Tipos de Câncer

Câncer de Esôfago

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Bayer Janssen MSD Takeda Astellas UICC Libbs Abbvie Ipsen Sanofi Daiichi Sankyo GSK Avon Nestlé Servier


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Biópsia para Diagnóstico do Câncer de Esôfago

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/05/2015 - Data de atualização: 26/11/2020


O diagnóstico do câncer de esôfago só pode ser confirmado por uma biópsia, que é o procedimento no qual o médico remove uma amostra de tecido para análise. Esse procedimento é geralmente realizado durante a endoscopia.

HER2. Se o câncer de esôfago é diagnosticado em estágio avançado, não sendo possível a realização da cirurgia, nas amostras de biópsia será investigada a proteína HER2. Algumas pessoas com câncer do esôfago têm a proteína HER2 na superfície das suas células cancerosas, o que facilita o seu crescimento. Atualmente, existe um medicamento disponível que tem como alvo a proteína HER2, o trastuzumabe pode ajudar a tratar esse tipo de tumor, quando utilizado associado à quimioterapia. Apenas os cânceres que têm a proteína HER2 são susceptíveis de tratamento com trastuzumab, razão pela qual os médicos solicitam o exame.

PD-L1. O câncer de esôfago que não pode ser tratado cirurgicamente ou está disseminado é testado para a proteína PD-L1, que é encontrada em 35% a 45% dos cânceres de esôfago. Os tumores que produzem essa proteína podem ser tratados com o imunoterápico pembrolizumabe.

MMR e MSI. As células de câncer de esôfago podem ser testadas para verificar se apresentam altos níveis de alterações genéticas chamadas de instabilidade de microssatélites (MSI) ou se apresentam alterações em qualquer um dos genes de reparo de incompatibilidade (MMR) (MLH1, MSH2, MSH6, e PMS2).

Os cânceres de esôfago que testam positivo para MMR ou com alto MSI e que não podem ser tratados com cirurgia, se recidivaram após o tratamento inicial ou se disseminaram para outros órgãos podem se beneficiar da imunoterapia com o pembrolizumabe.

Para saber mais, consulte nosso conteúdo sobre Biópsia e Citologia das Amostras.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 20/03/2020, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive