Núcleo de

Advocacy

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

ANS esclarece sobre meios de acesso a quimioterapia oral pelos planos de saúde

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/02/2018 - Data de atualização: 16/02/2018


O que houve?

No dia 19 de janeiro deste ano, o Instituto Oncoguia questionou a Agência Nacional de Saúde (ANS), via Lei de Acesso à Informação (LAI), o seguinte:

"No caso da dispensação de antineoplásicos de uso oral em domicílio, cada plano de saúde possui uma logística própria, o que muitas vezes deixa o beneficiário confuso, sobretudo quando ele realizou a portabilidade da carência. Assim, gostaríamos de saber se o beneficiário tem o direito de solicitar ao plano de saúde informações por escrito sobre todo o fluxo que deve seguir para ter acesso ao antineoplásico oral prescrito.”


Recebemos ontem (14/02) a seguinte resposta da agência, esclarecendo os procedimentos solicitados:

"A Lei nº 9.656/1.998 (Lei dos Planos de Saúde) através do Art. 12, Inciso I, alínea c e Inciso II, alínea g define a obrigatoriedade de cobertura a medicamentos antineoplásicos orais de uso domiciliar para planos que possuem cobertura ambulatorial e/ou hospitalar de forma genérica. Já o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde define as regras específicas de cobertura através da Resolução Normativa - RN nº 428/2017 e seus respectivos anexos. Em que pese haver regras específicas que definem a abrangência e limites de cobertura relativos à terapia antineoplásica oral de uso domiciliar, não há normativo que defina especificamente a forma de dispensação a ser seguida pelas operadoras. Há casos nos quais:

  • As próprias operadoras realizam a aquisição e fornecem aos beneficiários.
  • Outras possuem convênios com clínicas/hospitais que recebem os pedidos dos beneficiários e solicitam a autorização junto à operadora  para dispensação.
  • E há casos os quais os beneficiários adquirem e são posteriormente reembolsados. 

Em todos os casos, é necessário apresentar solicitação médica com a respectiva justificativa/laudo.

Entende-se, portanto, que o beneficiário deva solicitar junto ao atendimento da operadora o esclarecimento relativo aos procedimentos necessários à efetivação da solicitação/recebimento dos medicamentos.
 
Importante lembrar que a ANS define, através da Resolução Normativa - RN nº 395/2016, regras a serem observadas pelas Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde nas solicitações de procedimentos e/ou serviços de cobertura assistencial apresentados pelos beneficiários. O inciso IV do Art. 2º da norma define que é garantida ao usuário informação adequada, clara e precisa quanto aos serviços contratados, especialmente quanto às condições para sua fruição e aplicação de mecanismos de regulação. O mesmo normativo define, em seu Art. 4, que quando demandadas, as operadoras deverão prestar aos seus beneficiários, de forma imediata, as devidas informações e orientações sobre o procedimento e/ou serviço assistencial solicitado, esclarecendo ainda se há cobertura prevista no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da ANS e/ou no correspondente instrumento contratual firmado para prestação do serviço de assistência à saúde suplementar.
 
Apesar de não existir normatização específica quanto à dispensação de medicamentos antineoplásicos orais pelas operadoras de planos de saúde, há normativo relativo ao atendimento a ser prestado aos beneficiários o qual prevê esclarecimento imediato das dúvidas relativas à utilização de serviços contratados ou de cobertura obrigatória, dentre outras definições. 

Apesar na norma só prever a manifestação da operadora por escrito em casos de negativa de cobertura (§1º do Art.10) quando assim solicitado pelo beneficiário, também está previsto que o  beneficiários poderá solicitar acesso, sem ônus, aos registros de seus atendimentos, em até 72 (setenta e duas) horas da solicitação respectiva.
 
Entende-se, portanto, que a ANS determina que as operadoras forneçam ao beneficiário toda a informação necessária à plena utilização dos serviços contratados através do ditames da Resolução Normativa - RN nº 395/2016.

E agora?

O Oncoguia orienta que os pacientes beneficiários de planos de saúde sigam os passos elencados acima pela agência. Em caso de descumprimento do quanto descrito pela operadora de planos de saúde, o consumidor poderá acionar a agência através do Disque ANS (0800 701 9656), e fazer a advertência formal sobre o não cumprimento da lei. A operadora é notificada e lhe é dado o prazo máximo de 10 (dez) dias para a resolução do problema ou apresentação de justificativas da ocorrência do mesmo.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive