Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Apesar de raro, câncer de mama masculino também pode ser fatal: 'Derruba a gente', diz paciente

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 30/10/2018 - Data de atualização: 30/10/2018


Darcy de Moraes Camargo fez a última sessão de quimioterapia nesta segunda-feira (29) — Foto: Arquivo pessoal

Apenas 1%. Este é o total de homens acometidos pelo câncer de mama no Brasil em relação às mulheres. A incidência masculina é tão rara e pouco frequente que, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), não entra nas estimativas. Para o aposentado Darcy de Moraes Camargo, diagnosticado com a doença no início deste ano, é como "ganhar na loteria", só que ao contrário.

Os primeiros sinais do câncer surgiram entre março e abril. O sorocabano percebeu que a mama direita estava crescendo e ficava cada vez mais dolorida. Decidiu conversar com a esposa, que marcou uma consulta com uma mastologista. Em seguida, foi realizada uma bateria de exames, uma biópsia e, pouco tempo depois, veio o diagnóstico.

"Quando descobrimos, ainda estava no início, mas eu nunca esperei que isso fosse acontecer comigo, foi um choque. A médica disse que era mais fácil ganhar na loteria", lembra o aposentado, de 67 anos.

De acordo com a mastologista, ginecologista e obstetra Potyra Labonia Matiello, de 41 anos, o diagnóstico do câncer de mama masculino é feito da mesma maneira que o feminino: com mamografia, ultrassom e biópsia.

A diferença é que, como os homens têm menos tecido mamário, o nódulo geralmente é mais facilmente palpável e mais próximo do mamilo. Já nas mulheres, o nódulo pode não ser palpável dependendo da localização na mama, quando está profundo ou quando é menor que 1,5 cm.

Entre os principais sintomas estão saída de secreção, vermelhidão e retração da pele do mamilo e ao redor dele. "Não podemos dizer que a doença é melhor ou pior na mulher do que no homem, pois a evolução depende do tipo de câncer e do estágio no momento do diagnóstico", explica a médica.

Chances de cura

O tratamento da doença inclui a mastectomia (cirurgia de retirada da mama), quimioterapia, radioterapia e hormonioterapia.

Darcy passou pelo procedimento cirúrgico no dia 15 de junho e, após o desaparecimento do tumor, foi submetido a 12 sessões de quimioterapia - a última foi realizada, com sucesso, nesta segunda-feira (29).

"Eu fazia a quimioterapia às segundas-feiras, mas ficava 'quebrado' até quinta-feira. O tratamento derruba a gente", conta o idoso, que mora com a esposa Adalgiza e tem cinco filhos.

Mesmo após o tratamento, explica Potyra, o paciente deve continuar fazendo visitas frequentes ao médico para acompanhamento de exames clínicos, laboratoriais e de imagem.

"O câncer de mama, seja no homem ou na mulher, tem melhor evolução quanto antes for feito o diagnóstico e conforme o tipo do câncer."

Um em 100

Segundo a médica, a chance de um homem ter câncer de mama é uma em cada 100 casos. "As mulheres têm mais tecido mamário e condições hormonais que podem favorecer o aparecimento da doença", esclarece.

Em 2016, de acordo com dados do Inca, 16.254 pessoas morreram em decorrência de câncer de mama no país, sendo 16.069 mulheres e apenas 185 homens. Só no Estado de São Paulo foram 4.119 mulheres mortas e 30 homens.

A estimativa do instituto para o biênio 2018/2019 é de que sejam registrados 59.700 novos casos da doença em mulheres por ano, com um risco estimado de 56,33 casos a cada 100 mil mulheres.

No Estado de São Paulo, a estimativa é de 16.340 novos casos de câncer de mama feminino para cada ano do biênio. Como a incidência de câncer de mama em homens é baixa, a doença não entra na estimativa.

Fatores de risco

A mastologista explica que o câncer de mama masculino pode ser prevenido com hábitos de vida saudáveis que ajudem a diminuir os fatores de risco. Os principais são controle do peso corporal e evitar o consumo de bebidas alcoólicas.

A idade é um importante fator para os homens, pois o risco da doença aumenta com o envelhecimento. Segundo Potyra, geralmente o diagnóstico é feito por volta dos 72 anos.

Além disso, um em cada cinco homens que tiveram câncer de mama têm parentes próximos, homens ou mulheres, que também sofreram com a doença. Existe ainda uma síndrome congênita em homens, chamada Síndrome de Kleinefelter, que aumenta o risco de 20 a 60 vezes.

"Tratamentos de radioterapia no tórax, ingestão de álcool, doenças hepáticas, tratamentos com estrogênios e condições testiculares também são fatores de risco. Homens obesos têm maior risco, porque o tecido adiposo é capaz de converter hormônios masculinos em femininos", completa a médica.

Fonte: G1 Sorocaba e Jundiaí

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive