de câncer, a biópsia é necessária para diagnosticar a doença.

Mas, no caso do câncer de vesícula, normalmente a biópsia não é realizada antes da cirurgia, para não perfurar o tumor com uma agulha sem removê-lo completamente, o que possibilitaria que as células cancerígenas se disseminem para outras áreas.

Se os exames de imagem, como ultrassonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética ou colangiografia, sugerirem um tumor na vesícula biliar e não existem sinais evidentes de disseminação, a cirurgia é indicada.

Em outros casos, o médico pode sentir que a biópsia de uma área suspeita na vesícula biliar é a melhor maneira de confirmar o diagnóstico de câncer. Por exemplo, os exames de imagem podem confirmar que o tumor se disseminou ou é muito grande para ser completamente retirado cirurgicamente. Infelizmente, muitos cânceres de vesícula biliar não são removíveis no momento no diagnóstico.

Tipos de Biópsias


Existem várias maneiras de recolher amostras da vesícula biliar. Se uma colangiografia é realizada, uma amostra de bile é coletada durante o procedimento para análise. No caso de uma laparoscopia, o médico poderá coletar amostras diretamente das áreas suspeitas.

Se o tumor for muito grande para ser retirado numa cirurgia, é realizada uma biópsia por agulha para confirmar o diagnóstico e ajudar a definir o tratamento. Neste procedimento, é inserida uma agulha fina através da pele, sem necessidade de uma incisão cirúrgica. A inserção da agulha é geralmente guiada por ultrassom ou tomografia computadorizada. Quando as imagens mostram que a agulha está no tumor, uma amostra é aspirada para dentro da agulha e enviada para análise.

Na maioria dos casos, é realizada a punção por agulha fina (PAAF), que utiliza uma agulha muito fina, ao contrário da biópsia de fragmento com agulha (core biopsy) que usa uma agulha de calibre maior para coletar uma amostra maior, e evitar, dessa forma, que células cancerígenas se disseminem.

Fonte: American Cancer Society (05/02/2016)


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive