Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Aranto não ajuda no tratamento do câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 07/06/2019 - Data de atualização: 07/06/2019


Quando o assunto é câncer, o que não falta são receitas das mais variadas, que, supostamente, são capazes de curar os mais de cem tipos da doença. A cada dia, uma nova dica milagrosa surge na internet, entre elas, está a de que o aranto, uma planta conhecida no Brasil como “mãe de milhares”, serve para o tratamento e é capaz de curar o câncer. Será que isso é verdade?

Não, é boato. Originário da África, o aranto é do gênero kalanchoe – composto por plantas suculentas que são encontradas em regiões tropicais e subtropicais – e, por esse motivo, se adaptou bem o clima brasileiro. Em território nacional, o aranto tornou-se popular. Apenas no YouTube, há dezenas de vídeos – alguns deles com milhões de visualizações –  que garantem que ele é capaz de curar o câncer.

O oncologista clínico Carlos Eugênio Escovar, da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, garante que a afirmação não é verdadeira. Segundo o médico, o boato vem do fato de que há estudos iniciais, ainda in vitro, que mostram que o aranto tem em sua composição uma espécie de corticoide, o que pode sugerir algum tipo de ação no tratamento de leucemias.

— Mas esses estudos são iniciais, ainda não foram testados em humanos ou animais, por isso a planta não deve ser utilizada como medicamento. Até onde se sabe, pode causar mais riscos do que benefícios — diz Escovar.

De acordo com Maria Gorete Rossoni, bióloga do Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande do Sul (CIT/RS), a planta contém em sua composição glicosídeos cardiotóxicos, que são substâncias tóxicas capazes de causar acidentes e efeitos colaterais.

Segundo a bióloga, o uso contínuo de chás feitos com a planta podem causar diversos tipos de sintomas, como náuseas, vômito e dor abdominal. Além disso, pode comprometer o sistema nervoso, ocasionando confusão mental, delírio e alucinações. Também pode atuar nas células musculares cardíacas, alterando os batimentos e oferecendo risco de parada cardíaca, que pode ocasionar a morte.

— Os estudos feitos com o aranto não citam qual dose pode ser tomada sem ocorrer esses riscos, entretanto, sabe-se que seu uso prolongado pode causar intoxicações. Em relação ao câncer, ainda não há um ensaio clínico humano que comprove a eficácia. Não é indicado que as pessoas façam uso deste chá na intenção de curar um tumor, já que há riscos na ingestão — explica Maria.

Portanto, a planta é tóxica e não deve ser consumida. Em casos de acidentes com plantas, deve-se buscar ajuda médica imediatamente. Também é indicado que se guarde um pedação do que foi ingerido para avaliação. Para mais informações sobre compostos e possíveis riscos, é possível ligar para o CIT/RS por meio do telefone 0800-721-3000.

Fonte: Gaúcha ZH

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive