Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Bactérias da boca e risco de câncer de pulmão em pessoas que nunca fumaram

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/01/2021 - Data de atualização: 18/01/2021


Sabe-se que o tabagismo é o principal fator de risco para surgimento do câncer de pulmão. Mas existem outras causas conhecidas, embora menos frequentes. Em um artigo publicado na prestigiada revista Thorax, o pesquisador Dr. Hosgood e colegas observam que cerca de um quarto dos casos de câncer de pulmão ocorrem em não fumantes e sem que outros fatores de risco conhecidos (exposição ao fumo passivo, poluição do ar e radônio e histórico familiar de câncer de pulmão) expliquem isso completamente.

Assertivamente, novas linhas de pesquisas vêm avaliando justamente a influência de bactérias no processo de desenvolvimento do câncer (carcinogênese). Pesquisas anteriores já encontraram ligações, por exemplo, entre cânceres gastrointestinais e o microbioma intestinal. Somado a isso, o tipo e o volume das bactérias encontradas na boca foram associados também a vários tipos de câncer, incluindo o câncer pancreático.

Quando considerados em conjunto, o limitado (mas crescente) corpo da literatura sugere que a diminuição da diversidade microbiana e o aumento da abundância de taxa dentro do filo Firmicutes - que também é estudado quanto à sua relação com a obesidade -, e mais especificamente Lactobacillales, no trato respiratório, podem estar associados a um risco aumentado de câncer de pulmão.

Em um estudo prospectivo recente, uma maior abundância de bactérias comensais orais foi associada a um menor risco de câncer de células escamosas de cabeça e pescoço, fornecendo evidências de que a microbiota fora do intestino também pode estar associada ao risco de câncer.

Dando sequência aos estudos, os pesquisadores avaliaram a diversidade e a abundância bacteriana usando sequenciamento shotgun metagenômico (método usado para sequenciamento de fitas longas de DNA de agentes infecciosos) em amostras de enxágue oral, coletadas na linha de base dos participantes do Estudo de Saúde da Mulher de Xangai e do Estudo de Saúde do Homem de Xangai, cuja saúde foi monitorada a cada três anos após a inscrição, entre 1996 e 2006. Todos os participantes eram não fumantes ao longo da vida.

Os dados das 90 mulheres e dos 24 homens que desenvolveram câncer de pulmão foram comparados com os dos 114 indivíduos de mesma idade e sexo que não desenvolveram câncer de pulmão.

Com isso, os investigadores descobriram que a diversidade alfa ou local (número total de espécies em um habitat) da microbiota oral mais baixa - mas não a diversidade beta (a mudança das espécies) - estava associada a um risco aumentado de câncer de pulmão.

Além disso, o aumento da abundância relativa nos filos Bacteroidetes e Spirochaetes foi associado a um risco reduzido de câncer de pulmão, enquanto o aumento da abundância dentro do filo Firmicutes foi associado a um risco aumentado de câncer de pulmão.

As associações permaneceram quando a análise foi restrita a pessoas que não tomaram antibióticos, na semana anterior à coleta da amostra, e após a exclusão daqueles com diagnóstico de câncer de pulmão, dois anos após a coleta da amostra para enxágue oral.

Este é o primeiro estudo prospectivo a avaliar o microbioma oral e o risco de câncer de pulmão em pessoas que nunca fumaram. É necessária a continuidade das análises, por exemplo, com estudos de replicação, dado o pioneirismo das descobertas e o tamanho limitado da amostra.

Pelos dados obtidos pôde-se concluir que, em pessoas que nunca fumaram, a menor diversidade local foi associada a um maior risco de câncer de pulmão e a abundância de certas espécies específicas foi associada a risco alterado, o que fornece mais informações sobre a etiologia do câncer de pulmão na ausência de tabagismo ativo.

Existem vários mecanismos conhecidos de ação carcinogênica da microbiota oral. Um deles é a estimulação bacteriana da inflamação crônica, que pode causar proliferação celular, mutagênese, ativação dos genes ligados ao surgimento de tumores (oncogenes) e formação de novos vasos sanguíneos (angiogênese).

Outro mecanismo é que as bactérias podem afetar a proliferação celular, rearranjos do citoesqueleto (estrutura dinâmica presente no citoplasma das células), ativação de fator kappa-beta - NF-kB (fator envolvido no controle da expressão dos genes ligados à resposta inflamatória) e inibição da apoptose (morte celular geneticamente programada).

Ou seja, será interessante termos mais estudos sobre as vias oral, nasal e respiratória inferior em relação a exposições ambientais e vários distúrbios pulmonares. A cavidade oral e a nasofaringe são a entrada para o pulmão e uma maior compreensão dos aspectos funcionais do microbioma nesses compartimentos certamente ajudará a lançar luz sobre a patogênese e modificação da doença.

Atualmente, somente para o Brasil, estimam-se 17.760 casos novos de câncer de pulmão em homens e 12.440 em mulheres, para cada ano do triênio 2020-2022, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer José de Alencar (INCA). É necessário que todos os processos de desenvolvimento desse tipo de tumor sejam conhecidos para a correta prevenção e redução de casos.

Fonte: Saúde Plena

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive