Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Autoexame dos testículos ajuda homem no diagnóstico precoce de câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/01/2020 - Data de atualização: 16/01/2020


Os riscos da doença são maiores em pacientes com histórico familiar | Foto: Divulgação

As mulheres já conhecem de longa data a importância do autoexame das mamas para o diagnóstico precoce de câncer. A mesma orientação deve ser seguida pelos homens com relação aos testículos.

“É essencial que, desde a adolescência, os homens apalpem mensalmente os testículos para descobrir qualquer alteração”, orienta Ramon Andrade de Mello, médico oncologista, professor da disciplina de oncologia clínica da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e da Escola de Medicina da Universidade do Algarve (Portugal).

Apesar da incidência de tumor nos testículos responder por apenas 5% do total de casos de câncer no público masculino, ele preocupa por atingir uma população em idade de 15 a 50 anos.

“A pessoa deve procurar orientação médica sempre que notar alterações como um nódulo, rigidez, dor, desconforto ou aumento do saco escrotal”, explica o professor da Unifesp.

Os riscos da doença são maiores em pacientes com histórico familiar, que passaram por lesões e traumas na bolsa escrotal e trabalhadores expostos a agrotóxicos. Os homens com criptorquidia, que é a permanência do testículo fora da bolsa escrotal depois do nascimento, também têm chances de desenvolver o tumor.

“Nas últimas décadas, temos visto ainda o aumento dos casos de câncer no escroto por homens que, em algum momento, fizeram uso indiscriminado de anabolizantes”, alerta o médico oncologista.

Ramon esclarece que o diagnóstico precoce alcança quase 100% de cura entre os pacientes. Para alguns casos, pode ser indicada a cirurgia, com a retirada do testículo afetado. Para outros, é possível fazer o tratamento com quimioterapia, afirma o oncologista.

Fonte: Em Tempo

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive