Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

As amputações e a realidade do câncer peniano no Brasil

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/04/2019 - Data de atualização: 29/04/2019


"Nós, homens, jogamos uma cerveja no piu-piu e tá limpo. Isso é o que o povo faz", disse Bolsonaro a Época, em 2018. Foto: Marcos Corrêa / Agência O Globo

O presidente Jair Bolsonaro está preocupado com o número de amputações de pênis no país por falta de água e sabão. Segundo ele, os casos chegam a 1.000 por ano. “Quando se chega em um ponto desse, a gente vê que nós estamos realmente no fundo do poço”, afirmou. O discurso se baseia em dados da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), publicados pela revista Galileu no fim de 2017. No ano passado, Bolsonaro já havia citado a estatística em entrevista à ÉPOCA, comparando os cuidados masculinos aos femininos, no final de 2018 . “Nós, homens, somos relaxados. Mulher não. Tá sempre se limpando. Nós, homens, jogamos uma cerveja no piu-piu e tá limpo. Isso é o que o povo faz”, disse, lembrando que a prática é comum no “fronteirão” do Brasil. 

Agora, mais comedido nas palavras, o presidente alertou para a educação sobre a higiene do órgão. “Nós temos que buscar uma maneira de sair do fundo do poço ajudando essas pessoas, conscientizando-as, mostrando realmente o que eles têm que fazer e evitar que se chegue nesse ponto ridículo, triste para nós, dessa quantidade de amputações que nós temos por ano”, declarou em tom mais leve. 

De acordo com o coordenador de câncer de pênis e testículo da SBU, José de Ribamar Calixto, no entanto, o número mencionado por Bolsonaro está equivocado. “É muito maior. Esse dado está defasado, foi levantado há cerca de 13 ou 14 anos, a partir da base do Datasus sobre internações diagnosticadas como câncer de pênis, que só leva em conta hospitais públicos”, revelou o médico, afirmando que os números podem ser comparados aos de locais menos desenvolvidos, como África e México. “São quase semelhantes”, emenda. 

A situação se agrava em locais periféricos de condição socioeconômica baixa, como as regiões Norte e Nordeste. O quadro mais alarmante é o Maranhão, onde há a maior incidência de casos de câncer de pênis no mundo, segundo pesquisa feita pela UFMA. O artigo “Penile cancer in Maranhão, Northeast Brazil: the highest incidence globally?”, publicado na revista internacional  BMC Urology , concluiu que a doença acomete mais os jovens de baixa renda, incapazes de buscar tratamento e acompanhamento adequado. A demora em procurar especialistas, de acordo com a pesquisa, em torno de 2,4 anos após o início dos sintomas, provoca alto índice de óbito. “Também há abordagens psicológicas que mostram o quanto sofrem as pessoas que amputam. É muito triste”, lamentou Calixto.

O debate escasso sobre o câncer de pênis, se comparado a outros, como câncer de próstata e de mama, está relacionado ao alcance nacional. “O câncer de pênis é mais regionalizado, então se fala pouco”, pontua o coordenador da SBU, expondo o contraste de realidades no Brasil. “O Maranhão é líder mundial em casos por 100 mil habitantes. São cerca de 8 a 10 amputações por mês. Em Santa Catarina, por exemplo, a média é de uma a cada quatro meses”. 

Para ele, é fundamental uma política pública de prevenção e educar os homens. “Primeiro, tomar conhecimento da doença. Depois, como fazer a higiene ideal. Ter acesso mais fácil a um urologista para tirar dúvidas sobre herpes, verrugas, câncer e doenças sexualmente transmissíveis [DSTs]. É uma abordagem multifatorial”, disse, fazendo um apelo ao governo. “Tem de ser mais contundente em política pública, propor ao ministro algum enfrentamento. É preciso educar sobretudo crianças e jovens.” 

Fonte: Época

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive